Ame o seu cor­po

Women's Health (Portugal) - - WELCOME - Pe­dro Lu­cas Di­re­tor

Os pa­drões de be­le­za fe­mi­ni­na (e mas­cu­li­na) têm atra­ves­sa­do cons­tan­tes al­te­ra­ções ao lon­go da his­tó­ria. Na Ida­de da Pe­dra, a be­le­za fe­mi­ni­na era de­fi­ni­da pe­lo ta­ma­nho dos sei­os e pe­la lar­gu­ra das an­cas, sím­bo­lo de fer­ti­li­da­de. Na Chi­na An­ti­ga, a in­te­li­gên­cia era de­ter­mi­nan­te na de­fi­ni­ção do que era belo e a apa­rên­cia fí­si­ca era des­va­lo­ri­za­da. Com o pas­sar dos tem­pos, deu-se es­pa­ço à ma­gre­za, que se tor­nou pro­ta­go­nis­ta das pas­se­rel­les, de­pois as “fa­mo­sas” me­di­das ide­ais (86-60-86) e ain­da há pou­co tem­po o le­ma “Fit is the new black” ga­nhou pal­co nas re­des so­ci­ais. Atu­al­men­te, ape­la-se à be­le­za fe­mi­ni­na sem ró­tu­los, à acei­ta­ção do cor­po co­mo ele é. A be­le­za po­de es­tar num cor­po atlé­ti­co, mas tam­bém num cor­po de uma mu­lher com es­tri­as, ce­lu­li­te, al­guns quilos a mais, ru­gas que con­tam his­tó­ri­as ou até li­mi­ta­ções fí­si­cas de­cor­ren­tes das du­ras ba­ta­lhas tra­va­das e ven­ci­das - por uma mu­lher.

Pa­drões à par­te, a be­le­za es­tá até on­de os nos­sos olhos con­se­gui­rem al­can­çar o que es­tá pa­ra além de um cor­po. Con­cor­do com tu­do is­to, mas o meu re­ceio é que es­te ti­po de mo­vi­men­tos vá ga­nhan­do for­ça nas re­des so­ci­ais e le­ve a uma cer­ta des­pre­o­cu­pa­ção pe­la “saú­de de um cor­po”. Que sob a más­ca­ra do “Te­nho de me acei­tar co­mo sou”, as pes­so­as dei­xem de se cui­dar. Te­mo que es­se “slo­gan vi­ral” de “Acei­te o seu cor­po” co­lo­que qua­dros de obe­si­da­de ou de ma­gre­za ex­tre­ma co­mo al­go na­tu­ral ou des­pre­o­cu­pan­te. Te­mo que, em vez de se es­tar a trans­mi­tir con­fi­an­ça às mu­lhe­res pa­ra cui­da­rem de si, is­so as des­vie do que re­al­men­te im­por­ta. Por­tan­to, acho que de­ve­mos ti­rar o fo­co da apa­rên­cia do cor­po e cen­trar­mo-nos mais na­qui­lo que ele é ca­paz de fa­zer, pro­por­ci­o­nar, per­mi­tir e vi­ver. Tal­vez as­sim pas­se­mos a cui­dar mais de nós, sem pres­sões, nem ob­ses­sões.

Por is­so é que a Wo­men’s He­alth lan­ça es­te ape­lo às mu­lhe­res por­tu­gue­sas. Em vez de a men­sa­gem ser “ape­nas” pa­ra que acei­tem o cor­po tal co­mo ele é, ela se­ja mais um in­cen­ti­vo pa­ra que o amem e res­pei­tem! Por­que amar o nos­so cor­po tal co­mo ele é sig­ni­fi­ca cui­dar de­le, co­nhe­cer os seus li­mi­tes e fa­zer o que nos com­pe­te pa­ra o tor­nar mais for­te e sau­dá­vel. Tam­bém é cru­ci­al re­co­nhe­cer que há cer­tos há­bi­tos que o mal­tra­tam. Por­tan­to: al­ta, bai­xa, ma­gra, chei­i­nha, com ce­lu­li­te, si­li­co­ne, loi­ra, negra… pou­co im­por­ta. Amem-se, pois nin­guém o fa­rá me­lhor que vo­cês pró­pri­as. E ten­tem me­lho­rar, sem ob­ses­sões, o que sem­pre qui­se­ram. Lem­brem-se: nin­guém é per­fei­to (nem as mu­lhe­res que co­lo­ca­mos nas ca­pas).

Pa­ra ter­mi­nar, de­vo di­zer que a Wo­men’s He­alth Por­tu­gal faz par­te, pe­la pri­mei­ra vez, do mo­vi­men­to in­ter­na­ci­o­nal da mar­ca Na­ked Is­sue, cu­jo ob­je­ti­vo é pas­sar a men­sa­gem que aca­bo de es­cre­ver. So­fia Ribeiro, pe­las ra­zões ób­vi­as da sua re­cen­te re­la­ção com o cor­po, é a pro­ta­go­nis­ta por­tu­gue­sa des­ta men­sa­gem. Ou­tras mu­lhe­res por­tu­gue­sas jun­tam-se nes­ta edi­ção e, cla­ro, con­ta­mos tam­bém con­si­go.

De­sa­fio-a a par­ti­lhar fo­tos da sua re­la­ção com o cor­po no Ins­ta­gram, usan­do a hash­tag #oMeuCor­po. Pa­ra sim­pli­fi­car, co­lo­cá­mos uma sé­rie de fra­ses com men­sa­gens. Im­pri­ma-as e fo­to­gra­fe-se com a(s) que mais se iden­ti­fi­car. Co­mo dis­se des­de o iní­cio da Wo­men’s He­alth: es­ta vi­a­gem só faz sen­ti­do ao vos­so la­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.