COM A ONU DE AL­MA, CO­RA­ÇÃO E… MÃO ES­TEN­DI­DA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Tal co­mo os an­te­ri­o­res, o ac­tu­al Go­ver­no an­go­la­no (des­de a in­de­pen­dên­cia fo­ram to­dos do MPLA) rei­te­rou no 24.10, o com­pro­mis­so de Lu­an­da nos es­for­ços glo­bais de pre­ser­va­ção da se­gu­ran­ça in­ter­na­ci­o­nal e de pro­gres­so eco­nó­mi­co, por oca­sião do 73.º ani­ver­sá­rio da cri­a­ção da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU). Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos di­zia o mes­mo. Foi só li­gar o re­pe­ti­dor. Nu­ma in­ter­ven­ção na ce­ri­mó­nia que, em Lu­an­da, mar­cou a efe­mé­ri­de, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res an­go­la­no, Te­te An­tó­nio, des­ta­cou o pa­pel da ONU no mun­do e, em par­ti­cu­lar, em Angola, su­bli­nhan­do, po­rém, a ne­ces­si­da­de de se pro­ce­de­rem a re­for­mas na or­ga­ni­za­ção. Te­te An­tó­nio, que subs­ti­tuiu o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res an­go­la­no, Ma­nu­el Au­gus­to, em mis­são de ser­vi­ço fo­ra do país, lem­brou o le­ma es­co­lhi­do pa­ra a 73.ª reu­nião da As­sem­bleia Ge­ral da ONU, em Se­tem­bro, pa­ra in­sis­tir na ne­ces­si­da­de de re­for­mas. “Trans­for­mar as Na­ções Uni­das nu­ma Ins­ti­tui­ção Im­por­tan­te pa­ra to­dos os po­vos e a liderança mun­di­al e a par­ti­lha da res- pon­sa­bi­li­da­de pa­ra uma so­ci­e­da­de pa­cí­fi­ca, jus­ta e sus­ten­tá­veis, em nos­sa opinião, re­flec­te igual­men­te os ob­jec­ti­vos pre­co­ni­za­do pe­la reforma”, su­bli­nhou. Num ac­to que con­tou com vá­ri­os mem­bros do Go­ver­no e cor­po di­plo­má­ti­co acre­di­ta­do em Lu­an­da, Te­te An­tó­nio fe­li­ci­tou tam­bém o se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU e ve­lho e in­sus­pei­to ami­go do MPLA (não tan­to dos an­go­la­nos), An­tó­nio Gu­ter­res, en­co­ra­jan­do-o a con­ti­nu­ar com as re­for­mas em cur­so “pa­ra uma or­ga­ni­za­ção mais efi­ci­en­te e que re­flic­ta as re­a­li­da­des do sé­cu­lo XXI e em que to­dos os po­vos se re­ve­jam”. Angola tor­nou- -se mem­bro das Na­ções Uni­das em De­zem­bro de 1976 e, des­de en­tão, tem re­a­fir­ma­do o com­pro­mis­so com a ONU atra­vés do re­for­ço de co­o­pe­ra­ção, ten­do ocu­pa­do as­sen­tos nos di­fe­ren­tes ór­gãos da or­ga­ni­za­ção – Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, Con­se­lho Eco­nó­mi­co e So­ci­al, Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos, Con­se­lhos de Ad­mi­nis­tra­ção das Agên­ci­as Es­pe­ci­a­li­za­das da ONU, en­tre ou­tros. Nes­se sen­ti­do, ex­pli­cou Te­te An­tó­nio, es­sa par­ti­ci­pa­ção tem tam­bém en­vol­vi­do Angola co­mo Mem­bro do Gru­po Afri­ca­no na ONU, do Mo­vi­men­to dos Não Ali­nha­dos e do Gru­po do 77 e Chi­na, bem co­mo ou­tras Pla­ta­for­mas. O go­ver­nan­te an­go­la­no re­fe­riu que Lu­an­da tem tam­bém da­do o seu con­tri­bu­to atra­vés da União Afri­ca­na (UA) no âm­bi­to da in­te­rac­ção en­tre o Con­se­lho de Paz e Se­gu­ran­ça da UA, de que Angola é mem­bro, e o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, bem co­mo atra­vés de ou­tras or­ga­ni­za­ções re­gi­o­nais e sub-re­gi­o­nais. Quan­to ao con­ti­nen­te afri­ca­no, acres­cen­tou, a co­or­de­na­ção da agen­da 2030 da ONU com a Agen­da 2063 da UA é “pri­mor­di­al pa­ra pro­mo­ver os ob­jec­ti­vos de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel glo­bal e ofe­re­cer a Áfri­ca uma oca­sião pa­ra mu­dar o es­ta­do ac­tu­al da re­a­li­da­de vi­vi­da pe­las po­pu­la­ções afri­ca­nas”.

SE­CRE­TÁ­RIO DE ES­TA­DO PA­RA AS RE­LA­ÇÕES EX­TE­RI­O­RES, TÉTE AN­TÓ­NIO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.