O QUE É A DÍ­VI­DA PÚ­BLI­CA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Exis­tem vá­ri­as for­mas de me­dir a dí­vi­da pú­bli­ca. Em Por­tu­gal, e nos ou­tros paí­ses da União Eu­ro­peia, por exem­plo, uti­li­za-se uma de­fi­ni­ção har­mo­ni­za­da que é, mui­tas ve­zes, de­sig­na­da por “dí­vi­da de Ma­as­tri­cht”. De acor­do com es­ta de­fi­ni­ção, a dí­vi­da pú­bli­ca cor­res­pon­de ao mon­tan­te con­tra­tu­al­men­te acor­da­do pe­lo qual as ad­mi­nis­tra­ções pú­bli­cas te­rão de re­em­bol­sar os cre­do­res na da­ta de ven­ci­men­to. En­glo­ba as res­pon­sa­bi­li­da­des em de­pó­si­tos e equi­pa­ra­dos cons­ti­tuí­dos jun­to das ad­mi­nis­tra­ções pú­bli­cas (co­mo são os cer­ti­fi­ca­dos de afor­ro ou do Te­sou­ro), os tí­tu­los de dí­vi­da emi­ti­dos (des­ta­can­do-se, en­tre ou­tros, as obri­ga­ções e os bi­lhe­tes do Te­sou­ro) e os em­prés­ti­mos ob­ti­dos por es­tas en­ti­da­des. Se­gun­do a de­fi­ni­ção har­mo­ni­za­da, a dí­vi­da pú­bli­ca não en­glo­ba al­guns ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros, no­me­a­da­men­te os de­ri­va­dos fi­nan­cei­ros e os ou­tros dé­bi­tos (nos quais se in­clu­em as dí­vi­das co­mer­ci­ais). A dí­vi­da pú­bli­ca é com­pi­la­da de for­ma con­so­li­da­da, pe­lo que não in­clui as dí­vi­das de en­ti­da­des das ad­mi­nis­tra­ções pú­bli­cas que se­jam de­ti­das por ou­tras en­ti­da­des das ad­mi­nis­tra­ções pú­bli­cas. A dí­vi­da sur­ge e au­men­ta sem­pre que o go­ver­no gas­ta mais do que ar­re­ca­da. As­sim, quan­do os im­pos­tos e de­mais re­cei­tas não são su­fi­ci­en­tes pa­ra co­brir as des­pe­sas, o go­ver­no é fi­nan­ci­a­do pe­los seus cre­do­res (pes­so­as fí­si­cas, em­pre­sas, ban­cos etc.), dan­do ori­gem à dí­vi­da pú­bli­ca. As­sim, co­mo o bom uso do cré­di­to por um ci­da­dão fa­ci­li­ta o al­can­ce de gran­des con­quis­tas (a com­pra de pró­pria, por exem­plo), o en­di­vi­da­men­to pú­bli­co, se bem ad­mi­nis­tra­do, per­mi­te am­pli­ar o bem-es­tar da so­ci­e­da­de e fa­vo­re­ce o bom fun­ci­o­na­men­to da eco­no­mia. Es­pe­ci­a­lis­tas cos­tu­mam des­ta­car a im­por­tan­te fun­ção que o en­di­vi­da­men­to pú­bli­co exer­ce ao ga­ran­tir ní­veis ade­qua­dos de in­ves­ti­men­to e de pres­ta­ção de ser­vi­ços pe­lo go­ver­no à so­ci­e­da­de, ao mes­mo tem­po em que pro­pi­cia mai­or equi­da­de en­tre ge­ra­ções. As re­cei­tas e as des­pe­sas de um go­ver­no pas­sam por ci­clos e so­frem cho­ques fre­quen­tes. Em mo­men­tos de cri­se, por exem­plo, a eco­no­mia pro­duz me­nos e a ar­re­ca­da­ção de im­pos­tos cai. Ao mes­mo tem­po o nú­me­ro de de­sem­pre­ga­dos so­be e os gas­tos do go­ver­no com sub­sí­di­os de de­sem­pre­go au­men­tam. Com is­so, a con­ta do go­ver­no fi­ca mais aper­ta­da. Na au­sên­cia do cré­di­to pú­bli­co, es­ses cho­ques te­ri­am de ser ab­sor­vi­dos por au­men­to na car­ga tri­bu­tá­ria ou por cor­tes nou­tros gas­tos, pe­na­li­zan­do, de­ma­si­a­da­men­te, em am­bos os ca­sos, a ge­ra­ção ac­tu­al. Além da su­a­vi­za­ção, ao lon­go do tem­po, do pa­drão de gas­tos de con­su­mo e in­ves­ti­men­to do go­ver­no, o aces­so ao en­di­vi­da­men­to pú­bli­co per­mi­te aten­der a des­pe­sas emer­gen­ci­ais (tais co­mo as re­la­ci­o­na­das a ca­la­mi­da­des pú­bli­cas, de­sas­tres na­tu­rais e gu­er­ras) e as­se­gu­rar o fi­nan­ci­a­men­to ra­ci­o­nal de gran­des