Anos dou­ra­dos CON­TI­NU­A­ÇÃO DO AR­TI­GO

VOGUE (Portugal) - - Lifestyle -

TH Ele era um mes­tre nis­so. Che­gá­mos a uma al­tu­ra em que ele que­ria fa­zer-me ciú­mes, por is­so con­tra­tou ou­tra mo­de­lo. Quan­do lhe per­gun­tei quem era, ele dis­se: “Clai­re Griswold.” E eu res­pon­di: “A Clai­re? Ela é mi­nha ami­ga! Tra­ba­lhá­mos jun­tas em No­va Ior­que! Es­tou mor­ti­nha por vê-la!” E ele fi­cou cha­te­a­do por eu não fi­car ver­de de in­ve­ja. E, de re­pen­te, ela de­sa­pa­re­ceu por­que ele lhe dis­se que ela não po­de­ria ter fi­lhos en­quan­to es­ti­ves­se sob con­tra­to com ele.

DJ Co­mo foi tra­ba­lhar com Edith He­ad, a cos­tu­rei­ra res­pon­sá­vel pe­lo guar­da-rou­pa?

TH Tra­ba­lhar com a Edith foi ma­ra­vi­lho­so. A coi­sa mais im­por­tan­te que apren­di com ela foi a for­ma bri­lhan­te co­mo ela ma­ni­pu­la­va os pro­du­to­res e os re­a­li­za­do­res, con­ven­cen­do-os ado­rar a rou­pa que ela de­se­nha­va. Ela fa­zia-os pen­sar que as idei­as de­la ti­nham si­do de­les. Mas far­tei-me da­que­le fa­to ver­de que usei n’os Pás­sa­ros. Ti­nha seis iguais! Mas em

Mar­nie… o vestido bran­co que ti­nha quan­do fui apa­nha­da a rou­bar era o meu pre­fe­ri­do. Pa­re­cia que ti­nha 1,80 me­tros quan­do o ves­tia.

DJ Co­mo se sen­tiu quan­do se tor­nou fa­mo­sa? Re­co­nhe­ci­am-na na rua?

TH Acon­te­ceu, al­gu­mas ve­zes, pes­so­as vi­rem na rua atrás de mim. Acho que o fac­to de eu ter uma ima­gem ele­gan­te fa­zia to­da a gen­te tra­tar-me de for­ma edu­ca­da e is­so era bom. E apren­di a nun­ca sair de ca­sa sem más­ca­ra de pes­ta­nas.

DJ A Mor­mor en­si­nou-me a apli­car más­ca­ra. Acho que her­dei as mi­nhas pes­ta­nas com­pri­das de si.

TH Acho fa­bu­lo­so que tu e a Me­la­nie se­jam atri­zes. Eu nun­ca lhe su­ge­ri na­da. Um dia, ela che­gou a ca­sa e dis­se: “Ma­mã, que­ro fa­zer um fil­me!”

DJ Eu cres­ci em lo­cais de fil­ma­gem, pen­sa­va: “Es­te é o tra­ba­lho de­les e vai ser o meu.” Al­gu­ma vez se apai­xo­nou por al­gum dos seus co­le­gas de ecrã?

TH Não.

DJ Nem um bo­ca­di­nho?

TH Tal­vez pe­lo Se­an [Con­nery]. Um bo­ca­di­nho. Mas dis­se a mim pró­pria: “Tip­pi, não te en­vol­vas.” E não me en­vol­vi. Ele era um gran­de ca­va­lhei­ro. E de­vem ter-lhe di­to: “Não to­ques na ra­pa­ri­ga.” Era o que Hit­ch­cock te­ria di­to. Tra­ba­lhar com o Char­lie Cha­plin foi es­pe­ta­cu­lar. Eu aca­ba­ra de me li­ber­tar do con­tra­to com Hit­ch­cock quan­do fui cha­ma­da pa­ra fa­zer

A Coun­tess from Hong Kong. Char­lie re­a­li­zou o fil­me in­ter­pre­tan­do to­dos os nos­sos papéis. O Mar­lon [Bran­do] quis de­sis­tir por­que is­so era com­ple­ta­men­te con­tra o método, que ele se­guia. Pa­ra o Mar­lon, ser obri­ga­do a ver Char­lie Cha­plin in­ter­pre­tar o pa­pel de­le era in­sul­tu­o­so. Mas ado­rei: acha­va ma­ra­vi­lho­so ver o Char­lie. Eu e o Mar­lon di­ver­ti­mo-nos. Ele acha­va que de­ve­ría­mos ter um af­fair, mas eu dis­se-lhe: “Bem, po­des ti­rar is­so da ca­be­ça.” Não o fa­ço com co­le­gas.

DJ O Neil foi o seu pri­mei­ro leão?

TH Sim. Ele era do Ron Ox­ley, o res­pon­sá­vel por ar­ran­jar ani­mais pa­ra o Ro­ar. Nu­ma ses­são fo­to­grá­fi­ca pa­ra a revista Li­fe fei­ta pa­ra pro­mo­ver o fil­me, Neil sal­tou so­bre o cor­ri­mão e caiu em ci­ma da me­sa de jan­tar. A pa­ta di­an­tei­ra de­le ater­rou no meu pra­to. A me­sa in­tei­ra de­sa­bou e caiu tu­do em ci­ma de mim. Os co­pos de vi­nho… tu­do! No prin­cí­pio, quan­do re­ce­bi as pe­que­nas cri­as, acha­va que eles eram ani­mais de es­ti­ma­ção – oh meu Deus, eram tão fo­fos! Mas não po­de­mos cor­rer ris­cos quan­do os ins­tin­tos de­les en­tram em ação. Um dos leões mor­deu-me na ca­be­ça en­quan­to es­tá­va­mos a fil­mar Ro­ar.

DJ Mor­mor, já fez tan­tas coi­sas na vi­da, o que é que ain­da lhe fal­ta al­can­çar?

TH Li­mi­to-me a es­pe­rar pe­lo que vai acon­te­cer. Sou em­pur­ra­da em di­re­ções que acho ca­da vez mais in­te­res­san­tes com o passar dos anos. Fi­co es­pan­ta­da quan­do olho pa­ra trás e ve­jo as por­tas que se abri­ram pa­ra mim – e aque­las em que eu de­ci­di en­trar. l

Tip­pi: A Me­moir, de Tip­pi He­dren, edi­ta­do por Wil­li­am Mor­row.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.