EDU­CA­ÇÃO NA MÃO DE QUADRILHAS CRI­MI­NO­SAS

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WIL­LI­AM TONET kui­bao@hot­mail.com

Osec­tor de Edu­ca­ção, im­por­tan­te – pro­va­vel­men­te a mais im­por­tan­te no con­tex­to do sub­de­sen­vol­vi­men­to em que nos en­con­tra­mos - fer­ra­men­ta pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to ar­ti­cu­la­do e as­ser­ti­vo de qual­quer país, não po­de ser vis­to co­mo pa­ren­te po­bre, por um go­ver­no dig­no des­se no­me. Ade­mais, se Angola ti­ves­se, des­de o iní­cio, no le­me, ver­da­dei­ros di­ri­gen­tes com­pro­me­ti­dos com a so­be­ra­nia dos po­vos, ala­van­ca­ri­am a obri­ga­to­ri­e­da­de de ca­da cri­an­ça, in­de­pen­den­te­men­te da sua con­di­ção so­ci­al, re­ce­ber à nas- cen­ça, da par­te do po­der pú­bli­co, um kit, con­ten­do, pa­ra além da cé­du­la de nas­ci­men­to, um ca­der­no, um lá­pis, um li­vro, uma ta­bu­a­da e uma es­co­la, fer­ra­men­tas im­pres­cin­dí­veis, pa­ra o au­men­to e con­so­li­da­ção da li­te­ra­cia ci­da­dã e, com ela, a ga­ran­tia de um fu­tu­ro mais prós­pe­ro. In­fe­liz­men­te, ao in­vés des­sa mais-va­lia, as cri­an­ças do nos­so tor­rão sa­gra­do, re­ce­be­ram dos fal­sos pro­le­tá­ri­os, o descaso, a ba­na­li­za­ção e a po­li­ti­za­ção ide­o­ló­gi­ca do en­si­no, ao pon­to de des­truí­rem o que de po­si­ti­vo vi­nha do pe­río­do co­lo­ni­al, pa­ra im­ple­men­ta­rem um fal­so po­der po­pu­lar, in­di­fe­ren­te à ma­tum­bez aca­dé­mi­ca des­de que a re­tó­ri­ca par­ti­dá­ria se fi­zes­se pre­sen­te. Pa­ra des­gra­ça co­lec­ti­va, a cri­a­ção da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar de Angola (no­vo en­te ju­rí­di­co in­ter­na­ci­o­nal, em 11 de No­vem­bro de 1975), ao não se ter fun­da­da nos ca­bou­cos de um ver­da­dei­ro Es­ta­do re­pu­bli­ca­no, res­va­lou pa­ra a bes­ti­a­li­za­ção do en­si­no, uma vez ter si­do elei­ta a par­ti­do­cra­cia, co­mo es­que­le­to de apren­di­za­gem. De tal mon­ta que foi man­da­da às ur­ti­gas a Cons­ti­tui­ção re­pu­bli­ca­na, pa­ra emer­gir a pri­mei­ra cons­ti­tui­ção ide­o­ló­gi­ca (Lei Cons­ti­tu­ci­o­nal da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar de Angola), apro­va­da ex­clu­si­va­men­te, pe­lo Comité Cen­tral do MPLA e as­si­na­da pe­lo seu pre­si­den­te (MPLA), An­tó- nio Agos­ti­nho Ne­to, nes­sa con­di­ção, quan­do o ra­ci­o­nal se­ria a apo­si­ção da as­si­na­tu­ra do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Es­ta anor­ma­li­da­de ju­rí­di­ca, lon­ge de ter si­do um des­co­nhe­ci­men­to, foi uma ac­ção pro­po­si­ta­da, pa­ra co­lo­car o par­ti­do que pro­cla­mou a in­de­pen­dên­cia, em Lu­an­da, aci­ma de to­dos os ór­gãos do po­der de Es­ta­do. Foi o pi­co da fal­ta de hi­gi­e­ne in­te­lec­tu­al, que, in­fe­liz­men­te, na­da apon­ta dei­xe de per­pe­tu­ar, 43 anos de­pois, por­quan­to se an­tes o po­der exe­cu­ti­vo era exer­ci­do pe­lo pre­si­den­te do MPLA, o po­der le­gis­la­ti­vo, pe­lo Con­se­lho da Re­vo­lu­ção (MPLA) e o po­der ju­di­ci­al (nas mãos de juí­zes po­pu­la­res do MPLA, mui­tos sem for­ma­ção ju­rí­di­ca, por­que bas­ta­va