Jo­sé Edu­ar­do sai, opo­si­ção fi­ca de­so­ri­en­ta­da

Africa21 - - An­te­na21 - CAR­LOS SE­VE­RI­NO

De­pois de dois me­ses de in­cer­te­za, por fal­ta de uma con­fir­ma­ção ofi­ci­al, o MPLA anun­ci­ou, fi­nal­men­te, que o seu can­di­da­to a Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca no pró­xi­mo mês de agos­to não se­rá Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, no po­der des­de 1979, mas João Lou­ren­ço, atu­al mi­nis­tro da De­fe­sa. O país pre­pa­ra-se pa­ra en­trar num no­vo ci­clo, num ano de pro­fun­da cri­se eco­nó­mi­ca, sem fim à vis­ta.

No dia 3 des­te mês, o co­mi­té cen­tral do MPLA, par­ti­do no po­der em An­go­la, di­vul­gou a sua lis­ta de can­di­da­tos a de­pu­ta­dos nas elei­ções pre­vis­tas pa­ra agos­to, cu­jas du­as pri­mei­ras fi­gu­ras se­rão os can­di­da­tos a Pre­si­den­te e Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção do país. Des­de 2010, em An­go­la as elei­ções pa­ra Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e de­pu­ta­dos são con­jun­tas, sen­do elei­tos au­to­ma­ti­ca­men­te pa­ra os dois car­gos má­xi­mos do Es­ta­do o ca­be­ça de lis­ta e o ca­be­ça de lis­ta ad­jun­to da lis­ta do par­ti­do que ven­cer as elei­ções, com qual­quer mai­o­ria (re­la­ti­va ou ab­so­lu­ta). O man­da­to, quer dos de­pu­ta­dos quer do Pre­si­den­te e Vi­ce-Pre­si­den­te, é de cin­co anos. A gran­de no­vi­da­de, cu­ja con­fir­ma­ção era es­pe­ra­da des­de de­zem­bro, é a saí­da do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, que es­tá no po­der, por ra­zões his­tó­ri­cas, há 37 anos. Até 1992, não ha­via elei­ções no país, por for­ça do re­gi­me de par­ti­do úni­co. Im­plan­ta­da a de­mo­cra­cia, ele ven­ceu a pri­mei­ra vol­ta das elei­ções re­a­li­za­das em se­tem­bro do re­fe­ri­do ano, mas a se­gun­da não te­ve lu­gar, pois o seu prin­ci­pal ad­ver­sá­rio, Jo­nas Sa­vim­bi, de­ci­diu re­to­mar a gu­er­ra, pe­río­do du­ran­te o qu­al as elei­ções fo­ram sus­pen­sas. A gu­er­ra ter­mi­nou em 2002, ten­do si­do re­a­li­za­das em 2008 ape­nas as elei­ções le­gis­la­ti­vas, no­va­men­te con­quis­ta­das pe­lo MPLA, e não as pre­si­den­ci­ais. Em 2010, foi apro­va­da uma no­va Cons­ti­tui­ção, que ins­ti­tuiu o no­vo mo­de­lo elei­to­ral, de­sig­na­do «pre­si­den­ci­a­lis­mo par­la­men­tar». Em 2012, ti­ve­ram lu­gar, pe­la pri­mei­ra vez, as elei­ções con­jun­tas pa­ra o Par­la­men­to e a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, con­for­me es­ta­tuí­do pe­la no­va Cons­ti­tui­ção. O MPLA ga­nhou mais uma vez as elei­ções e Jo­sé Edu­ar­do, co­mo ca­be­ça de lis­ta do par­ti­do, foi au­to­ma­ti­ca­men­te elei­to Pre­si-

