“PRE­SI­DEN­TE EXONERA SÓ A RE­CES­SÃO TÁ?”

Folha 8 - - DESTAQUE -

Ode­par­ta­men­to de es­tu­dos eco­nó­mi­cos do Stan­dard Bank con­si­de­rou no dia 23.10 que Angola es­tá a en­fren­tar “se­ve­ros ven­tos con­trá­ri­os” e apon­tou que a re­du­ção na pro­du­ção pe­tro­lí­fe­ra es­tá a com­pli­car a re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca. Com que en­tão… a des­co­ber­ta do ca­mi­nho, mes­mo que mais se pa­re­ça com uma pi­ca­da, pa­ra o pa­raí­so que nos foi pro­me­ti­do por João Lou­ren­ço es­tá em ris­co. Se­rá que al­guém se vai lem­brar que, afi­nal, o Folha 8 já avi- sa­ra há mui­tos me­ses? “A eco­no­mia an­go­la­na con­ti­nua a en­fren­tar se­ve­ros ven­tos con­trá­ri­os, con­train­do 7,4% no se­gun­do tri­mes­tre des­te ano, de­pois de uma con­trac­ção de 4,7% no pri­mei­ro tri­mes­tre em ter­mos ho­mó­lo­gos”, es­cre­vem os ana­lis­tas. Nu­ma no­ta en­vi­a­da aos in­ves­ti­do­res, os ana­lis­tas di­zem que o Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) des­te ano “pa­re­ce es­tar en­ca­mi­nha­do pa­ra cair mais do que os 0,1% do ano pas­sa­do e os 2,6% de 2016”. “Da­da a ten­dên­cia de de­clí­nio na pro­du­ção de pe­tró­leo, que caiu pa­ra 1,54 mi­lhões de bar­ris diá­ri­os em Mar­ço e 1,43 mi­lhões em Ju­nho, de uma mé­dia de 1,66 em 2017, is­to não de­via cons­ti­tuir uma sur­pre­sa”, ar­gu­men­tam os eco­no­mis­tas do Stan­dard Bank. “A re­du­ção na pro­du­ção de pe­tró­leo é um fac­tor fun­da­men­tal que es­tá a com­pli­car a re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca e a nor­ma­li­za­ção da ofer­ta de mo­e­da es­tran­gei­ra no país”, con­clu­em. A re­ces­são que se ve­ri­fi­ca em Angola des­de 2016 agra­vou-se no pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, em que a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca te­ve uma qu­e­bra mé­dia de 6,05%, de acor­do com os da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE) di­vul­ga­dos na se­ma­na pas­sa­da. Na no­ta de im­pren­sa so­bre a evo­lu­ção do PIB (to­da a ri­que­za pro­du­zi­da no país), com ba­se em da­dos do De­par­ta­men­to de Con­tas Na­ci­o­nais e Co­or­de­na­ção Es­ta­tís­ti­ca, a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca caiu 4,6% no pri­mei­ro tri­mes­tre do ano, e agra­vou a que­da pa­ra 7,4% no se­gun­do tri­mes­tre face aos tri­mes­tres ho­mó­lo­gos do ano pas­sa­do, re­sul­tan­do nu­ma qu­e­bra se­mes­tral de 6,05%. Hou­ve uma que­da de 7,4% no PIB no se­gun­do tri­mes­tre face ao pe­río­do ho­mó- lo­go de 2017, uma qu­e­bra mo­ti­va­da so­bre­tu­do por sec­to­res co­mo as pes­cas (-10,0%), in­dús­tria trans­for­ma­do­ra (-8,8%), ex­trac­ção e re­fi­na­ção de pe­tró­leo (-8,4%) e ex­trac­ção de di­a­man­tes e ou­tros mi­ne­rais (-6,1%). Tra­ta-se da ter­cei­ra qu­e­bra ho­mó­lo­ga (-7,4%) no PIB mais acen­tu­a­da no his­tó­ri­co dis­po­ni­bi­li­za­do pe­lo INE, des­de 2010, ape­nas ul­tra­pas­sa­da pe­la que­da de 11,33% no quar­to tri­mes­tre de 2015 e pe­la des­ci­da de 7,55% no ter­cei­ro tri­mes­tre de 2016. No ano pas­sa­do, de acor­do com o INE, o se­gun­do mai­or pro­du­tor de pe­tró-

