JE­JU­AR PA­RA TER SAÚ­DE?

Pri­var-se de co­mi­da du­ran­te um de­ter­mi­na­do pe­río­do de tem­po é uma ten­dên­cia do mun­do da ali­men­ta­ção. Mas an­tes de je­ju­ar, saiba se é ou não um re­gi­me ali­men­tar pa­ra si.

Women's Health (Portugal) - - MENTE SÃ SAUDÁVEL - POR DA­NI­E­LA COS­TA TEI­XEI­RA

Até há bem pou­co tem­po, o je­jum era qua­se so­men­te as­so­ci­a­do a mo­ti­vos re­li­gi­o­sos ou a ques­tões de saú­de . Mas, ho­je em dia, o je­jum pas­sou a ser uma mo­da, uma ten­dên­cia ali­men­tar e as­su­me-se co­mo uma das di­e­tas do mo­men­to.

Por je­jum, en­ten­de-se o pe­río­do de tem­po em que pri­va­mos o or­ga­nis­mo da in­ges­tão de ali­men­tos, ou se­ja, “é mais uma es­tra­té­gia de per­da de pe­so em que a in­ges­tão de ali­men­tos ocor­re de­pois de um pe­río­do lon­go de je­jum, sen­do que o nú­me­ro de ho­ras de je­jum po­dem va­ri­ar”, co­me­ça por ex­pli­car à Wo­men’s He­alth a nu­tri­ci­o­nis­ta Di­no­ra Bas­tos.

Quan­do o je­jum é ado­ta­do co­mo re­gi­me ali­men­tar, é co­mum que acon­te­ça das se­guin­tes for­mas: ora é fei­to em di­as al­ter­na­dos (um dia a je­ju­ar e ou­tro a co­mer nor­mal­men­te e as­sim su­ces­si­va­men­te du­ran­te um pe­rí­do de tem­po), ora per­mi­te ape­nas co­mer du­ran­te oi­to ho­ras num dia e je­ju­ar nas res­tan­tes 16 ho­ras (o cha­ma­do je­jum 16/8) ou ain­da nos le­va a je­ju­ar - ou a re­du­zir em 500 ca­lo­ri­as o to­tal diá­rio - du­ran­te dois di­as se­gui­dos, man­ten­do a ali­men­ta­ção nor­mal nos res­tan­tes cin­co (o cha­ma­do je­jum 5:2). Há mui­to que a Ci­ên­cia se de­di­ca aos prós e con­tras do je­jum, mas a ver­da­de é que es­ta on­da de pri­va­ção ali­men­tar po­de mu­dar to­do o ce­ná­rio até ago­ra des­co­ber­to, vis­to que a prá­ti­ca ga­nha ca­da vez mais se­gui­do­res, até mes­mo aque­les que não sa­bem se se tra­ta de um re­gi­me que ze­la as­sim tan­to pe­la saú­de co­mo se pen­sa.

“O que mais me as­sus­ta nes­tas ‘mo­das’ é que na mai­o­ria das ve­zes as pes­so­as não são acon­se­lha­das ou se­gui­das por um nu­tri­ci­o­nis­ta, que de­ve­rá ser o úni­co ca­paz de pres­cre­ver uma di­e­ta que re­al­men­te te­nha em con­ta as ne­ces­si­da­des e ob­je­ti­vos da pes­soa”, diz a nu­tri­ci­o­nis­ta Cláu­dia Cu­nha.

O COR­PO EM JE­JUM

“Lem­bro-me de um ami­go meu ter de­ci­di­do co­me­çar a fa­zer a di­e­ta do je­jum in­ter­mi­ten­te. Quan­do lhe per­gun­tei o porquê, dis­se-me que um ou­tro ami­go lhe ti­nha di­to que era uma óti­ma di­e­ta pa­ra ‘se­car’ e per­der mas­sa gor­da. A mi­nha pró­xi­ma ques­tão foi sa­ber en­tão co­mo es­ta­va a cor­rer a di­e­ta. A ca­ra de­le mu­dou, dis­se que se sen­tia mui­to mal de ma­nhã até