den­te da Re­pú­bli­ca. Co­mo Vi­ce-Pre­si­den­te, foi elei­to Ma­nu­el Vi­cen­te. Por con­se­guin­te, de 1979 a 2012, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos es­te­ve à fren­te dos des­ti­nos de An­go­la co­mo pre­si­den­te cons­ti­tu­ci­o­nal. Elei­to pa­ra o man­da­to de 2012 a 2017, po­de­ria, nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção, que não de­li­be­rou pa­ra o pas­sa­do, dis­pu­tar ain­da um se­gun­do man­da­to (2017-2022). Po­rém, de­ci­diu hon­rar a pa­la­vra da­da no co­mi­té cen­tral do MPLA, em de­zem­bro de 2016, on­de in­for­mou os seus pa­res que não dis­pu­ta­ria as elei­ções do pre­sen­te ano. An­te­ri­or­men­te, em mar­ço de 2016, ele já ti­nha an­te­ci­pa­do que se iria re­ti­rar da vi­da po­lí­ti­ca em 2018, o que na al­tu­ra sus­ci­tou uma sé­rie de dú­vi­das e in­ter­pre­ta­ções, uma vez que as elei­ções se­ri­am (se­rão) em 2017. Pa­re­ce cla­ro, ago­ra, que ele se re­fe­ria ao car­go de pre­si­den­te do MPLA, pa­ra o qu­al foi re­e­lei­to no con­gres­so de 2016, e não ao de Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. As­sim, é pro­vá­vel que, se o can­di­da­to do MPLA, João Lou­ren­ço, atu­al vi­ce-pre­si­den­te da or­ga­ni­za­ção, for elei­to Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca em agos­to des­te ano, Jo­sé Edu­ar­do con­ti­nu­a­rá a exer­cer uma es­pé­cie de pa­pel “tu­te­lar”, pa­ra fa­ci­li­tar a tran­si­ção, po­den­do, em qual­quer al­tu­ra de 2018, pas­sar o bas­tão do par­ti­do ao seu su­ces­sor. Es­ta hi­pó­te­se, po­rém, ain­da não é cer­ta. Se­gun­do sa­be a Áfri­ca21, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos es­tá a ser pres­si­o­na­do por al­guns dos seus pa­res pa­ra con­ti­nu­ar à fren­te do par­ti­do até ao pró­xi­mo con­gres­so, em 2021.

No­va di­nâ­mi­ca?

