O FER­RO, OS FERREIROS A CON­DI­ÇÃO HU­MA­NA (I)

Folha 8 - - CRONICA - BRANDÃO DE PINHO

Es­ta se­ma­na es­ti­ve en­vol­vi­do nu­ma in­ten­sa ac­ti­vi­da­de pes­so­al e pro­fis­si­o­nal e vis­to que um país-ir­mão, quer de angolanos quer de por­tu­gue­ses, es­te­ve elei­to­ral­men­te re­du­zi­do a du­as frac­tu­ran­tes op­ções: ex­tre­ma-di­rei­ta fascista mi­li­ta­ri­za­da e ex­tre­ma-es­quer­da co­mu­nis­ta e in­te­lec­tu­a­li­za­da; e, da­do que abo­mi­no am­bas as ide­o­lo­gi­as co­mo for­ma ci­vi­li­za­da de go­ver­no, de­ci­di fa­zer co­mo a aves­truz e en­ter­rar-me de to­do e to­do – não só a ca­be­ça – nu­ma tór­ri­da areia, qui­çá do de­ser­to do Na­mi­be, que mais ano me­nos ano hei-de vi­si­tar. Não vi TV (qua­se) nem qua­se li jor­nais (ex­cep­to um pou­co do F8) e fu­gi da net, nem sem­pre com su­ces­so. Al­me­jei ser ere­mi­ta e ile­tra­do… e qua­se con­se­guia. Des­ta for­ma, pa­ra fu­gir ao tom de cró­ni­cas pas­sa­das não vou fa­lar de João Lou­ren­ço e es­pe­cu­lar co­mo raio é que o sa­lá­rio de um Ge­ne­ral lhe per­mi­tiu tor­nar-se ta­ma­nho la­ti­fun­diá­rio (ao me­nos que cul­ti­ve as ter­ras co­mo é da­do, que es­co­lha ju­deus em vez de chi­ne­ses – pa­ra con­sul­to­res – e em­pre­gue po­pu­la­ção lo­cal pro­du­ti­va e bem pa­ga) e de quão im­pró­pria e de­sa­de­qua­da é a so­ci­e­da­de co­mer­ci­al que vem zum­bin­do com o seu in­có­mo­do e in­sec­toi­de ami­go Mos­qui­to e de co­mo se­rá es­tra­nho um go­ver­nan­te de um gran­de país co­mo é An­go­la – creio que ha­ven­do es­cru­tí­nio da opo­si­ção e “me­dia”, e, uma apos­ta fir­me na edu­ca­ção de qua­li­da­de (nem que se­ja pre­ci­so man­dar vir “pro­fes tu­gas” desempregados, às car­ra­das, nu­ma pri­mei­ra fa­se) An­go­la su­plan­ta­rá a RSA, a Ni­gé­ria e o Nor­te de Áfri­ca e tor­nar-se-á na po­tên­cia de Áfri­ca, e, ten­do em con­ta que mais ce­do que tar­de a hu­ma­ni­da­de irá de­pen­der de Áfri­ca ou­tra vez, só que ago­ra não na con­di­ção de co­ló­nia – se­ja si­mul­ta­ne­a­men­te ban­quei­ro, la­vra­dor, ge­ne­ral na re­ser­va e pre­si­den­te, pa­ra além de es­cru­pu­lo­so, fi­no e re­quin­ta­do vi­a­jan­te a ex­pen­sas da re­pú­bli­ca, co­mo li num ar­ti­go do Fo­lha 8. A pro­pó­si­to de ju­deus, de­vo lem­brar os mais no­vos que an­tes da cri­a­ção do es­ta­do de Is­ra­el o mo­vi­men­to si­o­nis­ta che­gou a pon­de­rar e a pro­por a Sa­la­zar (ele pró­prio com cos­te­las ju­dai­cas co­mo gran­de par­te dos por­tu­gue­ses e por ine­rên­cia gran­de par­te dos mu­la­tos angolanos) a hipótese de trans­for­mar o nor­te de An­go­la nu­ma Gran­de Is­ra­el. In­fe­liz­men­te não vin­gou es­sa ideia bem co­mo não vin­ga­ria mais tar­de a ideia de trans­fe­rir pa­ra Lu­an­da a ca­pi­tal do vas­to “im­pé­rio” por­tu­guês. Gran­des er­ros his­tó­ri­cos no meu pou­co en­ten­di­men­to. Con­vém sa­li­en­tar tam­bém o quão avan­ça­dos são os is­ra­e­li­tas em sec­to­res fun­da­men­tais pa­ra a eco­no­mia an­go­la­na co­mo a agri­cul­tu­ra, re­ci­cla­gem e re­a­pro­vei­ta­men­to de re­sí­du­os, ges­tão par­ci­mo­ni­o­sa de re­cur­sos, apro­vei­ta­men­to da água e in­tro­du­ção de ino­va­do­ras téc­ni­cas de ir­ri­ga­ção, na la­pi­da­ção e co­mér­cio di­a­man­tí­fe­ros e es­pe­ci­al­men­te, a ní­vel mi­li­tar, pois An­go­la pre­ci­sa de ter um exér­ci­to, ma­ri­nha e