MAI­O­RIA DOS AUTÓCTONES DES­CO­NHE­CE 50% PA­RA PA­GAR DÍ­VI­DA EX­TER­NA

Folha 8 - - DESTAQUE -

O tam­bém re­pre­sen­tan­te re­si­den­te em Angola do Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PNUD) lem­brou que “mais de 50% do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do” an­go­la­no des­ti­na-se a pa­gar o ser­vi­ço da dí­vi­da ex­ter­na, “res­tri­ção im­por­tan­te pa­ra o país po­der in­ves­tir es­pe­ci­fi­ca­men­te no que per­mi­te ace­le­rar um de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co in­clu­si­vo”. “Pen­sa­mos que se­ria im­por­tan­te pro­du­zir uma ne­go­ci­a­ção so­bre es­sas dí­vi­das e au­men­tar um pou­co o pra­zo, de for­ma a de­di­car mais re­cur­sos pa­ra os in­ves­ti­men­tos na­ci­o­nais. Re­ne­go­ci­ar, na me­di­da das pos­si­bi­li­da­des, pa­ra po­der res­pi­rar e in­ves­tir no pro­gra­ma de subs­ti­tui­ções das im­por­ta­ções pe­la pro­du­ção na­ci­o­nal e co­me­çar um pro­gra­ma sé­rio de ex­por­ta­ções, que não se­ja só no âm­bi­to do pe­tró­leo”, su­bli­nhou. Se­gun­do Bal­la­del­li, o Go­ver­no de João Lou­ren­ço, “es­tá cons­ci­en­te” da si­tu­a­ção e de que tem de “me­lho­rar o am­bi­en­te de ne­gó­cio pa­ra o país ser atrac­ti­vo”, não só no in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, mas tam­bém no na­ci­o­nal. “Es­ta­mos a tra­ba­lhar com eles pa­ra ace­le­rar o pro­ces­so”, acres­cen­tou, sa­li­en­tan­do os “vá­ri­os in­di­ca­do­res” que mos­tram que es­tão a ocor­rer “mu­dan­ças im­por­tan­tes” des­de que João Lou­ren­ço foi em­pos­sa­do co­mo che­fe de Es­ta­do, a 26 de Se­tem­bro de 2017. “Há uma aten­ção mai­or à efec­ti­vi­da­de dos pro­gra­mas pa­ra que se co­me­ce re­al­men­te a ter no país uma as­so­ci­a­ção en­tre o or­ça­men­to e os pro­gra­mas que es­tão in­cluí­dos nos pla­nos de de­sen­vol­vi­men­to na­ci­o­nal, bem co­mo de me­ca­nis­mos que per­mi­tam fa­zer uma ges­tão por re­sul­ta­dos”, su­bli­nhou. No en­tan­to, avi­sou, é um “pro­ces­so len­to”, por­que tam­bém ne­ces­si­tam de “ajus­tes do ti­po cul­tu­ral”, ra­zão pe­la qual, de­fen­deu, “não é de um dia pa­ra o ou­tro que se irão ver mu­dan­ças na ges­tão”. “Pa­ra a ONU, é evi­den­te que a ges­tão e a trans­pa­rên­cia es­tão a me­lho­rar. Até te­mos pe­di­dos pa­ra apoi­ar o Go­ver­no em ac­ções con­tra a cor­rup­ção, em par­ti­cu­lar a PGR (Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca), pa­ra ver co­mo uti­li­zar a ex­pe­ri­ên­cia in­ter­na­ci­o­nal no âm­bi­to da cor­rup­ção e eles po­de­rem exer­cer as su­as fun­ções”, ex­pli­cou. Pa­ra Bal­la­del­li, ou­tra “ob­ser­va­ção cla­ra” é o pro­ces­so de exe­cu­ção das au­tar­qui­as em Angola, que cul­mi­na­rá com a re­a­li­za­ção de elei­ções au­tár­qui­cas em 2020, es­tan­do ain­da por es­cla­re­cer se se re­a­li­za­rão si­mul­ta­ne­a­men­te nos 164 mu­ni­cí­pi­os do país, ou de for­ma fa­se­a­da, até 2030. “Vão re­a­li­zar-se elei­ções au­tár­qui­cas em 2020 e tam­bém re­ce­be­mos pe­di­dos da CNE (Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral an­go­la­na) pa­ra que a ONU apoie e aju­de a re­sol­ver to­dos os pro­ble­mas e de­bi­li­da­des que fo­ram iden­ti­fi­ca­das no ac­to elei­to­ral de 2017, pa­ra que es­tas não ocor­ram em 2020”, acres­cen­tou. Qu­es­ti­o­na­do so­bre se a ex­pe­ri­ên­cia da ONU lhe per­mi­te dis­tin­guir o que se­rá me­lhor pa­ra Angola, elei­ções si­mul­tâ­ne­as ou fa­se­a­das, Bal­la­del­li in­di­cou que não po­de en­trar nes­sa ques­tão “por­que en­tra­ria no âm­bi­to da so­be­ra­nia do país”. No en­tan­to, lem­brou os exem­plos de Moçambique, on­de ocor­reu uma “pro­gres­si­va abran­gên­cia” elei­to­ral, e a de ou­tros paí­ses, que re­a­li­za­ram as au­tár­qui­cas si­mul­ta­ne­a­men­te em to­do o ter­ri­tó­rio. “Sa­be­mos que, nes­te mo­men­to, há uma dis­cus­são bas­tan­te es­ten­di­da com to­dos os ac­to­res da so­ci­e­da­de. Pa­ra as Na­ções Uni­das, é im­por­tan­te que es­sa dis­cus­são cor­ra bem, que vá ao en­con­tro das as­pi­ra­ções de to­das as en­ti­da­des e que se res­pei­te, de­pois, a de­ci­são”, ter­mi­nou.

CO­OR­DE­NA­DOR DO SIS­TE­MA DAS NA­ÇÕES UNI­DAS (SNU) EM ANGOLA, PA­O­LO BAL­LA­DEL­LI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.