pro­jec­tos com um ho­ri­zon­te de re­tor­no de mé­dio e lon­go pra­zos (nas áre­as de in­fra-es­tru­tu­ras, por exem­plo). A his­tó­ria es­tá re­ple­ta de exem­plos nes­se sen­ti­do, não sen­do sur­pre­en­den­te o uso dis­se­mi­na­do do en­di­vi­da­men­to por pra­ti­ca­men­te to­dos os paí­ses do mun­do. Um exem­plo de pro­jec­to com al­to cus­to, mas com be­ne­fí­ci­os de lon­go pra­zo, é a cons­tru­ção de hos­pi­tais. Um hos­pi­tal vai du­rar mui­tos anos e se­rá uti­li­za­do por mui­to tem­po, in­clu­si­ve por pes­so­as que ain­da nem nas­ce­ram. Nes­se ca­so, é jus­to (e efi­ci­en­te) que o cus­to de cons­tru­ção do hos­pi­tal se­ja di­vi­do por to­das as ge­ra­ções que vão uti­li­zá-lo. Por is­so, ao in­vés de co­brar uma gran­de quan­ti­da­de de im­pos­tos ex­tras dos ci­da­dãos que es­tão vi­vos du­ran­te a cons­tru­ção do hos­pi­tal, o go­ver­no po­de fi­nan­ci­ar a obra e pa­gá-la em vá­ri­as par­ce­las, di­vi­din­do, as­sim, o seu cus­to com as ge­ra­ções fu­tu­ras, tam­bém be­ne­fi­ci­a­das. Por meio do en­di­vi­da­men­to pú­bli­co, o go­ver­no po­de­rá uti­li­zar ape­nas par­te da ar­re­ca­da­ção ac­tu­al e par­te da ar­re­ca­da­ção fu­tu­ra pa­ra pa­gar as par­ce­las re­la­ti­vas ao cus­to de cons- tru­ção do hos­pi­tal. As­sim, a dí­vi­da pú­bli­ca per­mi­te di­vi­dir os cus­tos de um in­ves­ti­men­to com to­das as ge­ra­ções que irão be­ne­fi­ci­ar de­le. O en­di­vi­da­men­to pú­bli­co po­de exer­cer fun­ções ain­da mais am­plas pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to da eco­no­mia, au­xi­li­an­do a con­du­ção da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e fa­vo­re­cen­do a con­so­li­da­ção do sis­te­ma fi­nan­cei­ro. Tí­tu­los de dí­vi­da pú­bli­ca são ins­tru­men­tos es­sen­ci­ais na ac­tu­a­ção diá­ria dos Ban­cos Cen­trais pa­ra o al­can­ce do ob­jec­ti­vo de ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de da mo­e­da, ser­vin­do de las­tro pa­ra as ope­ra­ções tí­pi­cas de po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria, além de re­pre­sen­ta­rem re­fe­ren­ci­al im­por­tan­te pa­ra emis­sões de tí­tu­los pri­va­dos. O de­sen­vol­vi­men­to do mer­ca­do de tí­tu­los, pú­bli­co e pri­va­do, po­de am­pli­ar a efi­ci­ên­cia do sis­te­ma fi­nan­cei­ro na alo­ca­ção de re­cur­sos e for­ta­le­cer a es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra e ma­cro­e­co­nó­mi­ca de um país. O fun­da­men­tal é ze­lar pe­la qua­li­da­de do cré­di­to pú­bli­co. Só as­sim se po­de va­ler do en­di­vi­da­men­to e das su­as fun­ções de for­ma efi­ci­en­te. Aqui, mais uma vez, a ana­lo­gia com o ci­da­dão co­mum é vá­li­da, pois ele de­ve man­ter um bom cré­di­to pa­ra ga­ran­tir per­ma­nen­te­men­te me­lho­res con­di­ções de fi­nan­ci­a­men­to (por exem­plo, via me­no­res cus­tos e mai­o­res pra­zos pa­ra pa­ga­men­to). No ca­so do go­ver­no, o mes­mo ocor­re, em­bo­ra não de ma­nei­ra tão sim­ples. As su­as con­di­ções de fi­nan­ci­a­men­to es­tão in­ti­ma­men­te re­la­ci­o­na­das com a sua cre­di­bi­li­da­de, com a sua ca­pa­ci­da­de de pa­ga­men­to e com a qua­li­da­de de ges­tão da dí­vi­da. Por is­so, a uti­li­za­ção responsável e cons­ci­en­te do en­di­vi­da­men­to pú­bli­co é im­por­tan­te pa­ra o bom de­sen­vol­vi­men­to de um país.

PAÍ­SES DA UNIÃO EU­RO­PEIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.