for­ça aé­rea mo­der­ni­za­dos e efi­ca­zes pa­ra ser a gran­de re­fe­ren­cia a par da RSA na Áfri­ca Aus­tral. As­sim, quan­do as cri­ses se su­ce­de­rem num fu­tu­ro pró­xi­mo, quer se­jam de re­fu­gi­a­dos, de água, de pe­tró­leo, de ter­ra ará­vel, cri­ses cli­má­ti­cas ou num con­tex­to de cli­ma iminente de guer­ra mun­di­al, a Ter­ra dos Pa­lan­cas Ne­gras ve­nha a ter ao le­me da sua ca­ra­ve­la um ti­mo­nei­ro pre­pa­ra­do, qual “xa­dre­zis­ta” avi­sa­do, com uma es- tra­té­gia cor­rec­ta, ajei­ta­da às cir­cuns­tân­ci­as e bem ali­nha­va­da pa­ra fa­zer to­das as jo­ga­das de for­ma não só a po­der defender-se, co­mo tam­bém a re­for­çar a sua in­fluên­cia e po­der geo-es­tra­té­gi­cos. Nes­te con­tex­to, as­saz pre­vi­sí­vel e nes­te jo­go de for­ças sai­rão ali­an­ças com as po­tên­ci­as mun­di­ais e o bem-es­tar e ri­que­za dos angolanos es­ta­ri­am as­se­gu­ra­dos que é pa­ra is­so que os go­ver­na­dos ele­gem os go­ver­nan­tes (ain­da que JLO ja­mais te­nha si­do al­vo de es­cru­tí­nio se ex­cep­tu­ar­mos aque­le si­mu­la­cro de elei­ção “eme­pe­laís­ta” no seio de um pseu­do-con­gres­so de ide­o­lo­gi­as mais ab­so­lu­tis­tas (“Le roi est mort, vi­ve le roi”) do que de­mo­crá­ti­cas e don­de me­drou um Pre­si­den­te-Sol que ir­ra­di­ou e ofus­cou tem­po­ra­ri­a­men­te al­guns angolanos… mas não to­dos, pois uma ir­re­du­tí­vel al­deia de pa­tri­o­tas angolanos gui­a­da pe­lo F8 não fe­chou os olhos, nem se­quer os se­mi­cer­rou. Cui­da­do meu Ge­ne­ral. Mas aten­ção que as For­ças Ar­ma­das te­rão de es­tar sem­pre so­bre a tu­te­la do go­ver­no ser­vin­do ape­nas de ga­ran­te da so­be­ra­nia e de­fe­sa da pá­tria pe­lo que um Ge­ne­ral a pre­si­den­te é um pre­ce­den­te pe­ri­go­so, ex­cep­to no ca­so do in­cor­rup­tí­vel Ge­ne­ral Ea­nes, fi­gu­ra in­con­tor­ná­vel no pro­ces­so de tran­si­ção pa­ra a de­mo­cra­cia em Por­tu­gal mas que de­pois en­tre­gou o po­der à so­ci­e­da­de ci­vil meu ca­ro JLO. Os angolanos de si na­da mais es­pe­ram que fa­ça o seu tra­ba­lho de sa­pa e de­pois que se re­for­me e dei­xe o po­vo atra­vés das su­as for­ças vi­vas, de­ter­mi­nar o seu ru­mo já que ca­da ano que pas­sa V. Ex.ª não vai in­do pa­ra no­vo e a sua vo­ca­ção tal­vez se­ja a de la­vra­dor. En­tre­tan­to po­de­rá ir cri­an­do con­di­ções pa­ra o for­ta­le­ci­men­to da de­mo­cra­cia e que pa­re de sa­bo­tar e mi­nar a opo­si­ção que se quer for­te e es­cru­pu­lo­sa da sua con­di­ção e fun­ção, e, que fa­ça das pró­xi­mas au­tár­qui­cas um ca­so de su­ces­so no con­tex­to afri­ca­no sem quais­quer ti­po de frau­des e com uma CNE sé­ria e com­pro­me­ti­da com os seus de­síg­ni­os pa­trió­ti­cos e ei­va­da dos mais ele­va­dos pa­drões de­mo­crá­ti­cos oci­den­tais. Se fi­zer es­se, nem que se­ja só is­so, já se­ria me­re­ce­dor de uma es­tá­tua de bron­ze. No mí­ni­mo te­rá de ha­ver tan­tos vo­tos co­mo vo­tan­tes, mas me­nos elei­to­res do que po­pu­la­ção em de­ter­mi­na­do cír­cu­lo elei­to­ral, e, o exer­cí­cio do vo­to de­ve­rá es­tar con­sa­gra­do a uma pro­va de vi­da qu­al­quer, pa­ra im­pe­dir a ten­ta­ção de os de­fun­tos -le­van­do ao ex­tre­mo as su­as obri­ga­ções cí­vi­cas – vão às ur­nas quan­do nas ur­nas de­ve­ri­am per­ma­ne­cer, se me per­mi­tem o jo­go de pa­la­vras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.