SÃO AIN­DA POU­COS OS ES­TU­DOS SO­BRE O JE­JUM

à ho­ra em que era ‘per­mi­ti­do’ co­mer”, con­ta Cláu­dia Cu­nha. Mas, o que é que acon­te­ce mes­mo quan­do pri­va­mos o nos­so cor­po de ali­men­tos? Ora, o nos­so or­ga­nis­mo vê-se obri­ga­do a pro­cu­rar ou­tra fon­te de ener­gia que não a co­mi­da. Nu­ma pri­mei­ra fa­se, apo­de­ra-se do açú­car que des­li­za no nos­so san­gue. De­pois, quan­do es­sa fon­te açu­ca­ra­da fi­ca se­ca, eis que ata­ca as re­ser­vas de gli­co­gé­nio que te­mos no nos­so fí­ga­do. E se a ne­ces­si­da­de de com­bus­tí­vel for mes­mo mui­ta, en­tão é na gor­du­ra que o nos­so or­ga­nis­mo se vin­ga, quei­man­do-a pa­ra ter ener­gia. Es­te pro­ces­so de ce­to­se (uso de gor­du­ra pa­ra ob­ter ener­gia) po­de ser uma mais-va­lia pa­ra quem pre­ten­de per­der pe­so, con­tu­do, há al­go mais a acon­te­cer den­tro de nós. A pri­va­ção de ca­lo­ri­as (se­ja ele­va­da ou con­ti­nu­a­da) faz com que o nos­so cor­po ten­te guar­dar o má­xi­mo de ener­gia pos­sí­vel. E co­mo é que faz is­so? ‘Ma­tan­do’ as pró­pri­as cé­lu­las e ali­men­tan­do-se des­ses ‘res­tos mor­tais’, um pro­ces­so que ci­en­ti­fi­ca­men­te tem o no­me de au­to­fa­gia - des­co­ber­to nos anos 60 e que po­de ser ace­le­ra­do pe­la prá­ti­ca do je­jum (daí o uso des­ta abs­ti­nên­cia ali­men­tar no tra­ta­men­to de al­gu­mas do­en­ças). Mas, ape­sar de so­ar a as­sus­ta­dor, não é pre­ci­so le­var as mãos à ca­be­ça. O nos­so cor­po co­me­ça por ‘as­sas­si­nar’ as cé­lu­las mais ve­lhas ou com al­gum ti­po de de­fei­to, ali­men­tan­do-se de­las ao in­vés de ata­car as cé­lu­las bo­as - e é por is­so que se acre­di­ta que o je­jum in­ter­mi­ten­te po­de ser um ali­a­do con­tra o can­cro, vis­to que se tra­ta de uma do­en­ça cau­sa­da pe­la pro­li­fe­ra­ção de cé­lu­las de for­ma anor­mal e a di­mi­nui­ção da apop­to­se (ca­pa­ci­da­de de es­tas se sui­ci­da­rem, es­pe­ci­a­men­te quan­do ‘ado­e­cem’, e da­rem opor­tu­ni­da­de a no­vas).

O QUE DIZ A CI­ÊN­CIA

“Al­guns es­tu­dos (ain­da não con­clu­si­vos) mos­tram que o je­jum (acom­pa­nha­do de res­tri­ção ca­ló­ri­ca) me­lho­ra o per­fil gli­cé­mi­co e ní­veis de in­su­li­na em je­jum”, re­ve­la Di­na­do­ra Bas­tos. Há quem de­fen­da que as­se­me­lha-se a um bo­tão de ‘re­set’ no cor­po, ofe­re­cen­do um bo­ost ao sis­te­ma di­ges­ti­vo, ao sis­te­ma car­di­o­vas­cu­lar e, cla­ro, ao sis­te­ma imunitário. Mas ca­re­cem ain­da provas ci­en­tí­fi­cas que sus­ten­tem to­das es­tas te­o­ri­as. A Uni­ver­si­da­de de Il­li­nois pu­bli­cou, es­te ano, um es­tu­do em que ga­ran­te que o je­jum in­ter­mi­ten­te ajuda a per­der pe­so e re­duz a ten­são ar­te­ri­al. Pu­bli­ca­do na re­vis­ta Nu­tri­ti­on and He­althy Aging, o es­tu­do te­ve por ba­se a aná­li­se de pes­so­as obe­sas e os re­sul­ta­dos as­su­mem-se pro­mis­so­res. Com pes­so­as obe­sas e pré-di­a­bé­ti­cas co­mo gru­po de aná­li­se, uma ou­tra investigação da Uni­ver­si­da­de do Ala­ba­ma, nos Es­ta­dos Uni­dos, re­ve­lou be­ne­fí­ci­os na per­da de pe­so e no con­tro­lo dos ní­veis de in­su­li­na. Po­rém, im­por­ta sa­li­en­tar que es­tes são dos pou­cos es­tu­dos so­bre os be­ne­fí­di­cos do je­jum pa­ra a saú­de fei­tos com pes­so­as. Em 2017, a Uni­ver­si­da­de de Har­vard lan­çou um dos mais pro­mi­ten­tes es­tu­dos so­bre o je­jum in­ter­mi­ten­te… mas em mi­nho­cas que ape­nas vi­vem du­as se­ma­nas, as C. ele­gans. Pu­bli­ca­do na re­vis­ta Cell Me­ta­bo­lism, o es­tu­do re­ve­la que o je­jum con­se­gue mu­dar as li­ga­ções mi­to­con­dri­ais das cé­lu­las, al­go que po­de­rá re­sul­tar nu­ma mai­or es­pe­ran­ça mé­dia de vi­da, se­ja pe­la re­tar­da­ção do en­ve­lhe­ci­men­to ou

