UMA OU­TRA FACE DO PAÍS

Folha 8 - - DESTAQUE -

Re­cor­de-se, pa­ra me­lhor com­pre­en­der que os nos­sos go­ver­nos tra­ba­lham qua­se sem­pre em ci­ma dos jo­e­lhos (ou nem is­so), que em Abril do ano pas­sa­do o Go­ver­no da Zâm­bia es­ta­va a equa­ci­o­nar a ven­da a Angola de 20.000 to­ne­la­das de mi­lho das su­as re­ser­vas, con­for­me pe­di­do fei­to na al­tu­ra pe­lo exe­cu­ti­vo de sua ma­jes­ta­de o rei de en­tão, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. O as­sun­to foi abor­da­do num en­con­tro en­tre a en­tão em­bai­xa­do­ra an­go­la­na na Zâm­bia, Bal­bi­na Di­as da Sil­va, e a mi­nis­tra da Agri­cul­tu­ra da­que­le país, Do­ra Si­liya, com Angola a trans­mi­tir o pe­di­do pa­ra dis­po­ni­bi­li­za­ção des­ta quan­ti­da­de de mi­lho “no me­nor tem­po pos­sí­vel”. A go­ver­nan­te zam­bi­a­na, que re­ce­beu igual pe­di­do da tam­bém vi­zi­nha Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, nes­te ca­so pa­ra ven­da de 100.000 to­ne­la­das, não se com­pro­me­teu com a dis­po­ni­bi­li­za­ção das quan­ti­da­des pre­ten­di­das, por a pri­o­ri­da­de ser a ex­por­ta­ção de fa­ri­nha, pa­ra fo­men­tar a pro­du­ção lo­cal, man­ten­do-se a proi­bi­ção de ex­por­ta­ção de mi­lho pe­lo país. Ain­da as­sim, ad­mi­tiu que o Pre­si­den­te zam­bi­a­no, Ed­gar Lun­gu, es­ta­va “dis­pos­to a con­si­de­rar” es­tes pe­di­dos. “Quan­do a ca­sa do seu vi­zi­nho es­tá a ar­der, sig­ni­fi­ca que até a sua ca­sa é mais pro­pen­sa a ar­der tam­bém”, dis­se a mi­nis­tra Do­ra Si­liya, ci­ta­da pe­la im­pren­sa zam­bi­a­na. A Zâm­bia tem uma pro­du­ção ex­ce­den­tá­ria de mi­lho, que che­ga a três mi­lhões de to­ne­la­das por ano, com o Go­ver­no a com­prar par­te des­sa quan­ti­da­de pa­ra a Agên­cia de Re­ser­va Ali­men­tar. As ne­ces­si­da­des an­go­la­nas em ter­mos de mi­lho as­cen- di­am em 2017 a 5,5 mi­lhões de to­ne­la­das, pa­ra con­su­mo hu­ma­no e ra­ção ani­mal, mas cer­ca de me­ta­de des­ta quan­ti­da­de ain­da é im­por­ta­da. Mais de dois mi­lhões de fa­mí­li­as an­go­la­nas vi­vem da agri­cul­tu­ra, sec­tor que em­pre­ga no país 2,4 mi­lhões de pes­so­as e que con­ta com 13.000 ex­plo­ra­ções em­pre­sa­ri­ais, se­gun­do da­dos go­ver­na­men­tais. Nu­ma pro­du­ção em que o mi­lho é o “rei”, se­guin­do-se o mas­san­go (mi­lho-miú­do), mas­sam­ba­la (sor­go) e o ar­roz, e em que co­me­ça a sur­gir tam­bém o tri­go – Angola tem de im­por­tar anu­al­men­te mais de 700 mil to­ne­la­das des­te ce­re­al pa­ra pro­du­zir pão. Há mui­to que se sa­be que quan­do o pe­tró­leo es­pir­ra Angola en­tra em es­ta­do de co­ma. Mes­mo as­sim, os pe­ri­tos dos pe­ri­tos do Go­ver­no, in­cluin­do João Lou­ren­ço, olham sem­pre pa­ra o la­do, não vão ser con­ta­mi­na­dos com es­sa epi­de­mia da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia. As li­ga­ções eco­nó­mi­cas de Angola ao pe­tró­leo ilus­tram, aliás, um pro­ble­ma mais am­plo em Áfri­ca; as na­ções pro­du­to­ras que li­ga­ram as su­as for­tu­nas ex­clu­si­va­men­te ao cru­de en­con­tram-se ago­ra re­féns da tur­bu­lên­cia dos pre­ços, cor­ren­do mui­tas o ris­co de um de­sas­tre co­lec­ti­vo de lar­ga es­ca­la.

CAMPONESAS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.