AS HIS­TÓ­RI­AS QUE O MEU COR­PO CON­TA

A pe­le é o nos­so mai­or ór­gão, o nos­so prin­ci­pal es­cu­do pro­te­tor, o nos­so me­lhor re­fle­xo. A pe­le é o li­vro da nos­sa vi­da e são mui­tas as his­tó­ri­as que é ca­paz de con­tar.

Women's Health (Portugal) - - BELEZA PELE FIRME - POR DA­NI­E­LA COS­TA TEI­XEI­RA

OOu­vi­mos mui­tas ve­zes que as ru­gas são si­nó­ni­mo de sa­be­do­ria e de uma vi­da bem vi­vi­da, que as es­tri­as são o re­sul­ta­do de uma mudança e que as ci­ca­tri­zes são as nos­sas mar­cas de guer­ra. E tu­do is­to não es­tá lon­ge da ver­da­de – a pe­le é o li­vro da nos­sa vi­da e ca­da mar­ca que ne­la nas­ce é um ca­pí­tu­lo que me­re­ce ser en­ten­di­do. A nar­ra­ti­va de ca­da um des­ses ca­pí­tu­los de­pen­de de um sem-fim de per­so­na­gens (fa­to­res in­ter­nos e ex­ter­nos), mas, na ver­da­de, é a ma­triz ge­né­ti­ca da pes­soa que tor­na ca­da ‘li­vro’ úni­co – e jus­ti­fi­ca o fac­to de ca­da cor­po con­tar a sua pró­pria his­tó­ria. Es­tri­as, ci­ca­tri­zes de ac­ne, man­chas do sol, me­las­ma e ru­gas são os cin­co ca­pí­tu­los da obra li­te­rá­ria que as der­ma­to­lo­gis­tas Ana No­guei­ra e Vera Torres aju­da­ram a Wo­men’s He­alth a es­cre­ver. Com­pre­en­da as his­tó­ri­as que o cor­po con­ta.

1 ES­TRI­AS

No Ins­ta­gram têm o no­me de #ti­gers­tri­pes e são a mais re­cen­te ode à na­tu­ra­li­da­de do cor­po hu­ma­no (há mar­cas de rou­pa que já não as eli­mi­nam com Pho­toshop!).

As es­tri­as são o re­sul­ta­do de “uma ru­tu­ra, uma fra­tu­ra pa­to­ló­gi­ca das fi­bras de co­la­gé­nio e das fi­bras elás­ti­cas que es­tão pre­sen­tes no te­ci­do con­jun­ti­vo da pe­le”, co­me­ça por ex­pli­car a der­ma­to­lo­gis­ta Vera Torres, do Hos­pi­tal da Cruz Ver­me­lha, em Lis­boa.

Ape­sar de in­de­se­ja­do, o apa­re­ci­men­to das es­tri­as é um pro­ces­so na­tu­ral, mas a in­ten­si­da­de e frequên­cia des­tas li­nhas ir­re­gu­la­res, que afe­tam so­bre­tu­do a zo­na da bar­ri­ga, as co­xas, os bra­ços e o pei­to, de­pen­de mui­to da “boa qua­li­da­de ge­né­ti­ca des­sas mes­mas fi­bras”. “Os pi­cos de cres­ci­men­to por al­tu­ra da pu­ber­da­de, o cres­ci­men­to rá­pi­do das ma­mas, o au­men­to do vo­lu­me ab­do­mi­nal na gra­vi­dez” e as tão te­mi­das os­ci­la­ções de pe­so são “si­tu­a­ções fi­si­o­ló­gi­cas” que po­dem de­sen­ca­de­ar o apa­re­ci­men­to de es­tri­as, re­ve­la Ana No­guei­ra, der­ma­to­lo­gis­ta no Hos­pi­tal São João, no Por­to. Mas, es­te ca­pí­tu­lo das es­tri­as é, ain­da, in­fin­dá­vel. Até à da­ta, con­ti­nua a es­pe­ci­a­lis­ta, “não exis­te ain­da uma so­lu­ção que eli­mi­ne as es­tri­as por com­ple­to”. O que exis­te, na prá­ti­ca, é uma for­ma de con­tor­nar a sua vi­si­bi­li­da­de, sen­do os pe­e­lings, o la­ser e a ra­di­o­frequên­cia os tra­ta­men­tos em clí­ni­ca que “po­dem con­tri­buir pa­ra uma me­lho­ria”. Quan­to à efi­cá­cia dos tão usa­dos cre­mes an­ti­es­tri­as, des­ta­ca Vera Torres, “o prin­cí­pio ati­vo que à la lon­gue é efi­caz no tra­ta­men­to é a tre­ti­noí­na [áci­do re­ti­noi­co]. Se­rá das pou­cas subs­tân­ci­as que, efe­ti­va­men­te, e se ti­ver pa­ci­ên­cia de apli­car por mui­to tem­po, dá provas de que tem um prin­cí­pio de pre­ven­ção na re­es­tru­tu­ra­ção da fi­bra de co­la­gé­nio da pe­le”.

