Co­ra­ções AUDAZES

VOGUE (Portugal) - - Testemunho -

De­pois de as­sis­tir a um vas­to ge­no­cí­dio e a epi­só­di­os de es­cra­va­tu­ra se­xu­al per­pe­tra­dos pe­lo ISIS em 2014, um gru­po de mu­lhe­res ya­zi­di for­mou um ba­ta­lhão pa­ra ri­pos­tar. Conheça as Se­nho­ras do Sol.

Por Ja­ni­ne di Gi­o­van­ni. se­te horas de vi­a­gem de au­to­mó­vel por uma es­tra­da aci­den­ta­da saí­da de Er­bil, a ca­pi­tal do Cur­dis­tão ira­qui­a­no, fi­ca uma es­co­la aban­do­na­da re­cen­te­men­te uti­li­za­da co­mo quar­tel-ge­ne­ral do Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Quan­do lá che­ga­mos, de­pois de atra­ves­sar­mos cam­pos pon­ti­lha­dos por ex­plo­ra­ções pe­tro­lí­fe­ras in­can­des­cen­tes, o in­cle­men­te sol ira­qui­a­no já bai­xou e o céu tor­nou-se mais su­a­ve. Faz-se tar­de. Den­tro da es­co­la, um gru­po de mu­lhe­res ya­zi­di, so­bre­tu­do ado­les­cen­tes, ini­cia o seu ri­tu­al da ho­ra de dor­mir. So­bre­vi­ve­ram ao ge­no­cí­dio e vi­ram os seus pais, ir­mãos, pri­mos e en­tes que­ri­dos se­rem cha­ci­na­dos por mi­li­tan­tes do ISIS. Ago­ra es­tão de pi­ja­ma e pés des­cal­ços, a des­fa­zer car­ra­pi­tos e a es­co­var os seus lon­gos ca­be­los até à cin­tu­ra. É um pou­co co­mo viver num co­lé­gio in­ter­no, só que es­tas mu­lhe­res são sol­da­dos pro­fis­si­o­nais.

“A nos­sa his­tó­ria é som­bria”, diz Kha­to­on Khi­der, de 36 anos, a ro­bus­ta co­man­dan­te da Bri­ga­da da Força das Se­nho­ras do Sol. Es­ta­mos sen­ta­das no seu ga­bi­ne­te, ten­tan­do re­fres­car-nos do ca­lor opres­si­vo. Khi­der es­tá ha­bi­tu­a­da a uma vi­da du­ra. Nos úl­ti­mos dois anos, des­de agos­to de 2014, al­tu­ra em que cer­ca de 5.000 ya­zi­dis fo­ram as­sas­si­na­dos e ou­tros 6.000 capturados e es­cra­vi­za­dos pe­lo ISIS, ela tem de­di­ca­do a vi­da à pro­te­ção do seu po­vo. “O que nos acon­te­ceu foi im­pen­sá­vel”, afir­ma. Che­ga­ram ao Oci­den­te ima­gens de so­bre­vi­ven­tes en­ca­lha­dos no mon­te Sin­jar. Mui­tos fu­gi­ram das su­as al­dei­as em ruí­nas – mais tar­de des­truí­das com mi­nas pe­lo ISIS pa­ra que não pu­des­sem re­gres­sar – e vivem ago­ra em acam­pa­men­tos de des­lo­ca­dos. Mas a ima­gem glo­bal da­qui­lo que so­fre­ram só ago­ra co­me­ça a apa­re­cer.

Em de­zem­bro do ano pas­sa­do, Na­dia Mu­rad, de 23 anos, que per­deu 18 mem­bros da sua fa­mí­lia alar­ga­da, e foi man­ti­da pre­sa e bru­tal­men­te vi­o­la­da em con­jun­to por sol­da­dos do ISIS, des­cre­veu co­ra­jo­sa­men­te as pro­va­ções so­fri­das ao Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das na sua pri­mei­ra ses­são so­bre trá­fi­co humano. “O Es­ta­do Is­lâ­mi­co não veio só pa­ra

As Se­nho­ras do Sol fa­zem exer­cí­cio de treino. Um ba­ta­lhão en­che sa­cos de areia. De­se­nhos te­ra­pêu­ti­cos fei­tos por ví­ti­mas de vi­o­la­ção.

Azi­za, uma mu­lher-sol­da­do de 20 anos Ao ama­nhe­cer, as mu­lhe­res-sol­da­do dor­mem no ter­ra­ço da sua ba­se. As pre­pa­ra­ções ma­ti­nais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.