MPLA, É CLA­RO, APLAUDE A “COWBOYADA”

Folha 8 - - DESTAQUE -

Ain­da re­cen­te­men­te um gru­po de de­pu­ta­dos des­ta mes­ma CA­SA-CE en­vi­ou uma car­ta ao pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal a pe­dir a di­vi­são da Gru­po Par­la­men­tar da co­li­ga­ção. Nes­te “wes­tern” a le­tra prin­ci­pal da ban­da so­no­ra di­zia: “Ma­mãe, eu que­ro ma­mar”… Per­gun­te-se aos angolanos com di­rei­to de vo­to se sa­bem o que são o PPA, PNSA, PADDA-AP, PALMA, BD e PDP-ANA. Re­si­du­al­men­te al­guns sa­be­rão, em­bo­ra pou­cos te­nham ou­vi­do fa­lar. To­dos sa­be­rão, con­tu­do, o que é a CA­SA-CE e mais se­rão os que sa­bem quem é Abel Chi­vu­ku­vu­ku. Aliás, fa­lar da CA­SA-CE é fa­lar es­sen­ci­al­men­te de Abel Chi­vu­ku­vu­ku. Quem são Fe­lé António, Si­kon­da Lu­len­do Alexandre, Alexandre Se­bas­tião An­dré, Ma­nu­el Fer­nan­des, Jus­ti­no Pin­to de An­dra­de, Simão Ma­cas­so? Nin­guém sa­be. São, con­tu­do, di­ri­gen­tes dos tais par­ti­dos, ou agre­mi­a­ções pou­co mais do que fa­mi­li­a­res, que rei­vin­di­cam ser a al­ma, o co­ra­ção, o cé­re­bro, os bra­ços, as per­nas da CA­SA-CE. Es­que­cem-se que, de fac­to (de ju­re de­ram as as­si­na­tu­ras pa­ra a cons­ti­tui­ção for­mal da Co­li­ga­ção) a CA­SA-CE é, ou foi, Abel Chi­vu­ku­vu­ku e mais meia dú­zia de per­so­na­li­da­des in­de­pen­den­tes que, es­ses sim, são co­nhe­ci­dos em to­dos os can­tos e es­qui­nas do país. Mais in­te­res­sa­dos em di­nhei­ro do que em po­lí­ti­ca, mais (ou só) vi­ra­dos pa­ra se ser­vi­rem do que pa­ra ser­vi­rem, há mui­to que pre­pa­ram a de­cla­ra­ção de fa­lên­cia e con­se­quen­te en­cer­ra­men­to da Co­li­ga­ção, fa­zen­do con­tas ao di­nhei­ro que po­de­rão re­ce­ber, as­su­min­do-se co­mo ac­ci­o­nis­tas e cre­do­res mas exi­gin­do con­ti­nu­ar a ma­mar na te­ta da As­sem­bleia Na- ci­o­nal. Os lí­de­res des­tes par­ti­dos, ou ges­to­res de pro­jec­tos fa­li­dos que en­xer­ta­ram na CA­SA-CE, ti­ve­ram o des­plan­te de num Me­mo­ran­do as­si­na­do por to­dos, pro­por: “- A di­vi­são igual, da ver­ba des­ti­na­da aos Par­ti­dos po­lí­ti­cos oriun­dos da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, a ser atri­buí­da di­rec­ta­men­te pe­la en­ti­da­de ban­cá­ria (BCI). – A ver­ba ori­gi­ná­ria do OGE, de­ve ser re­par­ti­da da se­guin­te for­ma: 30% a ser re­par­ti­da em igual mon­tan­te pe­los Par­ti­dos cons­ti­tuin­tes; 70% pa­ra o fun­ci­o­na­men­to nor­mal da Co­li­ga­ção e pa­ra pa­ga­men­to de dí­vi­das elei­to­rais e ou­tras con­traí­das.” As­su­min­do o pa­pel de “vir­gens ofen­di­das”, mau gra­do to­dos sa­ber­mos os “bor­déis” em que se di­plo­ma­ram, os lí­de­res des­tas agre­mi­a­ções fa­mi­li­a­res, às quais cha­mam par­ti­dos, têm o des­plan­te de di­zer, por exem­plo, “que a pre­sen­te re­a­li­da­de es­tá lon­ge do es­pí­ri­to que nos mo­veu a to­dos, quan­do de­ci­di­mos cri­ar e ade­rir a es­te gran­de pro­jec­to, fun­da­men­tal­men­te quan­to aos prin­cí- pi­os, ba­se­a­dos na uni­da­de de ac­ção, na co­e­são in­ter­na, no en­tro­sa­men­to de fac­to das vá­ri­as ma­tri­zes que cor­po­ri­zam es­ta for­ça po­lí­ti­ca, no es­pí­ri­to de equi­pa e de ca­ma­ra­da­gem.” E es­tá lon­ge por cul­pa de quem? De to­dos, me­nos de­les. Se ca­lhar a cul­pa é mes­mo de Abel Chi­vu­ku­vu­ku por ter acre­di­ta­do, por con­ti­nu­ar a acre­di­tar, e da­do opor­tu­ni­da­de a quem o