leo na Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na re­gis­tou uma con­trac­ção na ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca de 0,1%, o que con­tras­ta com as pre­vi­sões do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal fei­tas há uma se­ma­na, no `World Eco­no­mic Ou­tlo­ok`, que apon­ta­vam pa­ra uma con­trac­ção de 2,5% no ano pas­sa­do e de 0,1% es­te ano. Nes­te con­tex­to, im­por­ta re­ter que já não fa­lam só, co­mo pro­me­tia João Lou­ren­ço sem­pre que se sen­ta­va à me­sa dos fi­nan­ci­a­do­res pa­ra pe­dir mais e mais fi­a­do, em va­ri­a­ções de cres­ci­men­to. A re­ces­são vol­tou ao lé­xi­co da re­a­li­da­de. O Go­ver­no ain­da se mos­tra alér­gi­co em adop­tar es­sa pa­la­vra e, so­bre­tu­do, o que ela sig­ni­fi­ca. De fac­to, Isa­bel dos San­tos (mas não só) de­ve es­tar-se a rir quan­do lê que o bai­xo de­sem­pe­nho do sec­tor do pe­tró­leo con­ti­nua a ser um pro­ble­ma pa­ra a eco­no­mia, com a pro­du­ção pe­tro­lí­fe­ra em bai­xa, in­ves­ti­men­to abai­xo do po­ten­ci­al e con­di­ções de ope­ra­ção de­sa­fi­an­tes, ape­sar dos pre­ços do pe­tró­leo es­ta­rem mais fa­vo­rá­veis des­de o prin­cí­pio do ano. Por ou­tras pa­la­vras, a gui­tar­ra até es­tá afi­na­da mas os nos­sos to­ca­do­res não têm unhas pa­ra a to­car. E, co­mo se is­so não bas­tas­se, al­guns ten­tam to­cá-la com as unhas dos pés… sem des­cal­ça­rem os sa­pa­tos Louis Vuit­ton com­pra­dos em Lon­dres ou em No­va Ior­que e que, de­pois do ala­ri­do exo­ne­ra­ti­vo de João Lou­ren­ço, já saí­ram do ar­má­rio e vol­ta­ram à ri­bal­ta dos areó­pa­gos po­lí­ti­cos in­ter­na­ci­o­nais. Pa­ra 2019, os ana­lis­tas es­pe­ram um cres­ci­men­to de 2,4%, di­ver­gin­do das mais re­cen­tes pre­vi­sões do FMI, que es­ti­mou uma li­gei­ra re­ces­são de 0,1% es­te ano e um cres­ci­men­to de 3,1% em 2019. A ne­go­ci­a­ção de um acor­do com o FMI, que o mi­nis­tro das Fi­nan­ças dis­se du­ran­te os En­con­tros Anu­ais do FMI e Ban­co Mun­di­al que de­ve­rá es­tar con­cluí­da até fi­nal do ano, “é en­ca­ra­da co­mo um de- sen­vol­vi­men­to im­por­tan­te pa­ra aju­dar a ace­le­rar as re­for­mas es­tru­tu­rais e me­lho­rar o sen­ti­men­to dos in­ves­ti­do­res”. Pa­ra o Stan­dard Bank, hou­ve du­as gran­des re­for­mas es­te ano com o po­ten­ci­al de es­ti­mu­lar o in­ves­ti­men­to: a apro­va­ção da no­va lei de in­ves­ti­men­to pri­va­do e a cri­a­ção da Agên­cia Na­ci­o­nal do Pe­tró­leo e Gás. No que diz res­pei­to à evo­lu­ção da pro­du­ção de pe­tró­leo, a prin­ci­pal fon­te de re­cei­ta pa­ra Angola, es­ti­ma-se que Angola vá bom­be­ar 1,54 mi­lhões de bar­ris por dia, o que re­pre­sen­ta uma re­du­ção de 5,5% face aos ní­veis de 2017, ano em que Angola pro­du­ziu 1,63 mi­lhões de bar­ris diá­ri­os. “As es­ti­ma­ti­vas pre­li­mi­na­res mos­tram que a me­lho­ria dos pre­ços con­tri­buiu pa­ra um au­men­to de 21% nas re­cei­tas de ex­por­ta­ção no ano pas­sa­do, pa­ra 31 mil mi­lhões de dó­la­res, e es­ti­ma­mos que es­te nú­me­ro su­ba 30% es­te ano, pa­ra 40 mil mi­lhões de dó­la­res, o que re­pre­sen­ta 96% do to­tal das ex­por­ta­ções”, vin­cam os ana­lis­tas do Stan­dard Bank. O Go­ver­no de­ve­rá apos­tar nu­ma me­lho­ria do dé­fi­ce or­ça­men­tal des­te ano, de 5,3% em 2017 pa­ra 3% es­te ano, “o que é con­sis­ten­te com a ne­ces­si­da­de de res­ta­be­le­cer a es­ta­bi­li­da­de