PRO­PA­GAN­DA PO­LÍ­TI­CA E FA­KE NEWS

Folha 8 - - CRONICA -

De­pois de Trump, nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, ter ga­nha­do a elei­ção pre­si­den­ci­al à de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton num plei­to ei­va­do de fa­ke news, e co­mo se não bas­tas­se es­sa vi­tó­ria pa­ra nos aper­ce­ber­mos do im­pac­to des­ta tác­ti­ca pro­pa­gan­dís­ti­ca nu­ma de­mo­cra­cia, eis que no Bra­sil um des­ca­ra­do ra­cis­ta e ho­mo­fó­bi­co che­ga à pre­si­dên­cia fa­zen­do pro­pa­gan­da fal­sa mas com mai­or agres­si­vi­da­de. O mo­vi­men­to mun­di­al de le­var ao po­der in­di­ví­du­os da ex­tre­ma-di­rei­ta ele­geu a pro­pa­gan­da fal­sa co­mo for­ma de atin­gir os seus objectivos sem es­crú­pu­los, co­mo ocor­re su­ces­si­va­men­te na Hun­gria em que o pri­mei­ro-mi­nis­tro Vik­tor Ór­ban tem ven­ci­do des­de 2010. Steve Ban­non, apon­ta­do co­mo o ma­ni­pu­la­dor do res­sur­gi­men­to do mo­vi­men­to de ex­tre­ma-di­rei­ta, per­ma­ne­ce à som­bra tra­ba­lhan­do a psi­co­lo­gia hu­ma­na do ódio. Adolf Hi­tler de­di­cou aten­ção es­pe­ci­al à psi­co­lo­gia hu­ma­na no seu pro­jec­to de ari­a­ni­za­ção mun­di­al e de so­lu­ção fi­nal à ques­tão ju­dai­ca. Em seu «Mein Kampf» ( A mi­nha lu­ta, em alemão. Lis­boa, edi­to­ra Guer­ra & Paz, 2016), es­te li­vro de cul­to ao ódio, Hi­tler dá um ca­pí­tu­lo es­pe­ci­al à pro­pa­gan­da e or­ga­ni­za­ção. Tra­ta-se do 11º. Ca­pí­tu­lo. Quan­do en­trou no Par­ti­do Na­ci­o­nal-so­ci­a­lis­ta dos Tra­ba­lha­do­res Ale­mães (NSDAP, na si­gla em alemão), em 1921, um par­ti­do sem ex­pres­são à al­tu­ra, Hi­tler lo­go as­su­miu a di­rec­ção de pro­pa­gan­da por­que acre­di­ta­va ser o mais im­por­tan­te de to­dos na­que­le mo­men­to. A es­tra­té­gia pas­sa­va por con­quis­tar “o ma­te­ri­al hu­ma­no ne­ces­sá­rio” (p. 410) pa­ra a área or­ga­ni­za­ti­va do par­ti­do. Es­se “ma­te­ri­al hu­ma­no” é es­co­lhi­do a par­tir da mas­sa de sim­pa­ti­zan­tes das idei­as pro­pa­ga­das du­ran­te cer­to tem­po. Um dos te­mas mui­to usa­do co­mo ideia-cha­ve pa­ra co­lher sim­pa­ti­zan­tes à ex­tre­ma-di­rei­ta é a mi­gra­ção. O imi­gran­te trans­for­mou-se em al­vo de ódio ao ser apon­ta­do co­mo o cau­sa­dor das cri­ses eco­nó­mi­cas e in­se­gu­ran­ça pú­bli­ca, em que se co­lo­ca o terrorismo. É as­sim que te­mos um sim­pa­ti­zan­te das idei­as ra­cis­tas, ho­mo­fó­bi­cas, fas- cis­tas, e com de­lí­rio mes­si­â­ni­co che­gar ao po­der no Bra­sil. Jair Bol­so­na­ro (tam­bém Mes­si­as de no­me) é um des­tes sim­pa­ti­zan­tes que pas­sa à or­ga­ni­za­ção por­que tem po­ten­ci­al pa­ra pro­pa­gar os prin­cí­pi­os da ex­tre­ma-di­rei­ta, e não por ser um ideólogo. E Hi­tler apon­ta­va pa­ra es­se ti­po de “ma­te­ri­al hu­ma­no” de im­por­tân­cia ao mo­vi­men­to ao qual cha­ma­va de “com­ba­ten­te”. “Quan­do um mo­vi­men­to tem co­mo fi­na­li­da­de de­mo­lir uma si­tu­a­ção exis­ten­te