CA­SA- CE OU CUBATA- CE?

Folha 8 - - DESTAQUE -

Olí­der da Con­ver­gên­cia Am­pla de Sal­va­ção de An­go­la (CA­SA-CE) deu co­mo pra­zo até De­zem­bro pa­ra que os no­vos in­te­gran­tes do seu co­lé­gio pre­si­den­ci­al apre­sen­tem pro­pos­tas pa­ra fa­zer fa­ce aos de­sa­fi­os das elei­ções au­tár­qui­cas e ge­rais. E en­quan­to es­ses “mi­li­tan­tes” pen­sam se de­vem pen­sar pa­ra di­zer o que tal­vez ve­nham a pen­sar so­bre o as­sun­to, Abel Chi­vu­ku­vu­ku te­rá de es­pe­rar… sen­ta­do. Abel Chi­vu­ku­vu­ku dis­cur­sa­va no dia 01.11 a na cerimónia de to­ma­da de pos­se de oi­to mem­bros do Co­lé­gio Pre­si­den­ci­al da CA­SA-CE, do qual é pre­si­den­te, com o ob­jec­ti­vo da atri­bui­ção de res­pon­sa­bi­li­da­des di­rec­ta e ex­clu­si­vas. To­ma­ram pos­se Alexandre Se­bas­tião An­dré, lí­der do PADDA-AP, co­or­de­na­dor pa­ra As­sun­tos Ins­ti­tu­ci­o­nais e Ju­rí­di­cos e Po­der Lo­cal, Ma­nu­el Fer­nan­des, lí­der do PALMA, co­or­de­na­dor pa­ra a Ac­ção po­lí­ti­ca e Re­vi­ta­li­za­ção da Co­li­ga­ção, Fe­lé António, lí­der do PPA, co­or­de­na­dor pa­ra as Ques­tões Pa­tri­mo­ni­ais e Simão Ma­ka­zu, lí­der do PDP-ANA, co­or­de­na­dor pa­ra as Po­lí­ti­cas Eco­nó­mi­cas e Fi­nan­cei­ras. O Co­lé­gio Pre­si­den­ci­al é ain­da in­te­gra­do por Si­kon­da Lu­len­do Alexandre, lí­der do PSNA, co­or­de­na­dor pa­ra as Ques­tões da So­ci­e­da­de Ci­vil e Re­li­gi­o­sas, Jus­ti­no Pin­to de An­dra­de, lí­der do Blo­co De­mo­crá­ti­co, co­or­de­na­dor pa­ra as Ques­tões Elei­to­rais Ge­rais e Au­tár­qui­cas, An­dré Mendes de Car­va­lho “Mi­au”, co­or­de­na­dor pa­ra as Ques­tões Par­la­men­ta­res e Ce­si­nan­da de Ker­len Xa­vi­er, co­or­de­na­do­ra pa­ra a Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al e Mar­ke­ting. Na sua in­ter­ven­ção, Abel Chi­vu­ku­vu­ku dis­se que com es­te ac­to de atri­bui­ção di­rec­ta e ex­clu­si­vas fi­ca da­do o pri­mei­ro pas­so do ide­al da re­fun­da­ção da CA­SA-CE, cu­jo pro­ces­so aguar­da por con­clu­são até fi­nal des­te mês. Se­gun­do Abel Chi­vu­ku­vu­ku, o pro­ces­so de re­fun­da­ção da CA­SA-CE in­clui­rá ou­tros ac­tos po­lí­ti­cos e pas­sos es­tru­tu­rais não me­nos im­por­tan­tes, as­sim co­mo a con­clu­são do pro­ces­so no Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal. O di­ri­gen­te máximo da se­gun­da mai­or for­ça po­lí­ti­ca da opo­si­ção fri­sou que o con­tex­to po­lí­ti­co de An­go­la, a mé­dio pra­zo, es­ta­be­le­ce mar­cos-cha­ve, no­me­a­da­men­te as elei­ções au­tár­qui­cas de 2020 e as elei­ções ge­rais de 2022. “Es­tes se­rão os de­sa­fi­os pa­ra os quais a CA­SA-CE de­ve pre­pa­rar-se e fa­zem par­te das vos­sas in­cum­bên­ci­as di­rec­tas e con­cre­tas. Es­ta­mos nas vés­pe­ras do fim de ano de 2018 e por is­so exor­to os re­cém-em­pos­sa­dos a pro­du­zi­rem, nos pró­xi­mos tem­pos, a vos­sa vi­são de pro­jec­ções es­tra­té­gi­cas e ac­ções con­cre­tas pa­ra ca­da um dos vos­sos pe­lou­ros, por for­mas a ini­ci­ar o ano de 2019 com idei­as cla­ras e um pro­gra­ma exequí­vel”, ape­lou. Pa­ra ca­da área, Abel Chi­vu­ku­vu­ku pe­diu que, an­tes de De­zem­bro, “pro­du­za a sua vi­são e pers­pec­ti­va es­tra­té­gi­ca e ac­ções con­cre­tas que pre­ten­de de­sen­vol­ver em 2019”. Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, o lí­der da co­li­ga­ção an­go­la­na dis­se que a ins­ti­tui­ção do Co­lé­gio de­ve­rá acon­te­cer ape­nas de­pois da con­clu­são do pro­ces­so ju­di­ci­al no Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, que es­pe­ra ve­nha a ter­mi­nar o mais tar­dar no dia 25, quan­do ter­mi­nam os pra­zos. “O que de­mos foi o pri­mei­ro pas­so pa­ra a atri­bui­ção de res­pon­sa­bi­li­da­des acres­ci­das aos lí­de­res par­ti­dá­ri­os, no âm­bi­to da re­fun­da­ção, que en­vol­ve três di­men­sões”, dis­se o po­lí­ti­co, ex­pli­can­do que a pri­mei­ra foi a re­a­li­za­da no 01.11 – a atri­bui­ção de mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de aos lí­de­res par­ti­dá­ri­os. A se­gun­da dimensão, avan­çou que tem a ver com a re­vi­são ins­ti­tu­ci­o­nal e a ter­cei­ra com o re­a­jus­ta­men­to de nor­mas, pa­ra a al­te­ra­ção, au­men­to ou di­mi­nui­ção de al­gu­mas, per­mi­tin­do que a CA­SA-CE vol­te a ter “vi­da, har­mo­nia e en­ten­di­men­to”. Em cau­sa es­tá a pre­ten­são de Abel Chi­vu­ku­vu­ku em cri­ar dois par­ti­dos po­lí­ti­cos – Po­de­mos Jun­tos por An­go­la (Po­de­mos JA) e De­sen­vol­vi­men­to In­clu­si­vo de An­go­la (DIA), cu­jos pro­ces­sos re­me­teu ao Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, que con­si­de­rou a pre­ten­são “ile­gal”. Abel Chi­vu­ku­vu­ku não des­car­tou a in­clu­são de no­vos par­ti­dos na co­li­ga­ção com o pro­ces­so de re­fun­da­ção, que tem ape­nas co­mo con­cei­to “dar uma no­va na­tu­re­za, mas com os mes­mos ac­to­res, en­ten­den­do que os in­de­pen­den­tes são a par­te mo­triz da CA­SA-CE e os par­ti­dos são a par­te le­gal da CA­SA-CE”. “É pre­ci­so en­con­trar um `mo­dus vi­ven­di’ en­tre es­tas du­as di­men­sões. O mais im­por­tan­te é que os angolanos te­nham con­fi­an­ça, pe­lo me­nos eu, Abel Chi­vu­ku­vu­ku, estarei pre­sen­te na lu­ta pe­los angolanos, é a mi­nha cau­sa”, su­bli­nhou. A CA­SA-CE foi fun­da­da em 2012 e é composta por seis par­ti­dos, que nas pri­mei­ras elei­ções em que participou, no mes­mo ano da sua cri­a­ção, ele­geu oi­to dos 220 de­pu­ta­dos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, fa­ce aos 6% de vo­tos ob­ti­dos (345.589), a mes­ma per­cen­ta­gem con­quis­ta­da nas pre­si­den­ci­ais, em que Chi­vu­ku­vu­ku fi­cou em ter­cei­ro lu­gar. Nas úl­ti­mas elei­ções ge­rais, re­a­li­za­das em Agos­to de 2017, a CA­SA-CE au­men­tou qua­se pa­ra o do­bro a sua vo­ta­ção a ní­vel na­ci­o­nal em ter­mos no­mi­nais (639.789 vo­tos – 9,5%), du­pli­can­do o nú­me­ro de de­pu­ta­dos (16), com Abel Chi­vu­ku­vu­ku, an­ti­go des­ta­ca­do di­ri­gen­te da UNITA, mai­or par­ti­do da opo­si­ção an­go­la­na, a man­ter a ter­cei­ra po­si­ção.

PRE­SI­DEN­TE DA CA­SA-CE, ABEL EPALANGA CHI­VU­KU­VU­KU

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.