O NOS­SO COR­PO SÓ TEM UMA OP­ÇÃO: QUEI­MAR GOR­DU­RA

pe­las me­lho­ri­as a ní­vel de saú­de que is­so traz. Mas fo­ram mi­nho­cas, não pes­so­as – e es­se é, ain­da, um dos se­nãos do que a ci­ên­cia sa­be so­bre o je­jum in­ter­mi­ten­te. E é a pró­pria uni­ver­si­da­de que o aler­ta: “Em­bo­ra a evi­dên­cia da res­tri­ção ca­ló­ri­ca em es­tu­dos com ani­mais se­ja for­te, há evi­dên­ci­as me­nos con­vin­cen­tes em es­tu­dos com hu­ma­nos”.

Os ra­tos de la­bo­ra­tó­rio têm si­do ou­tros pro­ta­go­nis­tas na investigação ci­en­tí­fi­ca so­bre o je­jum in­ter­mi­ten­te, mas a ver­da­de é que o cor­po hu­ma­no é di­fe­ren­te e de­ma­si­a­do com­ple­xo - o que faz com que os re­sul­ta­dos pos­sam va­ri­ar en­tre gé­ne­ros, ida­des e ín­di­ce de mas­sa cor­po­ral (IMC). Em 2013, por exem­plo, são re­ve­la­dos na re­vis­ta Ca­na­di­an Me­di­cal As­so­ci­a­ti­on Jour­nal al­guns pon­tos ne­ga­ti­vos deste ti­po de di­e­ta. O ar­ti­go sa­li­en­ta que ca­da ca­so é um ca­so e que as re­co­men­da­ções mé­di­cas de­vem es­tar na ba­se da ado­ção deste re­gi­me ali­men­tar, es­pe­ci­al­men­te quan­do o ob­je­ti­vo é ga­nhar saú­de. “[Uma] pre­o­cu­pa­ção é que os pro­mo­to­res do je­jum in­ter­mi­ten­te, tal­vez in­vo­lun­ta­ri­a­men­te, en­co­ra­jem com­por­ta­men­tos ex­tre­mos, co­mo a com­pul­são ali­men­tar. Is­so ref le­te-se nas fo­tos que acom­pa­nham mui­tos ar­ti­gos re­cen­tes so­bre ‘a di­e­ta rá­pi­da’ ou a ‘di­e­ta 5: 2’. Mui­tas ve­zes, des­cre­vem pes­so­as que co­mem imen­sos ali­men­tos al­ta­men­te ca­ló­ri­cos e com al­to te­or de gor­du­ra - ham­búr­gue­res, ba­ta­tas fri­tas e bo­los. A im­pli­ca­ção é que, se je­ju­ar dois di­as por se­ma­na, po­de­rá de­vo­rar tan­to li­xo quan­to o seu esó­fa­go con­se­guir en­go­lir du­ran­te os cin­co di­as res­tan­tes”, lê-se no do­cu­men­to.