NÃO É, AIN­DA, POS­SÍ­VEL ELI­MI­NAR AS ES­TRI­AS POR COM­PLE­TO

TAL CO­MO ACON­TE­CE COM AS ES­TRI­AS, A GE­NÉ­TI­CA É A PRO­TA­GO­NIS­TA NA HIS­TÓ­RIA DAS RU­GAS

As fo­to­gra­fi­as que ti­rá­mos na ado­les­cên­cia tei­mam em avi­var as me­mó­ri­as pas­sa­das que o es­pe­lho, por ve­zes, não dei­xa es­que­cer. E o ca­pí­tu­lo da ac­ne po­de ser bem som­brio: As mar­cas que de­la re­sul­tam são das mais in­ten­sas e di­fí­ceis de acei­tar, “ar­ruí­nam a au­to­es­ti­ma e po­dem de­pri­mir”, aler­ta a der­ma­to­lo­gis­ta Vera Torres. As ci­ca­tri­zes são as nos­sas mar­cas de guer­ra, mas, no que diz res­pei­to à ac­ne, po­dem mes­mo ser uma mar­ca eter­na (mais não se­ja na nos­sa men­te). É cer­to e sa­bi­do que nem to­da a ac­ne pro­vo­ca ci­ca­tri­zes, mas é tam­bém cer­to e sa­bi­do que há um ve­lho há­bi­to que po­de le­var a que is­so acon­te­ça. E Vera Torres tem uma equa­ção que ja­mais irá es­que­cer: 80%-20%. O que é que is­to quer di­zer? “Na ac­ne es­co­ri­a­da, 80% é cul­pa da mão [há­bi­to de es­pre­mer a es­pi­nha] e 20% da ac­ne”.

“As pes­so­as que me­xem e re­me­xem na pe­le” são as mais pro­pen­sas a ter uma ac­ne “mais de­for­man­te e vi­sí­vel”, con­tu­do, nem tu­do são más no­tí­ci­as. Diz a es­pe­ci­a­lis­ta que exis­tem atu­al­men­te “tra­ta­men­tos fan­tás­ti­cos e a in­ter­ven­ção der­ma­to­ló­gi­ca é qua­se a 100%”, al­go que per­mi­te re­mo­ver com bas­tan­te efi­cá­cia as mar­cas dei­xa­das pe­la ac­ne, se­ja ela ori­gi­ná­ria na ado­les­cên­cia ou já na ida­de adul­ta (ca­da vez mais co­mum e que po­de apa­re­cer por cul­pa dos ‘tem­pos modernos’, que é co­mo quem diz, do stress, da má ali­men­ta­ção e do de­se­qui­lí­brio hor­mo­nal).

Por se tra­tar de uma pa­to­lo­gia hor­mo­no-de­pen­den­te, es­te ca­pí­tu­lo da ac­ne po­de ne­ces­si­tar de to­da uma re­es­tru­tu­ra­ção da his­tó­ria e is­so im­pli­ca, mui­tas ve­zes, “tra­tar de den­tro pa­ra fo­ra”, com o re­cur­so a an­ti­bió­ti­cos, pe­ró­xi­do de ben­zoí­lo e re­gu­la­do­res hor­mo­nais. A es­fo­li­a­ção, os pe­e­lings, o la­ser fra­ci­o­na­do e o pre­en­chi­men­to com áci­do hi­a­lu­ró­ni­co são as téc­ni­cas usa­das pe­los es­pe­ci­a­lis­tas, em­bo­ra Ana No­guei­ra de­fen­da ain­da a ne­ces­si­da­de de pre­ven­ção so­lar, que “é de ex­tre­ma im­por­tân­cia pa­ra pre­ve­nir ci­ca­tri­zes hi­per­pig­men­ta­das” (aque­las man­chas es­cu­ras que nas­cem em re­dor da bor­bu­lha).

3 MAN­CHAS DO SOL

Es­ta é, pos­si­vel­men­te, a par­te da his­tó­ria que o seu li­vro não quer ter. Tal co­mo o no­me in­di­ca, as ma­chas do sol são aque­las que nas­cem da ex­po­si­ção so­lar ex­ces­si­va e des­pro­te­gi­da, um há­bi­to ain­da mui­to en­rai­za­do e que faz dis­pa­rar o ris­co de can­cro cu­tâ­neo to­dos os anos. Den­tro das man­chas cau­sa­das pe­lo sol, a es­pe­ci­a­lis­ta Ana No­guei­ra des­ta­ca os len­ti­gos so­la­res, que são na­da mais, na­da me­nos do que as tão co­muns man­chas cas­ta­nhas pe­que­nas que se as­se­me­lham às sar­das, mas que apre­sen­tam uma to­na­li­da­de “mais es­cu­ra” e que “si­na­li­zam um ris­co acres­ci­do de can­cro da pe­le”.