A in­for­ma­ção acer­ca da saí­da do Pre­si­den­te e a in­di­ca­ção de João Lou­ren­ço e Bor­ni­to de Sou­sa co­mo can­di­da­tos a Pre­si­den­te e Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca va­zou de uma reu­nião do co­mi­té cen­tral do MPLA re­a­li­za­da em de­zem­bro do ano pas­sa­do em Lu­an­da. O ór­gão tem mais de 300 mem­bros, o que tor­na pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel guar­dar se­gre­do de qual­quer das su­as de­ci­sões. A ates­tá-lo, ain­da a reu­nião de­cor­ria qu­an­do um ex­cer­to da re­so­lu­ção in­ter­na re­fe­ren­te ao as­sun­to em ques­tão foi fo­to­gra­fa­do e cir­cu­lou am­pla e li­vre­men­te pe­las re­des so­ci­ais. A saí­da do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, mas não o no­me do seu su­ces­sor, foi con­fir­ma­da qu­an­do pe­lo me­nos dois go­ver­na­do­res pro­vin­ci­ais – Nor­ber­to dos San­tos, de Ma­lan­je, e Isa­ac dos An­jos, de Ben­gue­la – fi­ze­ram re­fe­rên­cia à mes­ma no dia 10 de de­zem­bro de 2016, nos co­mí­ci­os alu­si­vos ao 60.º ani­ver­sá­rio do par­ti­do no po­der. A Áfri­ca21 sa­be que to­dos os go­ver­na­do­res ti­nham ori­en­ta­ções pa­ra fa­zer o mes­mo, omi­tin­do ape­nas o no­me dos no­vos can­di­da­tos a Pre­si­den­te e Vi­ce-Pre­si­den­te, mas a mai­o­ria «en­co­lheu-se», uns por me­do ou «cál­cu­lo po­lí­ti­co» e ou­tros por não es­ta­rem de acor­do. Pou­ca gen­te en­ten­deu, por is­so, por que mo­ti­vo a no­tí­cia não foi ofi­ci­al­men­te con­fir­ma­da pe­lo MPLA lo­go de­pois da reu­nião do seu co­mi­té cen­tral, de de­zem­bro. A opi­nião pú­bli­ca le­van­tou, as­sim, uma sé­rie de pos­si­bi­li­da­des, das mais pes­si­mis­tas às mais oti­mis­tas, das mais es­ta­pa­fúr­di­as às mais sen­sa­tas. Se­gun­do dis­se a es­ta re­vis­ta uma fon­te do Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA, o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, em­bo­ra ci­en­te de que era im­pos­sí­vel guar­dar es­se «se­gre­do», sem­pre de­fen­deu, «por uma ques­tão de res­pei­to às ba­ses», ser pre­ci­so in­for­má-las pe­los ca­nais in­ter­nos do par­ti­do an­tes de anun­ci­ar pu­bli­ca­men­te a no­tí­cia. Cer­tos ob­ser­va­do­res avan­çam ain­da ou­tra hi­pó­te­se: sa­be­dor da exis­tên­cia de um gru­po re­la­ti­va­men­te im­por­tan­te de di­ri­gen­tes do par­ti­do, a to­dos os ní­veis, que não es­ta­ria con­for­ma­do com a sua saí­da, o pre­si­den­te pre­ci­sa­va de al­gum tem­po pa­ra ge­rir e re­sol­ver po­li­ti­ca­men­te o as­sun­to. O fac­to é que, qu­an­do trans­pi­rou pa­ra o pú­bli­co a no­tí­cia de que Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ti­nha con­fir­ma­do pe­ran­te o co­mi­té cen­tral do par­ti­do no po­der que iria dei­xar a che­fia do Es­ta­do nas elei­ções pre­vis­tas pa­ra es­te ano, in­di­can­do o vi­ce-pre­si­den­te do MPLA e mi­nis­tro da De­fe­sa, João Lou­ren­ço, e o mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Bor­ni­to de Sou­sa, co­mo can­di­da­tos a Pre­si­den­te e Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, res­pe­ti­va­men­te, cri­ou-se um «bru­aá» que, por ins­tan­tes, sa­cu­diu a mor­nez da vi­da po­lí­ti­ca lo­cal. Com efei­to, es­ta úl­ti­ma é ca­rac­te­ri­za­da, de um mo­do ge­ral, por uma om­ni­pre­sen­ça e uma om­ni­po­tên­cia do MPLA e do seu pre­si­den­te e uma rei­te­ra­da fal­ta de ima­gi­na­ção da opo­si­ção e da mai­o­ria da so­ci­e­da­de ci­vil. De vez em qu­an­do, a mes­ma é pon­tu­a­da se­ja pe­los ar­rou­bos de ado­les­cen­tes «pré-re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os», pla­gi­a­do­res de ma­nu­ais de agi­ta­ção «co­lo­ri­da» ou «pri­ma­ve­ril», co­mo se qui­ser, e pa­la­di­nos da «lúm­pen-de­mo­cra­cia», se­ja pe­los vá­ri­os «ti­ros nos pés» co­me­ti­dos pe­lo re­gi­me. Se­ja co­mo for, ne­nhu­ma des­sas ma­ni­fes­ta­ções tem (ou te­ve até ago­ra) con­sequên­ci­as de mai­or. Por is­so, pa­ra to­da a gen­te, a no­tí­cia da saí­da do Pre­si­den­te caiu nes­se char­co pan­ta­no­so de ma­nei­ra sur­pre­en­den­te, cri­an­do uma di­nâ­mi­ca em prin­cí­pio fa­vo­rá­vel ao MPLA. Com efei­to, a opo­si­ção e os «crí­ti­cos pro­fis­si­o­nais» (aque­les que se li­mi­tam a cri­ti­car, in­ca­pa­zes de qual­quer al­ter­na­ti­va) – cu­ja úni­ca es­tra­té­gia era e, em­bo­ra com nu­an­ces, con­ti­nua a ser ata­car o Pre­si­den­te – fi­ca­ram sem dis­cur­so. Mas, no cam­po po­lí­ti­co pró­xi­mo do MPLA, em es­pe­ci­al jun­to do elei­to­ra­do jo­vem não-or­gâ­ni­co, a no­tí­cia sus­ci­tou um in­te­res­se e mes­mo um en­tu­si­as­mo que

Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos re­sol­veu sair, ape­sar de ter le­gi­ti­mi­da­de cons­ti­tu­ci­o­nal pa­ra dis­pu­tar mais um man­da­to

Jo­vens sim­pa­ti­zan­tes do MPLA que pen­sa­vam abs­ter-se re­sol­ve­ram re­gis­tar-se de­pois do anún­cio de que o par­ti­do te­rá no­vos can­di­da­tos

po­de con­ver­ter-se em vo­to no pró­xi­mo mês de agos­to. Se os es­tra­te­gas do par­ti­do no po­der con­si­de­ram es­se vo­to ne­ces­sá­rio ou não, is­so são ou­tros qui­nhen­tos. «Até um dos meus fi­lhos me dis­se, qu­an­do saiu a no­tí­cia: Oh, pai, ago­ra, sim! Já vou re­gis­tar-me!», con­tou à Áfri­ca21, por exem­plo, um di­ri­gen­te do MPLA, que pre­fe­re não se iden­ti­fi­car e cu­jo fi­lho es­ta­va a co­gi­tar fi­car em ca­sa no dia das elei­ções. O re­pór­ter re­gis­tou uma sé­rie de ou­tros re­la­tos idên­ti­cos, pro­du­zi­dos por mi­li­tan­tes e sim­pa­ti­zan­tes do par­ti­do no po­der, cu­jos fi­lhos, de­sen­can­ta­dos com a go­ver­na­ção, pen­sa­vam e tal­vez con­ti­nu­em a pen­sar abs­ter-se, pe­lo me­nos, no pró­xi­mo mês de agos­to. A di­nâ­mi­ca cri­a­da pe­lo va­za­men­to des­ta no­tí­cia, no fim de 2016, es­mo­re­ceu um pou­co de­vi­do à sua não con­fir­ma­ção ofi­ci­al e à es­tra­té­gia de si­lên­cio ado­ta­da pe­lo MPLA des­de en­tão. Mas, a par­tir de ago­ra, o par­ti­do no po­der tem con­di­ções pa­ra ca­pi-No­guei­ra, ta­li­zar po­li­ti­ca­men­te a co­ra­jo­sa e lú­ci­da de­ci­são pes­so­al do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Não se­rá fá­cil, pois qual­quer es­tra­té­gia nes­se sen­ti­do tem de man­ter um ba­lan­ço de­li­ca­do en­tre a pre­ser­va­ção e a va­lo­ri­za­ção do le­ga­do do Pre­si­den­te e a si­na­li­za­ção de al­gu­mas mu­dan­ças re­cla­ma­das pe­lo con­jun­to da so­ci­e­da­de, em par­ti­cu­lar a ju­ven­tu­de. Mas é es­sen­ci­al pa­ra uma vi­tó­ria cla­ra do MPLA em agos­to, co­mo exi­giu o pró­prio pre­si­den­te.

