Malgosia, a be­la CON­TI­NU­A­ÇÃO DO AR­TI­GO

VOGUE (Portugal) - - Lifestyle -

E de re­pen­te lem­bra­mo-nos: Malgosia Be­la. Um no­me que soa tão bem que pa­re­ce de­ma­si­a­do sim­ples. Es­ta­re­mos a pro­nun­ciá-lo bem? “É a for­ma cor­re­ta, tal co­mo apa­re­ce no pas­sa­por­te. No dia a dia uso Malgosia (soa su­a­ve e qua­se por­tu­guês) e a ver­são ain­da mais sim­ples, Mal­go (in­ven­ta­da pe­los fran­ce­ses).” Na ver­da­de, Malgosia é o di­mi­nu­ti­vo de Mal­gor­za­ta (pé­ro­la, em po­la­co). Ou, co­mo di­ria Paul Va­léry so­bre tu­do o que é belo, “aqui­lo que de­ses­pe­ra”. Es­ta é a mu­lher que jus­ti­fi­ca a sua pri­mei­ra cam­pa­nha de lin­ge­rie aos 37 anos (pa­ra a La Per­la) com um sim­ples “era a al­tu­ra cer­ta”. A sua re­la­ção com o cor­po, e com a nu­dez, é ad­mi­rá­vel. “Acho ab­so­lu­ta­men­te que a Be­le­za vem de den­tro. O au­to­co­nhe­ci­men­to dá-te con­fi­an­ça e de­pois de uma cer­ta ida­de is­so no­ta-se, tam­bém, na fo­to­gra­fia.” Tal­vez por is­so, a pou­cos me­ses dos 40, se sin­ta “óti­ma, sin­to-me co­mo uma gar­ra­fa de vi­nho. Qu­an­to mais ve­lha, me­lhor”.

Mas vol­te­mos à mú­si­ca. Que­ria ser pro­fis­si­o­nal? Era pa­ra is­so que es­tu­da­va? “Não pro­pri­a­men­te, mas is­so não mu­da o fac­to de a ado­rar. Nun­ca ti­ve a co­ra­gem em a for­ça men­tal pa­ra ser uma per­for­mer. To­ca­va pi­a­no e sou­be mui­to ce­do que pa­ra ser uma pi­a­nis­ta pro­fis­si­o­nal tens de ser um gé­nio e sa­cri­fi­car tu­do pa­ra ter es­se ti­po de car­rei­ra. E eu que­ria ex­pe­ri­men­tar ou­tras coi­sas além dis­so…” Não ex­pli­ca que coi­sas se­ri­am, mas su­ge­re sons pa­ra edu­car o ou­vi­do: “Eu di­ria ape­nas: a mú­si­ca acal­ma a con­du­ta. En­quan­to ou­vi­mos, edu­ca­mo-nos a nós mes­mos… Se ti­ves­se de es­co­lher al­guém que ti­ves­se fun­da­do tu­do o que veio de­pois de­le, di­ria Ba­ch.” E as­su­me que sim, que es­tá cer­ti­fi­ca­da a en­si­nar. “Ab­so­lu­ta­men­te. Não te­nho a cer­te­za se te­ria pa­ci­ên­cia, é um ins­tru­men­to mui­to, mui­to, mui­to di­fí­cil.” A fran­que­za de­sar­ma.

Além das re­vis­tas, da uni­ver­si­da­de, da mú­si­ca, do ca­len­dá­rio Pi­rel­li (em que apa­re­ceu em 2009 e 2012), Malgosia é atriz. Es­tre­ou-se em 2004 no pa­pel de Ewa, no fil­me po­la­co Ono (Es­tra­nho) e, ga­ran­te, “as su­as am­bi­ções têm a ver com pro­je­tos. Fi­co fe­liz por fa­zer par­te dos que são in­te­res­san­tes. Mes­mo que se­ja um pa­pel mui­to pe­que­no. O pro­je­to em que te­nho es­ta­do a tra­ba­lhar ul­ti­ma­men­te é o no­vo fil­me de Lu­ca Gu­a­dag­ni­no, cha­ma­do Sus­pi­ria. Te­nho dois papéis pe­que­nos ne­le e sin­to-me mui­to hon­ra­da por par­ti­ci­par. O fil­me con­ta ain­da com Til­da Swin­ton e com Da­ko­ta John­son.” Sa­ben­do is­to, so­mos obri­ga­dos a per­gun­tar: a ou­tra Malgosia é ar­tis­ta? “Não, nun­ca pen­so em mim nes­ses ter­mos. Vou de pro­je­to em pro­je­to, às ve­zes sou mú­si­ca, às ve­zes mo­de­lo, às ve­zes do­na de ca­sa, sem­pre mãe.”

Por fa­lar em ma­ter­ni­da­de, o que mu­dou de­pois de ser mãe, aos 27 anos? “Tu­do. Pa­ra qual­quer mu­lher, é uma mu­dan­ça de fo­co de 180 graus. De nós pa­ra ou­tra pes­soa. Pões tu­do em pers­pe­ti­va e de­fi­nes as tu­as pri­o­ri­da­des co­mo de­ve ser. Sim­pli­fi­ca a vi­da, em ge­ral, e com­pli­ca a re­a­li­da­de do dia a dia, em par­ti­cu­lar.” O es­ti­lo, por exem­plo, mu­dou? “Di­ria que evo­luiu. O con­for­to vem an­tes da Mo­da. Mas não te­rá vin­do sem­pre, no meu ca­so?” In­sis­ti­mos: na sua po­si­ção, de­ve ser fá­cil ter aces­so a rou­pa ma­ra­vi­lho­sa? “Acho que sim mas, uma vez mais, a Mo­da não é a mi­nha pai­xão.” Nem é na Mo­da que es­tão os seus ami­gos. “A mai­o­ria dos meus ami­gos não vem da Mo­da. Mas co­mo es­tou na in­dús­tria há qua­se du­as dé­ca­das, claro que al­gu­mas das ami­za­des têm pro­va­do ser só­li­das e du­ra­dou­ras.” Se­re­ni­da­de, uma vez mais.

Malgosia Be­la não se pre­o­cu­pa com o tem­po, se­ja ele fu­tu­ro ou pas­sa­do. Apren­deu a vi­ver com as coi­sas que lhe sa­bem bem. Ren­deu-se aos guilty ple­a­su­res (“Boa co­mi­da e bom vi­nho… Um cli­ché”) e re­du­ziu dras­ti­ca­men­te as mi­lhas do seu car­tão de pas­sa­gei­ro fre­quen­te – ela que, quan­do co­me­çou, nun­ca ti­nha en­tra­do num avião: “Hou­ve uma al­tu­ra em que che­ga­va a vo­ar en­tre os Es­ta­dos Unidos e a Eu­ro­pa três ve­zes por se­ma­na. Acal­mou mui­to nos úl­ti­mos anos e foi uma de­ci­são cons­ci­en­te.” Co­mo sa­be­rá quan­do pa­rar?, per­gun­ta­mos fi­nal­men­te. “Oh, não me pre­o­cu­po com is­so. Quan­do já não for bom, aca­ba­rá por si mes­mo… E se a vi­da me apre­sen­tar ou­tro pro­je­to in­te­res­san­te… Acei­ta­rei, co­mo sem­pre fiz…” l

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.