a par­ti­dá­ria, pa­ra de­ter­mi­nar quem eram os ini­mi­gos da re­vo­lu­ção), ago­ra, 2018, na­da mu­dou, sal­vo, o abis­mo, prin­ci­pal­men­te, en­tre a aca­de­mia e a po­lí­ti­ca. Em 1975, mui­tos dos di­tos pro­le­tá­ri­os, exal­ta­vam o ca­riz mar­xis­ta-le­ni­nis­ta co­mo fac­tor de­ci­si­vo da re­vo­lu­ção so­ci­a­lis­ta, que de­ve­ria for­ma­tar, na bar­ro­ca uto­pia, um di­to ho­mem no­vo, mas sem co­lu­na ver­te­bral e ca­pa­ci­da­de pen­san­te. Daí te­rem ins­ti­tuí­do um sis­te­ma de en­si­no des­pi­do do ri­gor da aca­de­mi­ci­da­de, on­de a trans­po­si­ção de clas­se era o mo­te, num cla­ro con­tras­te, com o que de po­si­ti­vo ha­via do an­te­ri­or sis­te­ma, em que o alu­no da

4.ª clas­se, do­mi­na­va as dis­ci­pli­nas nu­cle­a­res, gra­má­ti­ca da lín­gua por­tu­gue­sa e ma­te­má­ti­ca. Es­tas, fo­ram, abrup­ta­men­te, subs­ti­tuí­das, pe­la pro­pa­gan­da, a his­tó­ria da re­vo­lu­ção so­vié­ti­ca, o in­ter­na­ci­o­na­lis­mo pro­le­tá­rio e pou­co mais, in­ca­paz de for­ma­tar a mai­o­ria dos alu­nos, pa­ra os ver­da­dei­ros de­sa­fi­os do mun­do da ci­ên­cia e tec­no­lo­gia. Na re­a­li­da­de, o mé­ri­to do MPLA e de Agos­ti­nho Ne­to foi o de te­rem cri­a­do, “um não sis­te­ma edu­ca­ti­vo”, em no­me do anal­fa­be­tis­mo fun­ci­o­nal, não por in­cú­ria ou ne­gli­gên­cia gros­sei­ra, mas co­mo um cri­me or­ga­ni­za­do, co­mo se ide­a­li­za­do e con­cre­ti­za­do por uma qua­dri­lha. Prin­ci­pal­men­te, ao des­man­te­la­rem, cons­ci­en­te­men­te, o que ha­via de me­lhor pro­ve­ni­en­te do tem­po co­lo­ni­al, por si­nal, im­ple­men­ta­do por um an­go­la­no. A mai­or bes­ti­a­li­za­ção, foi pro­ta­go­ni­za­da na ba­se, com a po­li­ti­za­ção do en­si­no pri­má­rio, on­de os me­ni­nos dei­xa­ram de so­le­trar o cor­po hu­ma­no, co­nhe­cer os ver­bos e a gra­má­ti­ca, subs­ti­tuin­do-a por re­frões de can­ções re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as e apo­lo­gis­tas da mor­te in­fan­til: “...eu vou, eu vou, mor­rer em Angola, com ar­mas, com ar­mas de guer­ra, na mão, gra­na­da....gra­na­da se­rá meu cai­xão, en­ter­ro, en­ter­ro se­rá na pa­tru­lha”... e a ta­bu­a­da dei­xou de ser can­ta­da, por des­va­lo­ri­za­ção, uma vez as con­tas se­rem de au­men­tar (so­mar, no rou­bo do pú­bli­co) e ga­mar (di­mi­nuir, ti­rar, sub­trair di­nhei­ro dos con­tri­buin­tes; do po­vo, pa­ra be­ne­fi­cio pró­prio), en­ter­ran­do-se a can­ção pe­lo gos­tos nos nú­me­ros. O se­cun­dá­rio não fu­giu à re­gra e o mé­dio foi o vul­ga­ri­za­ção, com in­ci­dên­cia em dis­ci­pli­nas de te­o­ria po­lí­ti­ca da Eu­ro­pa co­mu­nis­ta e Cu­ba. No en­si­no su­pe­ri­or, com to­das as de­fi­ci­ên­ci­as nos es­ca­lões pre­ce­den­tes, atin­giu-se o au­ge da bes­ti­a­li­za­ção da ci­ên­cia e par­ti­do­cra­cia, por­quan­to a en­tra­da, nes­te sis­te­ma, de­pen­dia de ser mem­bro da JMPLA e do MPLA. A dis­cri­mi­na­ção, afi­nal, sur­gia no re­gi­me de po­der po­pu­lar, no má­xi­mo do es­plen­dor edu­ca­ti­vo, di­fe­ren­te do pe­río­do co­lo­ni­al, pe­lo me­nos, mais dis­si­mu­la­do. Eu, por exem­plo, es­tu­dei, uma par­te da mi­nha