Dis­cur­so ca­ca­fó­ni­co

Nas pri­mei­ras se­ma­nas, a no­tí­cia so­bre a saí­da de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos dei­xou os seus ad­ver­sá­ri­os de­so­ri­en­ta­dos e sem um dis­cur­so co­e­ren­te. Os par­ti­dos opo­si­ci­o­nis­tas, que du­ran­te anos fi­ze­ram do lon­go con­su­la­do do Pre­si­den­te o seu prin­ci­pal ca­va­lo de ba­ta­lha, per­de­ram a fa­la du­ran­te di­as. Após es­se cho­que ini­ci­al, opi­ni­on ma­kers oriun­dos do cam­po po­lí­ti­co da opo­si­ção, co­mo o jor­na­lis­ta e es­cri­tor Nok do No­vo Jor­nal, apres­sa­ram-se a vir a pú­bli­co «aler­tar» que a pos­sí­vel su­ces­são do Pre­si­den­te por João Lou­ren­ço não era uma mu­dan­ça «au­tên­ti­ca», pe­lo que não ha­via ra­zões pa­ra «eu­fo­ri­as». O mo­te co­me­çou en­tão a ser re­pe­ti­do pe­los di­ri­gen­tes opo­si­ci­o­nis­tas. Em ja­nei­ro, o lí­der da UNI­TA, Isaías Sa­ma­ku­va, foi a Lis­boa di­zer que «a mu­dan­ça só vai acon­te­cer em An­go­la com o MPLA fo­ra do go­ver­no». Em me­a­dos do mês pas­sa­do, co­mo a saí­da do Pre­si­den­te no pró­xi­mo mês de agos­to ain­da não ti­nha si­do ofi­ci­al­men­te con­fir­ma­da pe­lo MPLA, al­gu­mas fi­gu­ras da opo­si­ção ain­da acre­di­ta­vam que Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos iria con­ti­nu­ar ou, en­tão, que iria in­di­car al­gum dos seus fi­lhos pa­ra lhe su­ce­der. É o ca­so do ex-de­pu­ta­do da UNI­TA Ma­ku­ta Nkon­do, que, em en­tre­vis­ta à Voz da Amé­ri­ca, ju­rou ter con­ver­sa­do com um al­to di­ri­gen­te do MPLA – que não no­me­ou –, o qu­al lhe te­ria con­fi­den­ci­a­do que o Pre­si­den­te «man­tém a ideia de que um dos seus fi­lhos, Isa­bel ou Ze­nu dos San­tos, ve­nha a ser ca­be­ça de lis­ta pa­ra as elei­ções de 2017 ou, se não, po­de­rá for­çar a sua pró­pria pre­sen­ça co­mo ca­be­ça de lis­ta ca­so a sua saú­de per­mi­ta». Ou­tros, co­mo Ngo­la Ka­ban­go, da FN­LA, Nel­son Pes­ta­na, do Blo­co De­mo­crá­ti­co, e Eli­as Isa­ac, da Open So­ci­ety An­go­la, vin­cu­la­da ao me­ga­es­pe­cu­la­dor ame­ri­ca­no Ge­or­ge So­ros, con­ti­nu­a­vam a dis­cu­tir se as elei­ções te­ri­am mes­mo lu­gar es­te ano ou não. A hi­pó­te­se de uma su­pos­ta «su­ces­são mo­nár­qui­ca» foi en­fa­ti­ca­men­te «de­nun­ci­a­da» por Mar­co­li­no Mo­co, ex-se­cre­tá­rio ge­ral do MPLA, ex-pri­mei­ro mi­nis­tro e ex-se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo da CPLP, atu­al­men­te de­sa­vin­do com o par­ti­do no po­der e em par­ti­cu­lar com o Pre­si­den­te an­go­la­no. Fa­lan­do, no fim de ja­nei­ro, nas jor­na­das par­la­men­ta­res da UNI­TA, em Lu­an­da, ele dis­se que, em An­go­la, «não po­de­rá ha­ver al­ter­nân­cia, pois no país es­tá ins­ta­la­do um re­gi­me mo­nár­qui­co». Se­gun­do acres­cen­tou, os pas­sos for­mais pa­ra a ins­tau­ra­ção do ale­ga­do «re­gi­me mo­nár­qui­co» no país «co­me­ça­ram em 1998, qu­an­do o pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos pe­diu ao Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal que es­cla­re­ces­se quem era o che­fe do go­ver­no, o pri­mei­ro-mi­nis­tro ou o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca». O tri­bu­nal res­pon­deu, em acór­dão, que, à luz da en­tão lei cons­ti­tu­ci­o­nal do país, o che­fe do

