DE ES­QUER­DA COM PRE­O­CU­PA­ÇÃO SO­CI­AL

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WIL­LI­AM TONET kui­bao@hot­mail.com

Omun­do tem da­do mui­tas vol­tas, prin­ci­pal­men­te des­de o fim do sé­cu­lo XX e iní­cio do XXI. Mui­tas leis vi­ram-se ul­tra­pas­sa­das e os ci­da­dãos, co­mo nun­ca an­tes, as­sis­ti­ram e as­sis­tem à clo­na­gem (mui­tas ve­zes ar­te­sa­nal e ar­cai­ca) de po­lí­ti­cos. Mui­tos adop­tam a pe­le de ca­ma­leão pa­ra nun­ca ab­di­ca­rem do po­der, ain­da que te­nham de, em pú­bli­co, as­su­mir a pe­le de cor­dei­ro que, na ca­la­da da noi­te, se trans­for­ma em de lo­bo fa­min­to, não se im­por­tan­do de rou­bar o pou­co dos po­bres, pa­ra sa­tis­fa­ção pes­so­al. Ao lon­go da vi­da sem­pre me iden­ti­fi­quei com a Es­quer­da, uma Es­quer­da com­pro­me­ti­da com as cau­sas so­ci­ais, com uma eco­no­mia aber­ta, on­de o Es­ta­do tem um pa­pel re­gu­la­dor nas gran­des em­pre­sas na­ci­o­nais e na mo­bi­li­za­ção de gran­des em­prei­ta­das, ge­ra­do­ras de em­pre­gos di­rec­tos; com a li­ber­da­de de im­pren­sa e ex­pres­são, com a li­ber­da­de de mo­vi­men­to, com a mas­si­fi­ca­ção nu­mé­ri­ca mas so­bre­tu­do qua­li­ta­ti­va da edu­ca­ção e da saú­de, a de­fe­sa das ri­que­zas na­ci­o­nais e so­be­ra­nia, bem com uma Es­quer­da com­pro­me­ti­da com a Re­pú­bli­ca e uma Cons­ti­tui­ção ci­da­dã. Não sou da Es­quer­da iden­ti­fi­ca­da com o so­ci­a­lis­mo, im­plan­ta­do na ex-união So­vié­ti­ca ou em Cu­ba, que li­mi­ta as li­ber­da­des e a de­mo­cra­cia, fer­ra­men­ta es­sen­ci­al pa­ra a al­ter­nân­cia do po­der e pa­ra a equi­da­de de uma so­ci­e­da­de sã. No dia 01.11, um alu­no, na Uni­ver­si­da­de Me­tro­po­li­ta­na, per­gun­tou-me: “Pro­fes­sor o que é ser um ho­mem de Es­quer­da”? Res­pon­di-lhe, re­cor­ren­do um pou­co à his­tó­ria. É im­por­tan­te sa­ber dis­tin­guir o sig­ni­fi­ca­do de Es­quer­da e de Di­rei­ta, prin­ci­pal­men­te sem­pre que ti­ver­mos de es­co­lher um sis­te­ma ou um po­lí­ti­co. Mas o que so­mos, con­di­ção so­ci­al, nem sem­pre é cau­sa bas­tan­te, pa­ra a de­fi­ni­ção. Nem sem­pre quem tem uma boa con­di­ção fi­nan­cei­ra é de di­rei­ta, nem quem não a tem é de Es­quer­da. En­tão de on­de re­mon­ta o con­cei­to? Pre­ci­sa­men­te da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa, quan­do nos idos de 1789 se co­me­ça a dis­cu­tir os ide­ais ilu­mi­nis­tas na As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te, pa­ra pôr fim à mo­nar­quia ab­so­lu­tis­ta pa­ra im­plan­tar a Re­pú­bli­ca co­mo for­ma de go­ver­no. Lo­go no iní­cio das dis­cus­sões, quan­do os re­pre­sen­tan­tes do po­vo ela­bo­ra­vam as leis pa­ra as im­por ao Rei, aque­les que de­fen­di­am as pro­pos­tas po­lí­ti­cas mais ra­di­cais, de mai­or im­pac­to pa­ra a so­ci­e­da­de, sen­ta­vam-se do la­do es­quer­do da sa­la, en­quan­to os de­fen­so­res das pro­pos­tas mais con­ser­va­do­ras sen­ta­vam-se do la­do di­rei­to. Foi a par­tir des­sa ima­gem, qua­se si­nóp­ti­ca que pas­sa­ram a ser as­so­ci­a­das à “Es­quer­da” ou à “Di­rei­ta”, de­pen­den­do