pa­ra re­cons­truir, no seu lu­gar, um mun­do no­vo, é pre­ci­so que os seus lí­de­res es­te­jam to­dos de acor­do so­bre os se­guin­tes prin­cí­pi­os: ca­da mo­vi­men­to de­ve di­vi­dir a mas­sa hu­ma­na con­quis­ta­da pa­ra a cau­sa em dois gran­des gru­pos: sim­pa­ti­zan­tes e com­ba­ten­tes” (p. 411). Não sen­do um lí­der nem teó­ri­co, Hi­tler co­lo­ca­ria Jair no lu­gar de “um agi­ta­dor ca­paz de co­mu­ni­car uma ideia à gran­de mas­sa […] mes­mo que ele não se­ja se­não um de­ma­go­go” (p. 410), e tem a ta­re­fa de alis­tar no­vos sim­pa­ti­zan­tes, “dos quais en­tão se po­dem re­cru­tar no­vos com­ba­ten­tes” (p. 411). É a pro­pa­gan­da que se en­car­re­ga da “des­trui­ção do ac­tu­al es­ta­do de coi­sas e a dis­se­mi­na­ção da no­va dou­tri­na” (p. 412). Por es­ta­do de coi­sas po­de­ría­mos en­ten­der vá­ri­as ques­tões, mas co­lo­que­mos a De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos. Ca­da vez mais a ex­tre­ma-di­rei­ta abo­mi­na os di­rei­tos hu­ma­nos, e nis­to o mo­vi­men­to no Bra­sil é uma amos­tra. A “no­va dou­tri­na” en­ten­de que di­rei­tos hu­ma­nos não en­chem a bar­ri­ga e ape­nas protegem ban­di­dos dos su­búr­bi­os. Apre­sen­tam re­la­tó­ri­os de or­ga­ni­za­ções co­mo a Am- nis­tia In­ter­na­ci­o­nal no que con­cer­ne às exe­cu­ções ex­tra-ju­di­ci­ais e o sis­te­ma car­ce­rá­rio em vá­ri­os paí­ses, extremamente de­gra­dan­te ao pre­so e por is­so exi­gem cum­pri­men­tos das con­ven­ções vo­lun­ta­ri­a­men­te rac­ti­fi­ca­das pe­los Es­ta­dos. Des­te tra­ba­lho ela­bo­ram fa­ke news di­zen­do que os de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos es­tão ao ser­vi­ço dos ban­di­dos. Po­rém, não in­te­res­sa ao mo­vi­men­to di­vul­gar que a mes­ma or­ga­ni­za­ção tem re­la­tó­ri­os so­bre as con­di­ções la­bo­rais dos agen­tes pri­si­o­nais e da po­lí­cia em ge­ral, ou de que a Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal tem de­nun­ci­a­do ac­tos de cor­rup­ção de go­ver­nan­tes. Tra­ta-se de “aba­lar as cren­ças em vo­ga” (p. 412). So­bre os prin­cí­pi­os, Adolf dis­se exac­ta­men­te o se­guin­te: “A or­ga­ni­za­ção de­ve re­cru­tar do pri­mi­ti­vo nú­cleo do mo­vi­men­to não so­men­te os ho­mens que de­vem ocu­par to­das as po­si­ções im­por­tan­tes no ter­re­no con­quis­ta­do, mas tam­bém os da di­rec­ção ge­ral, e is­so de­ve du­rar até que os ac­tu­ais prin­cí­pi­os e dou­tri­nas do par­ti­do se trans­for­mem na ba­se do no­vo Es­ta­do. Só en­tão po­de­rá pas­sar, aos pou­cos, o go­ver­no a ser di­ri­gi­do pe­la no­va cons­ti­tui­ção, nas­ci­da do es­pí­ri­to do mo­vi­men­to” (p. 413). Des­ta di­rec­ti­va po­de­mos per­ce­ber o pa­pel de Sér­gio Mo­ro, juiz ago­ra su­per-mi­nis­tro da Jus­ti­ça bra­si­lei­ra, na trans­for­ma­ção do es­pí­ri­to do mo­vi­men­to de ex­tre­ma-di­rei­ta em prin­cí­pi­os cons­ti­tu­ci­o­nais do Es­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.