“OPE­RA­ÇÃO RES­GA­TE”

Folha 8 - - CRONICA -

vê ou­tra saí­da. É pre­ci­so di­a­lo­gar pa­ra mos­trar-lhe O OU­TRO CA­MI­NHO. No mun­do de ho­je, é im­pos­sí­vel pri­var a pes­soa de ren­di­men­tos. Ou cai na mar­gi­na­li­da­de ou se de­ses­pe­ra, ge­ran­do com is­so mai­or po­bre­za. Mais po­bres e mais po­bres. 5) O po­bre tem de sa­ber que ele não é po­bre; es­tá po­bre! E es­tar po­bre, não é um mal em si. O Es­ta­do po­de aju­dar o po­bre a pen­sar que não “é” po­bre, que “es­tá” po­bre, mas que a sua fren­te há ri­que­za em abun­dân­cia. Que há opor­tu­ni­da­des pes­so­ais por ex­plo­rar. É pre­ci­so in­cluir os psi­có­lo­gos, os pro­fes­so­res, a edu­ca­ção, os ser­vi­ços so­ci­ais do Es­ta­do no com­ba­te à po­bre­za e à de­sor­dem ur­ba­na. É pre­ci­so re­pri­mir, mas an­tes, an­tes mes­mo, en­si­nar! Con­cluo: Sem con­ta­gens, sem es­ta­tís­ti­cas, não há “ope­ra­ção” que vin­gue. Sem edu­ca­ção, sem no­vas aber­tu­ras e sem no­vas opor­tu­ni­da­des pa­ra os ci­da­dãos mais des­fa­vo­re­ci­dos, as ope­ra­ções des­te gé­ne­ro fra­cas­sam se não es­ti­ve­rem sin­cro­ni­za­das no tem­po e no es­pa­ço! Mo­ra­li­ze­mos pri­mei­ra­men­te a so­ci­e­da­de com os re­sul­ta­dos vin­dou­ros da Me­ga Ope­ra­ção Res­ga­te de va­lo­res fi­nan­cei­ros e Pa­tri­mo­ni­ais do Es­ta­do no es­tran­gei­ro; apli­que­mos as me­di­das de co­ac­ção aos res­pon­sá­veis apanhados em fal­ta, re­cu­pe­re­mos os bens des­vi­a­dos e en­tão par­ta­mos pa­ra a ou­tra Ope­ra­ção de res­ga­te, nos ter­mos em que foi anun­ci­a­da pa­ra o meio ur­ba­no e ar­re­do­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.