vi­da, na Ca­deia de São Ni­co­lau, on­de no iní­cio da dé­ca­da 70, as au­to­ri­da­des co­lo­ni­ais, cri­a­ram o Pos­to Es­co­lar de São Ni­co­lau, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo Pos­to Es­co­lar de Na­nhan­don­go, in­vi­a­bi­li­zan­do, a par­tir da­que­la da­ta, que os pre­sos e seus fi­lhos, fos­sem fa­zer os exa­mes em Mo­çâ­me­des. Angola Po­pu­lar her­dou Es­co­las téc­ni­co-pro­fis­si­o­nais; Es­co­las agrí­co­las; Es­co­las de Ar­tes e Ofí­ci­os; Ma­gis­té­ri­os Pri­má­ri­os e uma es­tru­tu­ra edu­ca­ci­o­nal fun­ci­o­nal, com a va­lo­ri­za­ção dos pro­fes­so­res que ti­nham um ven­ci­men­to dig­no e, se, no in­te­ri­or, o sa­lá­rio era acres­ci­do, bem as­sim co­mo as con­di­ções so­ci­ais. A mai­o­ria das es­co­las pri­má­ri­as, atra­vés de por­ta­ria do go­ver­no, ti­nham a obri­ga­to­ri­e­da­de de ter can­ti­nas es­co­la­res, pa­ra aten­der os mais po­bres. Na­da, jus­ti­fi­ca­va, hou­ves­se ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co e pa­trió­ti­co a des­trui­ção de tu­do. A al­te­ra­ção do con­teú­do de al­gu­mas dis­ci­pli­nas, sim, mas a to­tal ex­tin­ção, por vir do co­lo­no, já não se jus­ti­fi­ca­va e foi um au­tên­ti­co cri­me con­tra a hu­ma­ni­da­de dos an­go­la­nos, no ca­pi­tu­lo do sa­ber. Ho­je, quan­do se sen­tem as con­sequên­ci­as ne­fas­tas des­sas más po­lí­ti­cas, face a dé­bil for­ma­ção dos qua­dros an­go­la­nos a to­dos os ní­veis, não se po­de dei­xar de apon­tar o no­me aos res­pon­sá­veis pe­lo cri­me da de­for­ma­ção dos es­tu­dan­tes. Is­so, por­que a jus­ti­fi­ca­ti­va da des­trui­ção do an­te­ri­or sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal (pe­río­do co­lo­ni­al), com a im­plan­ta­ção de um no­vo, pi­or em to­dos os sen­ti­dos, cri­mi­na­li­za os seus ac­to­res. Daí ser ne­ces­sá­rio, uma ver­da­dei­ra reforma de to­do o sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal, do pri­má­rio ao uni­ver­si­tá­rio, se qui­ser­mos, na ver­da­de, es­tar em con­di­ções, na pró­xi­ma dé­ca­da de ini­ci­ar, a ca­mi­nha­da, pa­ra o lan­ça­men­to de se­men­tes, ten­den­tes ao de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­ta­do de Angola ba­se­a­do no con­tro­lo, con­du­ção e ges­tão das ri­que­zas ma­te­ri­ais, ho­je nas mãos de es­tran­gei­ros, face à de­bi­li­da­de for­ma­ti­va de mui­tos qua­dros an­go­la­nos e os bons, se­rem in­su­fi­ci­en­tes pa­ra to­da a obra. Não se ad­mi­te, o fac­to de em 43 anos de in­de­pen­dên­cia, o pe­tró­leo não ter ser­vi­do de mo­la pa­ra po­ten­ci­ar a edu­ca­ção, só mes­mo atra­vés dos roya­li­tes, ca­paz de a tor­nar obri­ga­tó­ria, do en­si­no pri­má­rio ao uni­ver­si­tá­rio. In­fe­liz­men­te, es­se bó­nus pe­tro­lí­fe­ro, ape­nas ser­viu pa­ra o en­ri­que­ci­men­to dos ex-pro­le­tá­ri­os so­ci­a­lis­tas, que se con­ver­te­ram em pro­pri­e­tá­ri­os vo­ra­zes. São mons­tros in­sen­sí­veis, que não se coi­bi­ram, nem se coí­bem de des­vi­ar o di­nhei­ro das va­ci­nas e ca­der­nos es­co­la­res, pa­ra os apli­car em or­gi­as de to­da es­pé­cie. São uma tri­bo pe­ri­go­sa, cu­jos cri­mes não po­de­ri­am