do quan­to es­sas idei­as re­pre­sen­tam mu­dan­ças pa­ra a so­ci­e­da­de. As­sim, des­de o sé­cu­lo XIX que a bur­gue­sia vem con­so­li­dan­do a po­si­ção de clas­se do­mi­nan­te, de­fen­den­do prin­ci­pal­men­te o li­be­ra­lis­mo eco­nó­mi­co, o au­to­ri­ta­ris­mo, o fim dos di­rei­tos so­ci­ais dos tra­ba­lha­do­res, bem co­mo o fas­cis­mo, cons­ti­tuin­do des­sa for­ma a ima­gem de mar­ca da Di­rei­ta. Em con- tra­pon­to os ide­ais de Es­quer­da, es­tão li­ga­dos a po­lí­ti­cas so­ci­ais jus­tas, pa­ra os tra­ba­lha­do­res, fim dos mo­no­pó­li­os eco­nó­mi­cos, mas­si­fi­ca­ção da edu­ca­ção e saú­de, jus­ti­ça so­ci­al e eco­no­mia so­be­ra­na e re­gu­la­da. Co­mo se po­de ve­ri­fi­car, ser de Es­quer­da ou de Di­rei­ta não de­pen­de, ne­ces­sa­ri­a­men­te, da ori­gem de clas­se, pois, se as­sim fos­se, a gran­de mas­sa de tra­ba­lha­do­res em to­do o mun­do se­ria de Es­quer­da e lu­ta­ria por uma so­ci­e­da­de di­fe­ren­te da­que­la em que vi­ve­mos ho­je. Is­so não acon­te­ce, pre­ci­sa­men­te, por a Di­rei­ta, re­pre­sen­ta­da pe­la bur­gue­sia con­tro­lar os prin­ci­pais mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al que pro­pa­gam um pa­drão de vi­da tí­pi­co da so­ci­e­da­de bur­gue­sa, co­mo sen­do a me­lhor op­ção de vi­da. A pu­bli­ci­da­de, os fil­mes e no­ve­las pro­mo­ci­o­nais de um mo­do de vi­da de ex­ces­si­vo con­su­mo e lu­xú­ria le­vam à in­ver­são de va­lo­res, por ve­zes, de uma ca­ma­da tra­ba­lha­do­ra, que pas­sa a elo­gi­ar o mo­do bur­guês, che­gan­do, por ve­zes, a re­sis­tir à ne­ces­si­da­de de mu­dan­ças pro­fun­das na so­ci­e­da­de, con­ven­cen­do-se ser a po­bre­za uma fa­ta­li­da­de, por­que “des­de que o mun­do é mun­do que já é as­sim”. Não é ver­da­de pois as re­la­ções so­cais são his­to­ri­ca­men­te cons­truí­das pe­los ho­mens com­pro­me­ti­dos, por jus­ti­ça, igual­da­de, li­ber­da­de e de­mo­cra­cia. Is­so por to­dos os se­res hu­ma­nos te­rem in­te­res­ses po­lí­ti­cos na so­ci­e­da­de – mes­mo que nem to­dos te­nham cons­ci­ên­cia dis­so. As opi­niões que des­ti­la­mos so­bre qu­al­quer te­ma são po­si­ções po­lí­ti­cas que po­dem ser mais ou me­nos pró­xi­mas às idei­as de Es­quer­da ou de Di­rei­ta, in­de­pen­den­te­men­te da nos­sa von­ta­de. Fi­nal­men­te é mis­ter re­cor­dar que nem a Es­quer­da, nem a Di­rei­ta, são blo­cos ho­mo­gé­ne­os, em fun­ção das ten­dên­ci­as po­lí­ti­cas no seu in­te­ri­or, umas mais ra­di­cais ou­tras mo­de­ra­das e até as con­ser­va­do­ras. Por tu­do is­so, sou um ho­mem de Es­quer­da, sem­pre so­li­dá­rio com os par­ti­dos pre­o­cu­pa­dos com a re­so­lu­ção das ques­tões so­ci­ais das po­pu­la­ções e, co­mo tal, não po­de­ria dei­xar de abra­çar a cau­sa de quem ti­rou da po­bre­za ex­tre­ma mais de 38 mi­lhões de bra­si­lei­ros, co­mo os go­ver­nos de Lu­la e do PT, no Bra­sil. Daí, na vi­ra­da das elei­ções, 29 de Ou­tu­bro, ter en­vi­a­do uma car­ta de so­li­da­ri­e­da­de aos com­pa­nhei­ros bra­si­lei­ros da di­rec­ção do PT.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.