JE­AN-MI­CHEL MABEKO TALI APRE­SEN­TA “O MPLA PE­RAN­TE SI PRÓ­PRIO (1960-1977) ” EM LIS­BOA

Folha 8 - - CULTURA -

A Edi­to­ra Mer­ca­do de Le­tras e o his­to­ri­a­dor Je­an-mi­chel Mabeko Tali pre­sen­te­a­ram os lei­to­res com o lan­ça­men­to da obra “Gu­er­ri­lhas e Lu­tas So­ci­ais. O MPLA pe­ran­te Si Pró­prio (1960-1977)” um re­tra­to his­tó­ri­co e exaus­ti­vo que per­cor­re 816 pá­gi­nas da vi­da de uma das mais an­ti­gas or­ga­ni­za­ções po­lí­ti­cas em Áfri­ca. A ce­ri­mó­nia de lan­ça­men­to de­cor­reu a 23 de Mar­ço na Fun­da­ção Ci­da­de de Lis­boa e con­tou com a apre­sen­ta­ção do pro­fes­sor Al­ber­to Oli­vei­ra Pin­to.

Es­te li­vro de Je­an- Mi­chel Mabeko-Tali, Gu­er­ri­lhas e Lu­tas So­ci­ais — O MPLA pe­ran­te si pró­prio (1960-1977) es­tá con­de­na­do a ser uma im­por­tan­te re­fe­rên­cia pa­ra quem se in­te­res­sa pe­la his­tó­ria do MPLA ou, mais ge­ral­men­te, pe­la his­tó­ria po­lí­ti­ca de An­go­la, se­gun­do o es­cri­tor an­go­la­no Pe­pe­te­la, um dos pre­fa­ci­a­do­res da obra a par da his­to­ri­a­do­ra Cathe­ri­ne Co­query-Vi­dro­vit­ch. O pre­sen­te tra­ba­lho pro­vém da te­se de dou­to­ra­men­to do au­tor. No en­tan­to, lê-se com ex­tre­ma fa­ci­li­da­de, gra­ças à for­ma flu­en­te e ágil co­mo es­tá es­cri­ta a riquís­si­ma in­for­ma­ção e é pi­o­nei­ro em mui­tos as­pec­tos. Pa­ra Pe­pe­te­la, es­te li­vro tra­ta efec­ti­va­men­te do per­cur­so de An­go­la, vis­to a pre­tex­to da his­tó­ria de um dos seus ele­men­tos cons­ti­tu­ti­vos, o MPLA. Je­an-Mi­chel to­ca, co­mo não po­dia dei­xar de ser, to­dos os mo­men­tos con­tro­ver­sos da his­tó­ria des­ta or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca. Em par­ti­cu­lar, a in­ter­mi­ná­vel dis­cus­são so­bre a da­ta da fun­da­ção do MPLA, ten­do pa­ra is­so apre­sen­ta­do do­cu­men­ta­ção e so­bre­tu­do ar­gu­men­ta­ção que es­ta­rão por cer­to mui­to pró­xi­mas do de­fi­ni­ti­vo. Tra­ta tam­bém da pri­mei­ra dis­si­dên­cia, a de Vi­ri­a­to da Cruz, a me­nos co­nhe­ci­da ho­je, com a ob­jec­ti­vi­da­de ne­ces­sá­ria. E de al­guns as­sun­tos, qua­se ou to­tal­men­te ta­bus na or­ga­ni­za­ção, co­mo se­ja a ques­tão ra­ci­al. O ba­lan­ço que Je­an--Mi­chel nos apre­sen­ta mos­tra que o MPLA sem­pre te­ve uma vi­da con­tur­ba­da, per­cor­ri­do por opi­niões e in­te­res­ses con­tra­di­tó­ri­os, mui­tas ve­zes em pe­ri­go re­al de im­plo­são e sem nun­ca ter es­cla­re­ci­do in­so­fis­má­vel e de­fi­ni­ti­va­men­te as po­si­ções, pre­fe­rin­do que um opa­co man­to dei­ta­do por ci­ma des­sas con­tra­di­ções as le­vem a ador­me­cer, qui­çá a de­sa­pa­re­ce­rem mi­la­gro­sa­men­te. Ao con­cluir o tex­to do pre­fá­cio, Pe­pe­te­la as­se­gu­ra que a obra é fun­da­men­tal pa­ra quem quei­ra com­pre­en­der um pou­co me­lhor as ra­zões e os pro­ces­sos que nos con­du­zi­ram à si­tu­a­ção ac­tu­al, pois se é ba­se­a­da na ac­ção de uma or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca tem fa­tal­men­te de fa­zer re­fe­rên­cia às ou­tras or­ga­ni­za­ções que exis­ti­am na épo­ca e ao con­tex­to ge­ral em que se de­sen­ro­la­ram os pro­ces­sos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.