AGO­RA NO BRA­SIL NÃO SE DIZ FASCISTA DIZ-SE LI­BE­RAL CON­SER­VA­DOR

Folha 8 - - DESTAQUE -

Oem­bai­xa­dor do Bra­sil em An­go­la, Pau­li­no Car­va­lho Ne­to, dis­se NO 29.10 que, com a mu­dan­ça de Pre­si­den­te, a po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra pa­ra An­go­la e pa­ra Áfri­ca vai man­ter-se, re­cu­sou a exis­tên­cia de par­ti­dos ex­tre­mis­tas no país e ne­gou que Jair Bol­so­na­ro “se­ja fascista”. Pu­de­ra! Nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa na mis­são di­plo­má­ti­ca em Lu­an­da, des­ti­na­da a es­cla­re­cer dú­vi­das so­bre o pro­ces­so elei­to­ral bra­si­lei­ro e o que se­rá o fu­tu­ro das re­la­ções do Bra­sil com Áfri­ca, Pau­li­no Car­va­lho Ne­to as­se­gu­rou que a li­ga­ção com An­go­la não se­rá al­te­ra­da e ga­ran­tiu que as 35 em­bai­xa­das bra­si­lei­ras em Áfri­ca con­ti­nu­a­rão a tra­ba­lhar em prol do de­sen­vol­vi­men­to. “As re­la­ções com An­go­la con­ti­nu­am e con­ti­nu­a­rão in­ten­sas e tra­di­ci­o­nais. Já co­o­pe­ra­mos com An­go­la em di­ver­sas fren­tes, na co­o­pe­ra­ção téc­ni­ca, na saú­de, na edu­ca­ção, além das re­la­ções co­mer­ci­ais, que são in­ten­sas, sem fa­lar nas cul­tu­rais, pois te­mos o Cen­tro cul­tu­ral Bra­sil-an­go­la em Lu­an­da”, afir­mou Pau­li­no Car­va­lho Ne­to, em­bai­xa­dor em An­go­la des­de No­vem­bro de 2016. Ques­ti­o­na­do so­bre se a po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra pa­ra Áfri­ca, lan­ça­da pe­lo an­ti­go pre­si­den­te Luís Iná­cio Lu­la da Sil­va, es­ta­ria em pe­ri­go com a mu­dan­ça de che­fe de Es­ta­do, Pau­li­no Ne­to dis­se que na­da irá mu­dar. “Não, de mo­do al­gum. O Bra­sil man­tém e man­te­rá re­la­ções in­ten­sas com to­dos os paí­ses. Te­mos uma pri­o­ri­da­de bá­si­ca ini­ci­al, co­mo An­go­la tem aqui com os paí­ses da Áfri­ca Aus­tral e sub­sa­a­ri­a­na, [que é de­sen­vol­ver as re­la­ções co­mer­ci­ais] na Amé­ri­ca do Sul. Mas man­te­mos e man­te­re­mos re­la­ções in­ten­sas com to­dos os paí­ses afri­ca­nos”, dis­se, lem­bran­do a re­de de 35 em­bai­xa­das em Áfri­ca, que vai man­ter-se. So­bre a po­lí­ti­ca in­ter­na bra­si­lei­ra, Pau­li­no Ne­to con­si­de­rou “equi­vo­ca­dos” os que pen­sam que o Pre­si­den­te elei­to es­tá li­ga­do à ex­tre­ma-di­rei­ta ou que é “fascista”. Cla­ro que não. Pro­va dis­so é que, por exem­plo, as ac­ções da mai­or fa­bri­can­te de ar­mas le­ves da Amé­ri­ca La­ti­na, a bra­si­lei­ra For­jas Tau­rus, va­lo­ri­za­ram 326,6% des­de o iní­cio da cam­pa­nha elei­to­ral de 2018. Além dis­so, nin­guém com um lon­go e rei­te­ra­do his­tó­ri­co de de­cla­ra­ções ra­cis­tas, mi­só­gi­nas e ho­mo­fó­bi­cas po­de­ria