É FO­ME. É FO­ME PRE­SI­DEN­TE!

Folha 8 - - DESTAQUE -

Cin­quen­ta to­ne­la­das de tri­go apo­dre­ce­ram nas co­mu­nas de Ca­chin­gues, Mum­buwe, So­ma-Kwan­za, Mu­tum­bo e Ma­len­gue, mu­ni­cí­pio do Chi­tem­bro, pro­vín­cia do Bié, por fal­ta de mei­os de trans­por­te, dis­se, na ci­da­de do Lo­bi­to, o ad­mi­nis­tra­dor da em­pre­sa de Ce­re­ais de Angola (Ce­ran­go­la), Ecum­bi Da­vid. E as­sim vai o país, pre­si­den­te João Lou­ren­ço. “A fal­ta de mer­ca­do e de mei­os pa­ra trans­por­tar a pro­du­ção de tri­go es­tão na ba­se da de­te­ri­o­ra­ção de mais de 50 to­ne­la­das de tri­go no Chi­tem­bo, si­tu­a­ção que es­tá a le­var os mais de 150 cam­po­ne­ses das co­mu­nas de Ca­chin­gues, Mum­buwe, So­ma-kwan­za, Mu­tum­bo e Ma­len­gue a pon­de­rar o aban­do­no da ac­ti­vi­da­de”, aler­tou Ecum­bi Da­vid. No iní­cio des­te mês, o mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­ta, Marcos Nhun­ga, tra­ba­lhou na pro­vín­cia do Bié, pa­ra ava­li­ar a pre­pa­ra­ção da cam­pa­nha agrí­co­la 2018/2019., afir­man­do que o Go­ver­no pre­ten­de pa­ra es­ta cam­pa­nha agrí­co­la ga­ran­tir a dis­po­ni­bi­li­da­de de se­men­tes me­lho­ra­das e de al­to ren­di­men­to, ele­var a ofer­ta de fer­ti­li­zan­tes, in­ten­si­fi­car a pro­du­ção e o uso de cal­cá­rio do­lo­mí­ti­co pa­ra cor­rec­ção dos so­los e ex­ten­são das áre­as de pro­du­ção. Tam­bém pro­me­teu pro­mo­ver e in­ten­si­fi­car o uso da trac­ção ani­mal no sec­tor fa­mi­li­ar e a me­ca­ni­za­ção no sec­tor cor­po­ra­ti­vo e em­pre­sa­ri­al, fi­gu­ram igual­men­te nos seus pla­nos o au­men­to da pro­du­ção e da pro­du­ti­vi­da­de. Na­da dis­se (é cla­ro) so­bre as to­ne­la­das de tri­go que apo­dre­ce­ram… No pas­sa­do dia 15 de Abril o “Jor­nal de Angola” re­ve­lou que “nu­ma al­tu­ra em que o país ain­da re­cor­re a im­por­ta­ções pa­ra co­brir o dé­fi­ce de pro­du­ção de ce­re­ais, cer­ca de seis mil to­ne­la­das de ar­roz e mi­lho, re­sul­tan­tes da cam­pa­nha agrí­co­la 2015-2016, cor­rem o ris­co de de­te­ri­o­rar-se em si­los, por ra­zões me­ra­men­te bu­ro­crá­ti­cas que im­pe­dem a sua co­mer­ci­a­li­za­ção”. A acu­sa­ção foi do pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Ges­ter­ra, em­pre­sa que ge­ria as fa­zen­das de on­de fo­ram co­lhi­das, sen­do que “par­te do ar­roz “es­que­ci­do” em si­los foi pro­du­zi­do na co­mu­na do Lon­ga, Ku­an­do Ku­ban­go, on­de o Es­ta­do de­tém umas das mai­o­res fa­zen­das de ce­re­ais. Car­los Au­gus­to Di­as Paim ad­mi­tiu que, a jul­gar pe­lo tem­po ex­ces­si­vo de ar­ma­ze­na­men­to, o pro­du­to já per­deu par­te