ma­cro­e­co­nó­mi­ca”. O Stan­dard Bank an­te­ci­pa um em­pe­nho do Go­ver­no no au­men­to da co­bran­ça de im­pos­tos, “alar­gan­do a ba­se e in­tro­du­zin­do no­vos im­pos­tos, co­mo é o ca­so da im­ple­men­ta­ção fa­se­a­da do IVA a par­tir de 2019”. O acor­do de fi­nan­ci­a­men­to de 4,5 mil mi­lhões de dó­la­res por par­te do FMI “de­ve aju­dar a im­ple­men­tar as ne­ces­sá­ri­as re­for­mas, já que mais con­so­li­da­ção or­ça­men­tal é im­pe­ra­ti­va pa­ra a es­ta­bi­li­da­de ma­cro­e­co­nó­mi­ca”, di­zem os eco­no­mis­tas do Stan­dard Bank. Mais uma vez se tor­na cla­ro que es­tas pre­vi­sões ser­vem pa­ra tu­do e mais al­gu­ma, des­de lo­go por­que num es­pa­ço cur­to de tem­po di­zem tu­do e o seu con­trá­rio. Ago­ra fa­lam de re­ces­são pa­ra es­te ano mas, em Fe­ve­rei­ro, con­si­de­ra­vam que Angola iria cres­cer 1,2% es­te ano e que a ex­pan­são eco­nó­mi­ca não ul­tra­pas­sa­ria os 2% “nos pró­xi­mos tem­pos”, acres­cen­tan­do que as pre­vi­sões go­ver­na­men­tais “são op­ti­mis­tas”. “O Or­ça­men­to do Go­ver­no pa­ra 2018 mos­tra que o Pro­du­to In­ter­no Bru­to per­ma­ne­ceu em ter­ri­tó­rio po­si­ti­vo em 2016, com um cres­ci­men­to de 0,1%, evi­tan­do a re­ces­são que to­dos con­si­de­ra­vam que ti­nha ocor­ri­do, tal co­mo in­di­ca­do pe­los da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca, que mostrava uma con­trac­ção de 4,3% até Se­tem­bro”, es­cre­vem os ana­lis­tas. “A nos­sa vi­são é que a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca vai mui­to pro­va­vel­men­te fi­car li­mi­ta­da, com o Pro­du­to In­ter­no Bru­to a cres­cer me­nos de 2% nos pró­xi­mos tem­pos”, se­gun­do um re­la­tó­rio do Stan­dard Bank. No do­cu­men­to, que ana­li­sa os nú­me­ros re­cen­tes e as pers­pec­ti­vas de evo­lu­ção da eco­no­mia an­go­la­na, os ana­lis­tas di­zem que “ape­sar de uma me­lho­ria na pre­vi­são de evo­lu­ção dos pre­ços do pe­tró­leo, a pro­cu­ra agre­ga­da vai pro­va­vel­men­te con­ti­nu­ar a ser ne­ga­ti­va­men­te in­flu­en­ci­a­da pe­la ne­ces­si­da­de de man­ter uma po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria res­tri­ti­va pa­ra com­ba­ter a su­bi­da da in­fla­ção e aco­mo­dar as al­te­ra­ções de­se­ja­das pa­ra o mer­ca­do da mo­e­da ex­ter­na”. As li­mi­ta­ções na di­ver­si­fi­ca­ção tam­bém de­ve­rão pe­sar ne­ga­ti­va­men­te na eco­no­mia, com o sec­tor pe­tro­lí­fe­ro a con­ti­nu­ar ex­pos­to às fra­cas con­di­ções de ope­ra­ção e as quo­tas da Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo a res­trin­gi­rem tam­bém a pro­du­ção pe­tro­lí­fe­ra. Angola es­pe­ra au­men­tar a pro­du­ção de pe­tró­leo em 6% en­tre 2018 e 2023 pa­ra 1,6 mi­lhões de bar­ris por dia, mas is­to “re­quer um im­pres­si­o­nan­te ní­vel de in­ves­ti­men­tos pa­ra acres­cen­tar 536 mil bar­ris por dia à ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção dos cam­pos em de­clí­nio, que re­ti­ram 635 mi­lha­res à ca­pa­ci­da­de ac­tu­al. Es­te ce­ná­rio ilus­tra a ne­ces­si­da­de de im­pri­mir mais di­ver­si­fi­ca­ção na eco­no­mia, o que pa­re­cia ser uma gran­de pri­o­ri­da­de pa­ra o no­vo Go­ver­no, mas o país es­tá a ver que é di­fí­cil di­mi­nuir a de­pen­dên­cia do pe­tró­leo, cu­jas ex­por­ta­ções con­ti­nu­am a va­ler mais de 90% do to­tal.

STAN­DARD BANK.

PRE­SI­DEN­TE DE ANGOLA , JOÃO LOU­REN­ÇO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.