Ao con­trá­rio das sar­das – que “têm agen­tes des­pig­men­tan­tes e são uma ca­rac­te­rís­ti­ca da pe­le”, es­cla­re­ce Vera Torres –, es­tas man­chas do sol apa­re­cem à bo­leia dos “es­cal­dões, da prá­ti­ca de so­lá­rio e da mui­ta ex­po­si­ção so­lar cu­mu­la­ti­va ao lon­go da vi­da”. Ape­sar de exis­ti­rem tra­ta­men­tos a la­ser pa­ra es­ta mar­ca de pe­le, “a vi­gi­lân­cia do can­cro de pe­le é a pre­o­cu­pa­ção pri­mor­di­al”.

4 ME­LAS­MA

Mais co­mum em mu­lhe­res do que em ho­mens, o me­las­ma é tam­bém uma “for­ma de hi­perp­gi­men­ta­ção da pe­le”, sen­do mais co­mum nos fo­tó­ti­pos mais ele­va­dos – pes­so­as com to­na­li­da­des de pe­le mais es­cu­ras. Es­tas “man­chas com dis­tri­bui­ção pre­fe­ren­ci­al no lá­bio su­pe­ri­or, na re­gião ma­lar (bo­che­chas) e na fron­te” po­dem sur­gir à bo­leia do sim­ples há­bi­to de to­mar a pí­lu­la, con­ta Ana No­guei­ra. Aliás, re­for­ça Vera Torres, “o me­las­ma de­pen­de das hor­mo­nas, es­tá mui­to re­la­ci­o­na­do com a fun­ção ová­ri­ca e, por is­so, quan­do os ová­ri­os di­mi­nu­em a sua ati­vi­da­de, es­ta hor­mo­no-de­pen­dên­cia aca­ba por fa­zer de­sa­pa­re­cer es­tas le­sões”.

No tra­ta­men­to do me­las­ma exis­tem “in­ter­ven­ções te­ra­pêu­ti­cas em que se con­se­gue des­pig­men­tar as pes­so­as com­ple­ta­men­te, mas uma das con­di­ções pa­ra a efi­cá­cia é a sus­pen­são da pí­lu­la e de to­do o ti­po de apor­te hor­mo­nal, co­mo o anel va­gi­nal, os im­plan­tes an­ti­con­ce­ci­o­nais ou os dis­po­si­ti­vos in­trau­te­ri­nos com im­preg­na­ção hor­mo­nal”.

5 RU­GAS

Se al­gu­mas his­tó­ri­as que a nos­sa pe­le con­ta têm co­mo pro­ta­go­nis­tas maus há­bi­tos ou uma ge­né­ti­ca trai­ço­ei­ra, ou­tras sur­gem por­que, sim­ples­men­te, as­sim tem de ser. Fa­la­mos, cla­ro, das ru­gas de cro­no­en­ve­lhe­ci­men­to. Ao con­trá­rio das que são cau­sa­das pe­lo fo­to­en­ve­lheic­men­to – sim, a ex­po­si­ção so­lar in­ten­si­va e des­pro­te­gi­da po­de mu­dar to­da a bela nar­ra­ti­va na sua pe­le –, as ru­gas de cro­no­en­ve­lhe­ci­men­to são as que acom­pa­nham a ida­de e que de­pen­dem mais da ge­né­ti­ca. Tal co­mo acon­te­ce com as es­tri­as, diz Vera Torres, a ge­né­ti­ca é a per­so­na­gem prin­ci­pal: “Há pe­les que se man­têm fir­mes mais tem­po e há pe­les que en­ru­gam mui­to, mes­mo em pes­so­as que não apa­nha­ram mui­to sol”.

A pre­ven­ção é a pa­la­vra de or­dem e exis­te uma “pa­nó­plia de cre­mes com com­po­nen­tes an­ti­a­ging, cu­ja com­po­si­ção quí­mi­ca de­ve ser se­le­ci­o­na­da em fun­ção do ti­po de pe­le e da ida­de”. E não é pre­ci­so gran­de ci­ên­cia: As mu­lhe­res mais jo­vens de­vem co­me­çar por “usar pro­du­tos mui­to su­a­ves e só de­pois com uma den­si­da­de mai­or”. Tu­do co­me­ça com pe­que­nas do­ses de vi­ta­mi­na C e à me­di­da que se vai en­ve­lhe­cen­do há que “apos­tar em de­ri­va­dos do áci­do re­ti­noi­co” e, de­pois, “pou­co a pou­co os áci­dos al­fahi­dró­xi­cos em con­cen­tra­ções cres­cen­tes”, ex­pli­ca a der­ma­to­lo­gis­ta. “Em clí­ni­ca há de tu­do, des­de la­ser a ra­di­o­frequên­cia, pe­e­lings quí­mi­cos, pre­en­chi­men­to, to­xi­na bo­tu­lí­ni­ca e me­so­te­ra­pia no ros­to com áci­do hi­a­lu­ró­ni­co e vi­ta­mi­nas”.

“NA AC­NE, 80% É CUL­PA DA MÃO E 20% É CUL­PA DA AC­NE”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.