ter co­ber­tu­ra de leis de am­nis­tia ou in­dul­to, pe­los ma­le­fí­ci­os pú­bli­cos cau­sa­dos na es­fe­ra de to­dos ci­da­dãos e ca­bou­cos do país. Ho­je, a res­pon­sa­bi­li­da­de, da mai­o­ria das cri­an­ças não sa­be, co­mo an­ti­ga­men­te, ter or­gu­lho e pai­xão em “can­tar a ta­bu­a­da” (re­cor­re as cal­cu­la­do­ras e ce­lu­la­res), nem so­le­trar as le­tras de quan­tas tá­bu­as se cons­trói uma ca­noa, subs­ti­tuí­das, in­fe­liz­men­te, pe­la pro­nun­cia “a ca­nua é fei­ta por mui­tas ta­bo­as”. O sis­te­ma de en­si­no, do pri­má­rio, mé­dio ao su­pe­ri­or, es­tão ca­ren­tes de sé­ri­as re­for­mas e pru­dên­cia na se­lec­ção dos ges­to­res, pa­ra não mais se­rem no­me­a­dos, por exem­plo, “as­sas­si­nos aca­dé­mi­cos”, co­mo o ex-mi­nis­tro do En­si­no Su­pe­ri­or, Adão do Nas­ci­men­to, cu­jo mé­ri­to foi ter trans­for­ma­do as uni­ver­si­da­des em “Uni­da­des Co­mer­ci­ais pa­ra a Prá­ti­ca do En­si­no Su­pe­ri­or”, es­pe­ci­a­li­za­dos na en­tre­ga de di­plo­mas, di­ri­gi­das não por rei­to­res ou de­ca­nos (o co­mum em to­do mun­do), mas por di­rec­to­res ge­rais, on­de no cen­tro das pri­o­ri­da­des es­tá o lu­cro e não o mi­nis­trar do sa­ber. Bas­ta ver, o ilí­ci­to cri­mi­nal de, a mai­o­ria das ins­ti­tui­ções do en­si­no mé­dio e su­pe­ri­or, fun­ci­o­na­rem com 98% de pro­fes­so­res-co­la­bo­ra­do­res, sem es­ta­bi­li­da­de con­tra­tu­al, lo­go, pro­pen­sos a fa­ci­li­tar a tran­si­ção dos alu­nos, por es­tra­té­gia e ra­zões eco­nó­mi­cas das ins­ti­tui­ções, in­di­fe­ren­tes se os alu­nos do­mi­nam ou não as dis­ci­pli­nas. Co­mo se po­de ve­ri­fi­car, mui­to tem de se fa­zer, pa­ra al­te­ra­ção des­te qu­a­dro, nas mãos de pes­so­as in­com­pe­ten­tes e ir­res­pon­sá­veis in­di­fe­ren­tes ao fu­tu­ro de Angola. A edu­ca­ção, em Angola, pre­ci­sa de ter nor­te e pes­so­as com­pe­ten­tes e sen­sí­veis na di­rec­ção, pois, ama­nhã, nin­guém vai pou­par o MPLA, pe­los ac­tu­ais des­va­ri­os. Uma per­gun­ta se im­põe, exis­te mi­nis­té­rio de Edu­ca­ção? E Po­lí­cia Eco­nó­mi­ca? Se sim, co­mo é pos­sí­vel que co­lé­gi­os co­brem, pa­ra alu­nos na 3.ª, 4.ª e ou­tras clas­ses, pro­pi­nas men­sais que vão de 50.000,00 (cin­quen­ta mil Kwan­zas) a 80.000,00 Kwz, su­pe­ri­o­res às de es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os, ava­li­a­das em, no má­xi­mo, 32.000,00 (trin­ta e dois mil Kwan­zas). Es­sa ex­plo­ra­ção só é pos­sí­vel an­dar nos tri­lhos da im­pu­ni­da­de, por du­as ra­zões: a) a mi­nis­tra da Edu­ca­ção, do In­te­ri­or e o di­rec­tor da Po­lí­cia eco­nó­mi­ca se­rem do­nos dos co­lé­gi­os e uni­ver­si­da­des; b) a mai­o­ria dos mem­bros do Con­se­lho de Mi­nis­tros e di­ri­gen­tes do MPLA te­rem in­te­res­ses na ex­plo­ra­ção no sis­te­ma de en­si­no, pre­ci­sa­men­te, vi­san­do no fi­nal a sua vul­ga­ri­za­ção. É pre­ci­so mu­dar ur­gen­te­men­te o qu­a­dro, em no­me do fu­tu­ro de Angola.

PRI­MEI­RO PRE­SI­DEN­TE AN­GO­LA­NO, AGOS­TI­NHO NE­TO, DE­CLA­ROU ABER­TA A CAM­PA­NHA DE ALFABETIZAÇÃO, A 22.11..1976, NA AN­TI­GA TEXTANG II

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.