“En­quan­to mais es­tu­dos não são fei­tos, con­si­de­ro que o mais sen­sa­to é ana­li­sar quem te­mos à nos­sa fren­te na con­sul­ta de nu­tri­ção e acon­se­lhar o me­lhor pa­ra es­sa pes­soa, com o ob­je­ti­vo de pro­mo­ver saú­de e qua­li­da­de de vi­da”, aler­ta Cláu­dia Cu­nha.

QUEM PO­DE FA­ZER O JE­JUM

Se­gun­do a nu­tri­ci­o­nis­ta Di­no­ra Bas­tos, “o je­jum po­de ser uma es­tra­té­gia de per­da de pe­so in­te­res­san­te pa­ra pes­so­as que têm di­fi­cul­da­de em fa­zer es­co­lhas sau­dá­veis pa­ra me­ren­das/re­fei­ções in­ter­mé­di­as, uma vez que dei­xam de in­tro­du­zir os snacks ca­ló­ri­cos e nu­tri­ci­o­nal­men­te maus e op­tam por fa­zer du­as re­fei­ções diá­ri­as equi­li­bra­das, com­ple­tas e va­ri­a­das nu­tri­ci­o­nal­men­te”.

Tal co­mo acon­te­ce com qual­quer ou­tro pla­no ali­men­tar, o acom­pa­nha­men­to nu­tri­ci­o­nal é fun­da­men­tal, pois a ali­men­ta­ção de­ve ser sem­pre “ajus­ta­da às ca­rac­te­rís­ti­cas in­di­vi­du­ais e ao ob­je­ti­vo de ca­da um”, con­ti­nua Di­no­ra. No ca­so de um je­jum mal pla­ne­a­do (ou não acom­pa­nha­do), po­de-se es­tar a “pro­mo­ver a des­nu­tri­ção, uma in­ges­tão ca­ló­ri­ca abai­xo das ne­ces­si­da­des diá­ri­as, ou, pe­lo con­trá­rio, a uma in­ges­tão ca­ló­ri­ca bem aci­ma do re­co­men­da­do pa­ra o ob­je­ti­vo in­di­vi­du­al, uma vez que po­dem fa­zer ape­nas du­as re­fei­ções por dia, mas es­tas se­rem com uma den­si­da­de ca­ló­ri­ca mui­to ele­va­da”, aler­ta.

De acor­do com Har­vard, as pes­so­as que to­mam me­di­ca­men­tos pa­ra a pres­são ar­te­ri­al ou pa­ra al­gum ti­po de do­en­ça car­día­ca tam­bém po­dem ser mais pro­pen­sas a anor­ma­li­da­des ele­tro­lí­ti­cas cau­sa­das pe­lo je­jum. Já quem tem di­a­be­tes ou dis­túr­bi­os ali­men­ta­res po­dem be­ne­fi­ci­ar deste ti­po de ali­men­ta­ção mais res­tri­ta, em­bo­ra o acon­se­lha­men­to e acom­pa­nha­men­to mé­di­co se­ja cru­ci­al. Re­ti­cen­te quan­to aos be­ne­fí­ci­os ain­da não com­pro­va­dos des­ta di­e­ta da mo­da, a nu­tri­ci­o­nis­ta Cláu­dia Cu­nha re­ve­la que “se cum­pri­rem o pla­no ali­men­tar e man­ti­ve­rem um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel, os meus pa­ci­en­tes al­can­çam os seus ob­je­ti­vos e o úni­co je­jum que eu pro­po­nho é du­ran­te a noi­te, al­tu­ra em que es­tão a dor­mir, já que é tam­bém nes­ta al­tu­ra que as nos­sas en­zi­mas di­ges­ti­vas têm con­cen­tra­ções mais bai­xas e te­mos uma ne­ces­si­da­de ca­ló­ri­ca mais re­du­zi­da. Aliás, re­co­men­do até uma re­fei­ção mais li­gei­ra du­ran­te o pe­río­do do jan­tar. Com es­tas mi­nhas re­co­men­da­ções, pen­san­do bem, al­guns dos meus pa­ci­en­tes jan­tam às 20h e de­pois só to­mam o pe­que­no-al­mo­ço às 7h, dan­do um ‘ je­jum’ de sen­si­vel­men­te 11h. Tam­bém eles es­tão nes­te re­gi­me de ‘ je­jum in­ter­mi­ten­te’? Não se­rá ape­nas uma mo­da de que­rer­mos dar ró­tu­los às di­e­tas?”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.