ser fascista. “No Bra­sil não há ex­tre­ma-di­rei­ta nem ex­tre­ma-es­quer­da. Há par­ti­dos con­ser­va­do­res de di­rei­ta e par­ti­dos de es­quer­da. O Pre­si­den­te elei­to é um li­be­ral con­ser­va­dor, não é um po­lí­ti­co de ex­tre­ma-di­rei­ta, ao con­trá­rio do que mui­tas ve­zes é di­to, equi­vo­ca­da­men­te”, su­bli­nhou o em­bai­xa­dor Pau­li­no Car­va­lho Ne­to, es­pe­ran­ça­do que as su­as de­cla­ra­ções che­guem ao seu no­vo pa­trão, Jair Bol­so­na­ro. “Co­mo tam­bém o Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT) não é um par­ti­do de ex­tre­ma-es­quer­da, é um par­ti­do de cen­tro-es­quer­da e de es­quer­da nal­guns mo­men­tos. Es­sa ten­dên­cia de al­guns sec­to­res da opi­nião pú­bli­ca e de al­guns mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al ve­rem aí al­gum ex­tre­mis­mo pa­re­ce-me ab­so­lu­ta­men­te ina­de­qua­da e não cor­res­pon­de à re­a­li­da­de”, acres­cen­tou o fun­ci­o­ná­rio do Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res há cin­co anos. Pa­ra o di­plo­ma­ta bra­si­lei­ro, Jair Bol­so­na­ro já in­di­cou que irá adop­tar uma po­lí­ti­ca li­be­ral e pri­vi­le­gi­ar a ini­ci­a­ti­va pri­va­da, fac­to que os ana­lis­tas eco­nó­mi­cos afir­mam que “po­de­rá fa­zer cres­cer ain­da mais” a eco­no­mia bra­si­lei­ra, cri­an­do ri­que­za, em­pre­go e mais in­ves­ti­men­tos. Cres­ci­men­to es­se que, re­fi­ra-se, se­rá ain­da mai­or se con­se­guir im­ple­men­tar as su­as po­lí­ti­cas ra­cis­tas, mi­só­gi­nas e ho­mo­fó­bi­cas mas que – á cla­ro – não são fascistas mas, ape­nas e só, tí­pi­cas (se­gun­do o em­bai­xa­dor) de um “li­be­ral con­ser­va­dor”. “E is­so tem tam­bém um efei­to ex­ter­no, pois as em­pre­sas bra­si­lei­ras que es­tão pre­sen­tes nou­tros paí­ses po­de­rão in­ves­tir mais”, su­bli­nhou. So­bre as acu­sa­ções de “fas­cis­mo, xe­no­fo­bia e ra­cis­mo” fei­tas a Bol­so­na­ro, o em­bai­xa­dor bra­si­lei­ro afir­mou tra­tar-se de uma vi­são “ab­so­lu­ta­men­te equi­vo­ca­da”. “Acho uma vi­são ab­so­lu­ta­men­te equi­vo­ca­da es­sa ideia de usar a ex­pres­são `fas­cis­mo` sem sa­ber exac­ta­men­te do que se tra­ta. His­to­ri­ca­men­te, o fas­cis­mo não foi is­so e o Pre­si­den­te elei­to Bol­so­na­ro es­tá mui­to lon­ge dis­so. É uma opi­nião, res­pei­tá­vel, mas equi­vo­ca­da. O dis­cur­so e a cam­pa­nha po­lí­ti­ca que [Bol­so­na­ro] se fez no Bra­sil não cor­res­pon­de a es­sas qua­li­fi­ca­ções. É uma opi­nião que te­rá de es­tar ba­se­a­da em fac­to, e os fac­tos não fa­vo­re­cem es­sa opi­nião”, re­fe­riu.

EM­BAI­XA­DOR DO BRA­SIL EM AN­GO­LA, PAU­LI­NO CAR­VA­LHO NE­TO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.