do seu va­lor co­mer­ci­al. “A nos­sa mai­or pre­o­cu­pa­ção pren­de-se com os re­sul­ta­dos da cam­pa­nha agrí­co­la 2015-2016, da qual res­tam cer­ca de seis mil to­ne­la­das de ce­re­ais, que não fo­ram co­mer­ci­a­li­za­dos e cor­rem o ris­co de es­tra­gar-se”, dis­se. Re­cu­e­mos a uma no­tí­cia de 17 de Fe­ve­rei­ro de 2018 on­de se di­zia que o Pó­lo Agrí­co­la da Qui­mi­nha, con- si­de­ra­do o mai­or pro­jec­to in­te­gra­do de agri­cul­tu­ra em Angola, que re­sul­ta de uma par­ce­ria pú­bli­co-pri­va­da que jun­ta es­pe­ci­a­lis­tas is­ra­e­li­tas, de­ve­rá atin­gir es­te ano a ple­na pro­du­ção e pre­ven­do já a ex­por­ta­ção pa­ra a Eu­ro­pa. Lo­ca­li­za­do a cer­ca de 50 qui­ló­me­tros de Lu­an­da, o pro­jec­to foi lan­ça­do em 2012, pe­lo Es­ta­do an­go­la­no, que avan­çou com a in­fra-es­tru­tu­ra­ção dos 5.000 hec­ta­res de cul­ti­vo, on­de ho­je já tra­ba­lham 600 pes­so­as na pro­du­ção de cer­ca de 30.000 to­ne­la­das anu­al de to­do o ti­po de le­gu­mes e fru­tas. Co­mo ex­pli­cou na al­tu­ra o di­rec­tor-ge­ral do Pro­jec­to de De­sen­vol­vi­men­to In­te­gra­do da Qui­mi­nha, o is­ra­e­li­ta Re­gev Ha­rosh, o ob­jec­ti­vo é ex­por­tar ain­da es­te ano, por via aé­rea, as pri­mei­ras quan­ti­da­des de ba­ta­ta-do­ce e ba­na­na pro­du­zi­das lo­cal­men­te. Em 48 ho­ras es­ta­rão à ven­da em lo­jas na Eu­ro­pa, de Por­tu­gal à Bél­gi­ca: “Pla­ni­fi­ca­mos ar­ran­car com a ex­por­ta­ção no mês de Ou­tu­bro. A qua­li­da­de e quan­ti­da­de dos pro­du­tos [ba­ta­ta-do­ce e ba­na­na] da­qui é mui­to al­ta e há uma for­te pro­cu­ra do mer­ca­do eu­ro­peu, du­ran­te o ano to­do”. De pe­pi­no a to­ma­tes, pas­san­do pe­las ba­ta­tas, be­rin­ge­las, ce­bo­las, grãos e até 25 mi­lhões de ovos anu­ais, re­cor­ren­do a 90.000 ga­li­nhas, a Qui­mi­nha é um pro­jec­to que em 2018 atin­ge a ve­lo­ci­da­de de cru­zei­ro. “Até Ou­tu­bro va­mos ter 100% da ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção do pro­jec­to. Va­mos atin­gir es­te ano as 40.000 to­ne­la­das”, avan­çou Re­gev Ha­rosh, re­cor­dan­do que as téc­ni­cas ali uti­li­za­das per­mi­tem a pro­du­ção agrí­co­la to­do o ano, in­clu­si­ve fo­ra da épo­ca das chu­vas. Até Ou­tu­bro, a pro­du­ção da Qui­mi­nha, que já abas­te­ce Lu­an­da e as prin­ci­pais ca­dei­as de dis­tri­bui­ção do país, de­ve­rá che­gar a cer­ca de 60.000 to­ne­la­das de le­gu­mes e fru­tas, mas a me­ta fi­nal são 100.000 to­ne­la­das, na cam­pa­nha agrí­co­la que vai ter­mi­nar em 2019.

PRE­SI­DEN­TE JOÃO LOU­REN­ÇO PLANTANDO UMA ÁR­VO­RE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.