SO­LI­DA­RI­E­DA­DE, SEM­PRE!

Folha 8 - - DESTAQUE -

COM­PA­NHEI­RA GLESI, COM­PA­NHEI­RO LU­LA, COM­PA­NHEI­RO HAD­DAD, COM­PA­NHEI­ROS DO PT, COM­PA­NHEI­ROS DO 247 De An­go­la, tor­rão de Áfri­ca acom­pa­nhei o dia fi­nal das elei­ções, tal co­mo mi­lhões de angolanos e afri­ca­nos, es­pe­ran­do pe­lo úl­ti­mo mo­men­to da vi­ra­da. Não foi pos­sí­vel, cris­tã­men­te fa­lan­do, al­can­çar o púl­pi­to, mas con­quis­ta­ram e do­ma­ram os ma­res bra­vos, es­pa­lhan­do o su­or, o ge­mer e as con­vic­ções ci­da­dãs de mi­lhões de bra­si­lei­ra(o)s. An­te a vi­tó­ria de Pir­ro, o ma­pa ge­o­grá­fi­co bra­si­lei­ro, ala­van­cou a ima­gem da co­e­rên­cia, da con­vic­ção, da de­fe­sa da de­mo­cra­cia, da igual­da­de e do fim da dis­cri­mi­na­ção. A vos­sa lu­ta foi her­cú­lea em to­dos do­mí­ni­os e ti­ves­se o 247 a mes­ma dimensão de ou­tros ór­gãos de im­pren­sa tra­di­ci­o­nal e tu­do se­ria di­fe­ren­te. Igual­men­te, se os ór­gãos de jus­ti­ça: STF e TSE ti­ves­sem hi­gi­e­ne in­te­lec­tu­al, res­pei­to pe­la Cons­ti­tui­ção e pe­las leis, co­lo­can­do-se co­mo seus es­cra­vos, e se­gu­ra­men­te, hon­ra­ri­am me­lhor a es­ta­bi­li­da­de emo­ci­o­nal e con­fi­an­ça de to­dos bra­si­lei­ros. Es­tas elei­ções, mos­tra­ram ao mun­do ha­ver dois sis­te­mas de Di­rei­to, no Bra­sil; um pa­ra o PT e ou­tro pa­ra os de­mais ac­to­res de di­rei­ta. Aos pri­mei­ros, são apli­ca­das as leis, não vi­san­do a jus­ti­ça, aos se­gun­dos vi­go­ram as elu­cu­bra­ções jurídicas, num re­ga­bo­fe to­tal. A de­mo­cra­cia es­tá de lu­to, no Bra­sil, dis­se Had­dad, mas, o so­nho, acho, não mor­reu... A uto­pia é ho­je uma re­a­li­da­de... Ver-se-á co­mo se­rão os di­as de ama­nhã, no vos­so con­ti­nen­tal Bra­sil. On­tem, do­min­go, 28.10.18, foi dia de re­co­lhi­men­to e an­gús­tia, mas, tam­bém, de mui­ta sa­tis­fa­ção pe­la lu­ta bra­va de mu­lhe­res e ho­mens con­vic­tos que, an­te a ad­ver­si­da­de, não ati­ra­ram a to­a­lha ao chão, con­tra uma má­qui­na di­a­bó­li­ca que que­ria a ex­tin­ção do PT e o as­sas­sí­nio po­lí­ti­co de Lu­la e Had­dad. Ledo en­ga­no!

Com­pa­nheir(a)os

A co­var­dia le­va­da ao pe­des­tal, não é me­ri­tó­ria, lem­brem-se do cá­ga­do em ci­ma de uma ár­vo­re... já a co­ra­gem de en­fren­tar uma má­qui­na des­trui­do­ra e di­a­bo­li­zan­te, sem as mes­mas ar­mas de ar­re­mes­so é re­le­van­tís­si­mo! As com­ba­ten­tes e os com­ba­ten­tes, quais guar­diões de Lu­la em Cu­ri­ti­ba e to­dos qu­an­tos gal­ga­ram o tor­rão bra­si­lei­ro, pa­ra de­sar­ma­di­lhar as mi­nas (fa­ke news), de­mons­tra­ram que a co­lu­na ver­te­bral da co­e­rên­cia, não se ver­ga nun­ca, pe­lo con­trá­rio, quan­to mais se pre­ten­de o seu fim, mas da fra­que­za se faz for­ça e, tal co­mo Fé­nix, o PT, Lu­la e o Had­dad res­sus­ci­ta­ram das cin­zas e man­ti­ve­ram o Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res, co­mo a mai­or for­ça po­lí­ti­ca, imprescindível, pa­ra qu­al­quer go­ver­na­ção, mes­mo a da ex­tre­ma-di­rei­ta. Os ris­cos da di­ta­du­ra têm já mar­cas de san­gue; no Rio de Ja­nei­ro e na Baía, que não de­vem ser des­cu­ra­das... En­tre­tan­to, ela (mar­ca de san­gue), que já as­sas­si­nou vi­das ino­cen­tes, de­ve servir de an­tí­do­to, ca­ta­li­sa­dor, pa­ra ca­da bra­si­lei­ra e bra­si­lei­ro de­mo­crá­ti­co, não ab­di­car de lu­tar em pro­le da ci­da­da­nia e de um Bra­sil, mais igual e de to­dos, sem os po­rões do “fi­nal da praia” (quar­tel mi­li­tar), on­de se as­sas­si­na­va, quem pen­sas­se di­fe­ren­te, em 1964, di­ta­du­ra mi­li­tar. Exi­jam o res­pei­to pe­la lai­ci­da­de cons­ti­tu­ci­o­nal do Es­ta­do, con­trá­ria a exis­tên­cia de par­ti­dos e igre­jas ar­ma­das ou que fa­çam apo­lo­gia bé­li­ca. Não dei­xem que as for­ças ra­di­cais se­jam ca­pa­zes de im­plan­tar um sis­te­ma, com ca­pa­ci­da­de de in­cu­bar a de­mo­cra­cia, ma­tan­do os seus ca­bou­cos. É pre­ci­so não de­sis­tir da re­sis­tên­cia, uni­da­de, so­be­ra­nia e ri­que­zas do Bra­sil, tão co­bi­ça­das. As no­vas elei­ções de­vem, pa­ra os ho­mens de es­quer­da e de­mo­crá­ti­cos, co­me­çar no dia 29.10.18, na es­pe­ran­ça de se lan­ça­rem já, as se­men­tes, de uma no­va au­ro­ra, em 2022. Bem-ha­ja a to­das e to­dos. Lu­an­da, 29 de Ou­tu­bro de 2018 Wil­li­am Tonet

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.