O Pi­la­tes e os or­gas­mos? Sim!!!

Ali­ar a ati­vi­da­de fí­si­ca à vi­da se­xu­al é al­go que, à pri­mei­ra vis­ta, não lhe pas­sa­ria pe­la ca­be­ça. Mas de­via. Fi­que sa­ber mais so­bre o Pi­la­tes e so­bre os ‘mi­la­gres’ que po­de fa­zer por si.

Women's Health (Portugal) - - SUMÁRIO - POR DANIELA COSTA TEIXEIRA

Co­me­ce­mos por es­que­cer des­de já a ideia de que o Pi­la­tes é um exer­cí­cio pa­ra as pes­so­as mais ve­lhas ou uma ati­vi­da­de fí­si­ca de­sin­te­res­san­te, mo­nó­to­na e até mes­mo pou­co efi­caz. Tu­do is­to es­tá to­tal­men­te er­ra­do! O Pi­la­tes po­de vir mes­mo a ser o seu me­lhor ami­go (e das for­mas mais ines­pe­ra­das!).

Cri­a­do nos anos 20 pe­lo ale­mão Jo­seph H. Pi­la­tes, es­te mé­to­do as­sen­tou des­de sem­pre na­qui­lo a que o seu pró­prio men­tor cha­mou de ‘cron­to­lo­gia’. Fa­la­mos do con­tro­lo da men­te so­bre a mus­cu­la­tu­ra, uma es­pé­cie de po­der qua­se to­tal so­bre nós pró­pri­as. Con­cen­tra­ção, cen­tra­li­za­ção, pre­ci­são, res­pi­ra­ção, con­tro­lo e flui­dez são os pi­la­res des­te mé­to­do, que de­fen­de a im­por­tân­cia da re­a­li­za­ção de me­nos re­pe­ti­ções de mo­do a apos­tar na per­fei­ção de ca­da mo­vi­men­to. E es­sa mes­ma per­fei­ção con­se­gue-se com a har­mo­ni­o­sa si­ner­gia en­tre o cor­po e a men­te.

“Atra­vés da re­a­li­za­ção de di­fe­ren­tes exer­cí­ci­os em apa­re­lhos, o Pi­la­tes de­sen­vol­ve a for­ça, a fle­xi­bi­li­da­de, a re­sis­tên­cia e o con­tro­lo mo­tor do cor­po”, ex­pli­ca Inês Mo­rei­ra, di­re­to­ra téc­ni­ca e pro­fes­so­ra de Pi­la­tes no Es­tú­dio da Be­lou­ra, no Es­tú­dio Pi­la­tes do Jazzy Li­fe Club do Es­tá­dio da Luz e do Es­tú­dio Pi­la­tes da Quin­ta da Ma­ri­nha.

Par­te do su­ces­so do Pi­la­tes vem da for­ça na zo­na ab­do­mi­nal, al­go que “pro­mo­ve o for­ta­le­ci­men­to da mus­cu­la­tu­ra ab­do­mi­nal e dos mús­cu­los que su­por­tam a co­lu­na, fa­vo­re­cen­do o ali­nha­men­to e a es­ta­bi­li­za­ção da co­lu­na, pro­por­ci­o­nan­do uma re­e­du­ca­ção pos­tu­ral glo­bal e o alí­vio de do­res”. Mas es­te não é o úni­co se­gre­do do pi­la­tes. O pa­vi­men­to pél­vi­co é tam­bém tra­ba­lha­do e é des­te tra­ba­lho lo­ca­li­za­do que nas­ce uma das van­ta­gens mais ines­pe­ra­das des­ta mo­da­li­da­de.

“No Pi­la­tes, tra­ba­lha­mos sem­pre de den­tro pa­ra fo­ra. Da­mos aten­ção ao for­ta­le­ci­men­to da mus­cu­la­tu­ra in­ter­na mais pro­fun­da, co­mo o ab­do­mi­nal, on­de es­tá, in­clu­si­ve, o pa­vi­men­to pél­vi­co, que con­tém os mús­cu­los que sus­ten­tam os ór­gãos se­xu­ais”, ex­pli­ca-nos Fre­de­ri­co Fi­guei­re­do, di­re­tor e pro­fes­sor no The Pi­la­tes Stu­dio Por­tu­gal. Por in­cluir uma sé­rie de mo­vi­men­tos que exer­ci­tam a re­gião pél­vi­ca, dei­xan­do-a mais for­te, por pro­mo­ver um mai­or con­tro­lo e o co­nhe­ci­men­to do pró­prio cor­po, por tam­bém me­lho­rar o as­pe­to fí­si­co da mu­lher, fa­zen­do com que se sin­ta mais con­fi­an­te e com uma mai­or au­to­es­ti­ma e por es­ti­mu­lar a flui­dez do flu­xo san­guí­neo, o Pi­la­tes as­su­me-se mes­mo co­mo um dos me­lho­res ami­gos da vi­da se­xu­al fe­mi­ni­na. E sim, in­clu­em-se aqui os sem­pre de­se­ja­dos or­gas­mos! “O Pi­la­tes po­de ser um ali­a­do na vi­da se­xu­al da mu­lher por­que pro­mo­ve uma me­lho­ria da for­ma fí­si­ca em ge­ral e tra­ba­lha os mús­cu­los do pa­vi­men­to pél­vi­co, que têm uma fun­ção im­por­tan­te na prá­ti­ca se­xu­al”, des­ta­ca Inês Mo­rei­ra. A Ci­ên­cia não fi­cou in­di­fe­ren­te ao po­der or­gás­mi­co do Pi­la­tes e um es­tu­do pu­bli­ca­do na revista ci­en­tí­fi­ca Jour­nal of Sex and Ma­ri­tal The­rapy re­ve­lou que a prá­ti­ca de 12 se­ma­nas des­te mé­to­do é su­fi­ci­en­te pa­ra bai­xar os ní­veis de de­pres­são e au­men­tar a ta­xa de fun­ção se­xu­al das mu­lhe­res, ta­xa es­sa que vem à bo­leia de um mai­or de­se­jo.

Mais fle­xí­vel, mais for­te, mais se­gu­ra. O Pi­la­tes po­de ser mes­mo o seu me­lhor ami­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.