Des­ta­ques

Africa21 - - Aos Leitores -

O mai­or e mais avan­ça­do en­saio de uma va­ci­na con­tra o VIH-si­da foi apre­sen­ta­do em me­a­dos do pas­sa­do mês de ja­nei­ro na Áfri­ca do Sul. De­sig­na­do HVTN 702, co­me­çou a mo­bi­li­zar os pri­mei­ros par­ti­ci­pan­tes em ou­tu­bro de 2016. O HVTN 702 te­rá a du­ra­ção de 20 me­ses, du­ran­te os quais me­ta­de dos par­ti­ci­pan­tes, re­si­den­tes em 15 lo­ca­li­da­des sul-afri­ca­nas, re­ce­be­rá uma va­ci­na efe­ti­va, en­quan­to a ou­tra me­ta­de re­ce­be­rá um pla­ce­bo. A va­ci­na, ain­da ex­pe­ri­men­tal, é uma va­ri­a­ção da úni­ca va­ci­na con­tra o VIH que até ago­ra mos­trou re­sul­ta­dos po­si­ti­vos, em­bo­ra mo­des­tos: uma va­ci­na cri­a­da na Tailândia em 2009, cu­ja efi­cá­cia, no iní­cio, era de 60%, mas cu­ja pro­te­ção bai­xa­va ra­pi­da­men­te pa­ra cer­ca de 30%, o que ates­ta­va a sua de­bi­li­da­de e in­vi­a­bi­li­za­va a sua co­mer­ci­a­li­za­ção.

Os in­ves­ti­ga­do­res sul-afri­ca­nos es­pe­ram ter apren­di­do a li­ção do en­saio tai­lan­dês e de­se­nha­ram a HVTN 702 não ape­nas pa­ra lu­tar con­tra as ce­pas de VIH en­con­tra­das na Áfri­ca do Sul, mas tam­bém pa­ra ten­tar con­se­guir al­go mais po­ten­te. As­sim, foi adi­ci­o­na­do à va­ci­na sul-afri­ca­na, co­mo no­vo co­ad­ju­van­te, um in­gre­di­en­te uti­li­za­do pa­ra es­ti­mu­lar res­pos­tas do sis­te­ma imu­ni­tá­rio que lhe da­rá um vi­gor acres­cen­ta­do. A mes­ma con­tém pro­teí­nas ar­ti­fi­ci­ais, cri­a­das pa­ra se «pa­re­ce­rem» com o VIH, em­bo­ra, de fac­to, não se­jam «do­en­tes». Os ci­en­tis­tas es­pe­ram que es­sas «im­pos­to­ras» lu­di­bri­em o or­ga­nis­mo dos vo­lun­tá­ri­os que par­ti­ci­pam no en­saio, pa­ra que eles pro­du­zam an­ti­cor­pos. De re­cor­dar que a va­ci­na con­tra a pó­lio fun­ci­o­na de um mo­do se­me­lhan­te. O ob­je­ti­vo de am­bas é en­ga­nar o cor­po, fa­zen­do-o lu­tar con­tra uma in­fe­ção ine­xis­ten­te, pa­ra que, se mais tar­de a pes­soa con­trair o ví­rus, o cor­po es­te­ja pre­pa­ra­do pa­ra lu­tar con­tra ele. De­pois de 20 me­ses, os in­ves­ti­ga­do­res vão com­pa­rar as ta­xas de VIH en­tre os dois gru­pos, o que foi va­ci­na­do e o que re­ce­beu o pla­ce­bo, pa­ra apu­rar se a va­ci­na ex­pe­ri­men­tal fun­ci­o­nou ou não. Se­gue-se um pe­río­do de 18 me­ses, pa­ra ver se a pos­sí­vel pro­te­ção se man­tém ao lon­go do tem­po. Se a va­ci­na sul-afri­ca­na re­ve­lar pe­lo me­nos uma efi­cá­cia de 70%, os es­pe­ci­a­lis­tas es­ti­mam que, nos pri­mei­ros dez anos após a sua in­tro­du­ção no mer­ca­do, po­de­ria re­du­zir as in­fe­ções nos paí­ses de ren­da bai­xa e mé­dia, a co­me­çar por Áfri­ca, em cer­ca de 50%. Glen­da Gray, in­ves­ti­ga­do­ra prin­ci­pal e pre­si­den­te do Con­se­lho de In­ves­ti­ga­ção Mé­di­ca da Áfri­ca do Sul, afir­mou que, ca­so a va­ci­na se­ja efi­caz em adul­tos, se­rão realizados tes­tes de me­nor ta­ma­nho e du­ra­ção pa­ra de­ter­mi­nar se tam­bém po­de­rá fun­ci­o­nar com ou­tros gru­pos, co­mo os ado­les­cen­tes. «Uma ideia se­ria ad­mi­nis­trar a va­ci­na con­tra o VIH-si­da jun­ta­men­te com a va­ci­na con­tra o pa­pi­lo­ma­vi­rus hu­ma­no (VPH), no qua­dro da va­ci­na­ção es­co­lar. O nos­so pro­gra­ma es­tá bem de­sen­vol­vi­do e já in­clui a va­ci­na con­tra o VPH», dis­se Gray. De­pois de ad­ver­tir que os fa­bri­can­tes da va­ci­na ex­pe­ri­men­tal sul-afri­ca­na, Gla­xoS­mithK­li­ne e Sa­no­fi, te­ri­am de ser ca­pa­zes de pro­du­zir mi­lhões de do­ses, acres­cen­tou: «Pri­mei­ro pre­ci­sa­mos de uma va­ci­na que fun­ci­o­ne».

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.