Opo­si­ção fi­cou sem dis­cur­so de­pois de con­fir­ma­da a saí­da do pre­si­den­te em agos­to

go­ver­no era o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Pa­ra Mo­co, o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal «es­tá con­ver­ti­do num ór­gão de con­so­li­da­ção da mo­nar­quia em An­go­la». Es­ta con­fu­são de aná­li­ses, lei­tu­ras e opi­niões re­sul­ta de uma pro­fun­da fal­ta de in­for­ma­ções cre­dí­veis. A Áfri­ca21 sa­be que, há mui­to, uma even­tu­al «su­ces­são mo­nár­qui­ca» não se­ria, em ab­so­lu­to, bem aco­lhi­da pe­la cha­ma­da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, em es­pe­ci­al os prin­ci­pais paí­ses oci­den­tais, com os quais An­go­la não po­de dei­xar de man­ter re­la­ções es­trei­tas. Tem­pos atrás, in­clu­si­ve, um de­pu­ta­do an­go­la­no que cos­tu­ma di­a­lo­gar com o Par­la­men­to Eu­ro­peu con­fi­den­ci­ou a es­ta re­vis­ta que tais paí­ses es­ta­ri­am dis­pos­tos, no li­mi­te, a acei­tar a re­can­di­da­tu­ra do Pre­si­den­te, o que se­ria cons­ti­tu­ci­o­nal, mas ja­mais con­cor­da­ri­am que um dos seus fi­lhos lhe su­ce­des­se. O fac­to de, já de­pois de ter va­za­do a no­tí­cia de que João Lou­ren­ço se­ria o can­di­da­to do MPLA em agos­to, fi­gu­ras li­ga­das ou pró­xi­mas da opo­si­ção in­sis­ti­rem nes­sa pos­si­bi­li­da­de diz tu­do so­bre a sua ca­pa­ci­da­de de aná­li­se. En­fim, a ale­ga­da «do­en­ça» do Pre­si­den­te an­go­la­no foi igual­men­te avan­ça­da por de­ter­mi­na­dos cír­cu­los, em es­pe­ci­al pe­la im­pren­sa por­tu­gue­sa, pa­ra «ex­pli­car» a sua saí­da nas pró­xi­mas elei­ções. Acon­te­ce que vá­ri­os jor­nais di­tos de re­fe­rên­cia qua­se «ma­ta­ram» Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos inú­me­ras ve­zes des­de os anos 90 do sé­cu­lo pas­sa­do. No mí­ni­mo, is­so de­no­ta a sua fal­ta de pro­fis­si­o­na­lis­mo. A con­fir­ma­ção, no iní­cio des­te mês, de que o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos não vai dis­pu­tar as pró­xi­mas elei­ções ge­rais des­faz de­fi­ni­ti­va­men­te to­das es­sas es­pe­cu­la­ções. Por is­so, os seus ad­ver­sá­ri­os, apa­nha­dos de sur­pre­sa por es­sa de­ci­são, fi­ca­ram sem dis­cur­so e co­me­çam, ago­ra, a vol­tar as ba­te­ri­as pa­ra os fi­lhos do Pre­si­den­te, em es­pe­ci­al a em­pre­sá­ria Isa­bel dos San­tos, cu­ja no­me­a­ção pa­ra di­ri­gir a es­ta­tal pe­tro­lí­fe­ra do país, a So­nan­gol, a co­lo­cou nu­ma po­si­ção al­ta­men­te de­li­ca­da. Res­ta sa­ber se a op­ção da opo­si­ção por per­so­na­li­zar a lu­ta po­lí­ti­ca lhe ren­de­rá vo­tos em agos­to.

Fi­lhos de Jo­sé Edu­ar­do são os no­vos al­vos da opo­si­ção

Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos

João Lou­ren­ço

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.