SIC AFIR­MA QUE HÁ MI­NIS­TROS NO MUN­DO DO CRI­ME

Folha 8 - - DESTAQUE -

Odi­rec­tor-ge­ral do Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC) de Angola, Eu­gé­nio Pe­dro Ale­xan­dre, ad­mi­tiu que os ca­sos re­la­ci­o­na­dos com cri­mes de na­tu­re­za eco­nó­mi­ca es­tão a au­men­tar no país, en­vol­ven­do mi­nis­tros, ex-mi­nis­tros e ges­to­res pú­bli­cos. Tu­do nor­mal, por­tan­to. Se­gun­do o co­mis­sá­rio che­fe do SIC, Eu­gé­nio Pe­dro Ale­xan­dre, que fa­la­va à mar­gem da 1.ª Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre Frau­des e De­li­tos Eco­nó­mi­cos em Angola, que de­cor­reu no Cen­tro de Con­ven­ções de Ta­la­to­na, os cri­mes eco­nó­mi­cos pas­sam por pe­cu­la­to, bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, bur­la por de­frau­da­ção, frau­de fi­nan­cei­ra, fu­ga ao fis­co, con­tra­ban­do, es­pe­cu­la­ção, ven­da e ga­rim­po de di­a­man­tes. Eu­gé­nio Ale­xan­dre, ci­ta­do pe­lo ór­gão ofi­ci­al do Go­ver­no, o Jor­nal de Angola, ex­pli­cou que o SIC es­tá a in­ves­ti­gar vá­ri­os pro­ces­sos re­la­ci­o­na­dos com cri­mes de pe­cu­la­to e bran­que­a­men­to de ca­pi­tais que en­vol­vem ges­to­res pú­bli­cos, e acres­cen­tou que nos pro­ces­sos que en­vol­vem mi­nis­tros e ex-mi­nis­tros, que não apon­tou. As in­ves­ti­ga­ções, acres­cen­tou, es­tão a ser re­a­li­za­das pe­la Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) an­go­la­na e não pe­lo SIC. En­tão não são ape­nas ex-mi­nis­tros. Tam­bém há ac­tu­ais mi­nis­tros. A “coi­sa” pro­me­te. Ou se­rá que, co­mo no pas­sa­do re­cen­te (os úl­ti­mos 43 anos) a mon­ta­nha vai pa­rir uns ra­ti­nhos de plás­ti­co “ma­de un Chi­na”? Se­gun­do Eu­gé­nio Ale­xan­dre, têm si­do in­ves­ti­ga­dos di­a­ri­a­men­te “mui­tos in­dí­ci­os de cri­mes eco­nó­mi­cos”, cu­jos res­pec­ti­vos pro­ces­sos são en­ca­mi- nha­dos pa­ra o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, al­guns dos quais já jul­ga­dos pe­los di­ver­sos tri­bu­nais es­pa­lha­dos pe­lo país. Ape­sar de ha­ver um au­men­to do nú­me­ro de pro­ces­sos re­la­ci­o­na­dos com cri­mes eco­nó­mi­cos, Eu­gé­nio Ale­xan­dre afir­mou que o SIC tem pes­so­al com­pe­ten­te e tec­ni­ca­men­te pre­pa­ra­do pa­ra li­dar com os vá­ri­os ca­sos, mas de­fen­de o au­men­to do nú­me­ro de qua­dros pa­ra me­lhor se res­pon­der à pres­são. O di­rec­tor do SIC in­di­cou que, nos ca­sos em que há ne­ces­si­da­de de se lo­ca­li­zar uma pes­soa, pa­ra que pos­sa pres­tar de­cla­ra­ções so­bre um de­ter­mi­na­do cri­me e que es­te se en­con­tre no ex­te­ri­or do país, a ins­ti­tui­ção e a Po­lí­cia Na­ci­o­nal ac­ti­vam a co­la­bo­ra­ção que exis­te com a Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal de Po­lí­cia Cri­mi­nal (In­ter­pol) pa­ra fa­ci­li­tar a lo­ca­li­za­ção do vi­sa­do. “As pes­so­as pen­sam que es­tão es­con­di­das, mas te­mos for­mas de as lo­ca­li­zar, ain­da que se­ja nos­so de­ver res­pei­tar a le­gis­la­ção in­ter­na­ci­o­nal, em ter­mos de de­ten­ção e re­pa­tri­a­men­to”, dis­se. O di­rec­tor-ge­ral do SIC con­si­de­rou ain­da que, ape­sar do pa­pel dos dis­tin­tos ór­gãos de re­gu­la­ção e fis­ca­li­za­ção pre­vis­to na Lei do Bran­que­a­men­to de Ca­pi­tais e Fi­nan­ci­a­men­to do Ter­ro­ris­mo, apro­va­da em 2011, ca­be às em­pre­sas adop­ta­rem me­di­das de con­tro­lo in­ter­no. Pa­ra tal, têm de pro­mo­ver uma “ali­an­ça em prol de um mer­ca­do mais éti­co e con­fiá­vel”, dan­do subs­tân­cia a uma es­tra­té­gia de au­to-re­gu­la­ção, que co­lo­que em prá­ti­ca as nor­mas de go­ver­nan­ça im­plan­ta­das pe­las em­pre­sas, des­de os có­di­gos de éti­ca, às au­di­to­ri­as in­ter­nas, ca­nais de de­nún­cia e pro­tec­ção dos in­te­res­ses e ad­mi­nis­tra­ção efi­caz dos ris­cos ine­ren­tes e de pre­ven­ção do cri­me. No mes­mo en­con­tro, o su­pe­rin­ten­den­te-che­fe Cris­ti­a­no Fran­cis­co, ofi­ci­al su­pe­ri­or do SIC, re­al­çou que a ape­tên­cia pe­lo lu­cro fá­cil “é um dos fac­to­res que faz com que mui­tos ci­da­dãos op­tem pe­la prá­ti­ca de cri­mes eco­nó­mi­cos”. “Al­guns ges­to­res pú­bli­cos pen­sa­ram que po­di­am con­ti­nu­ar a co­me­ter cri­mes eco­nó­mi­cos e a vi­ve­rem im­pu­nes”, fri­sou. As au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais an­go­la­nas têm em mãos vá­ri­os ca­sos mais me­diá­ti­cos, co­mo as pri­sões pre­ven­ti­vas de Jo­sé Fi­lo­me­no dos San­tos, fi­lho do ex-pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, li­ga­do a uma ale­ga­da má ges­tão do Fun­do So­be­ra­no de Angola, do ex-mi­nis­tro dos Trans­por­tes Au­gus­to da Sil­va To­más, por ale­ga­do des­vio de fun­dos, e de ou­tros al­tos fun­ci­o­ná­ri­os en­vol­vi­dos na ges­tão de en­ti­da­des pú­bli­cas.

CON­SE­LHO DE MI­NIS­TROS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.