vi­ria, co­mo se vê, a apu­nha­lar… pe­las cos­tas. “A má ges­tão dos re­sul­ta­dos elei­to­rais, abai­xo da fas­quia ob­jec­ti­va­da, es­tá a le­var-nos a uma re­a­li­da­de bas­tan­te con­fran­ge­do­ra, uns ati­ram-se con­tra os ou­tros, por não ve­rem os seus objectivos pes­so­ais a con­cre­ti­za­rem-se con­for­me o fi­gu­ri­no pre­sen­te da CA­SA-CE, a for­ma me­câ­ni­ca com que es­tá a ser abor­da­da a fu­são/trans­for­ma­ção e as con­sequên­ci­as da sua não efec­ti­va­ção, a men­sa­gem des­pre­zí­vel à hon­ra, à con­si­de­ra­ção e ao bom no­me dos Par­ti­dos Po­lí­ti­cos da CA­SA-CE, a ten­dên­cia de­sa­gre­ga­do­ra e o de­se­jo de fa­zer da CA­SA-CE, vi­vei­ro pa­ra a pro­li­fe­ra­ção de no­vos par­ti­dos no seu seio; tu­do is­to re­me­te-nos a uma pro­fun­da di­vi­são in­ter­na, ja­mais vis­ta!”, di­zem os subs­cri­to­res do Me­mo­ran­do, cer­ta­men­te ofen­di­dos por os mi­li­tan­tes in­de­pen­den­tes (a gran­de for­ça mo­triz da Co­li­ga­ção) se atre­ve­rem a cha­mar in­com­pe­ten­tes aos que são… in­com­pe­ten­tes. Acres­cen­tam os lí­de­res ofen­di­dos que, “nes­ta con­for­mi­da­de e no in­te­res­se de bus­car so­lu­ções po­si­ti­vas pa­ra es­ta re­a­li­da­de que em na­da abo­na o bom no­me e os objectivos que nor­te­a­ram a cri­a­ção da CA­SA-CE, os Pre­si­den­tes dos Par­ti­dos Po­lí­ti­cos mem­bros, im­buí­dos de boa fé”, ad­vo­gam, por exem­plo, que “a fu­são de­ve ser en­ten­di­da co­mo o cul­mi­nar de um pro­ces­so de con­ci­li­a­ção de idei­as po­lí­ti­cas, en­tre as vá­ri­as ma­tri­zes que cons­ti­tu­em a CA­SA-CE, de con­so­li­da­ção de uni­da­de, na efec­ti­va­ção do en­tro­sa­men­to de fac­to e a to­dos os ní­veis, ba­se­a­dos no res­pei­to mú­tuo, ob­ser­van­do o prin­cí­pio de van- ta­gens re­cí­pro­cas e sem a su­bal­ter­ni­za­ção de uns por ou­tros”. Ou se­ja, ex­pli­cam do al­to da sua cá­te­dra, “olhan­do pa­ra as cir­cuns­tân­ci­as pre­sen­tes, to­dos ele­men­tos que fo­ram enu­me­ra­dos es­tão lon­ge de se­rem con­cre­ti­za­dos. As­sim sen­do, a fu­são continuará a ser um ob­jec­ti­vo a ser con­cre­ti­za­do fu­tu­ra­men­te, sen­do cer­to não ser pos­sí­vel nes­se mo­men­to ou a cur­to pra­zo, a efec­ti­va­ção da mes­ma”. E não sen­do pos­sí­vel, co­mo di­zem, a fu­são, avan­çam com a te­se de que a Co­li­ga­ção de­ve man­ter-se des­de que “a Di­rec­ção dos Ór­gãos Cen­trais, In­ter­mé­di­os, Lo­cais e de Ba­se, obe­de­ça ao prin­cí­pio da igual­da­de, so­bre­tu­do ao ní­vel dos ór­gãos exe­cu­ti­vos (Se­cre­ta­ri­a­do Na­ci­o­nal, Se­cre­ta­ri­a­dos Pro­vin­ci­ais e Mu­ni­ci­pais).” É cla­ro que es­tes par­ti­dos es­tão ago­ra a pôr as gar­ras de fo­ra, que­ren­do dar a en­ten­der que são gar­ras de on­ça mas, afi­nal, são de ga­to es­que­lé­ti­co e fa­min­to. Fa­zem-no, con­tu­do, pe­lo fac­to de Abel Chi­vu­ku­vu­ku ter ati­ra­do a to­a­lha a chão, es­cor­ra­çan­do os in­de­pen­den­tes que, co­mo ele, são o mo­tor da CA­SA-CE. Quan­do, no dia 13 de Ja­nei­ro de 2018, o Pre­si­den­te da CA­SA-CE dis­cur­sou na se­de do Se­cre­ta­ri­a­do Exe­cu­ti­vo Pro­vin­ci­al de Lu­an­da, no Dis­tri­to Ur­ba­no do Ran­gel, deu car­ta-bran­ca aos di­ri­gen­tes des­tes par­ti­dos pa­ra o apu­nha­la­rem… pe­las cos­tas. Ao di­zer, em re­la­ção aos de­sig­na­dos “in­de­pen­den­tes”, que es­tes vão de­sa­pa­re­cer e fi­ca­rão os par­ti­dos que com­põe a CA­SA-CE, Abel Chi­vu­ku­vu­ku as­si­nou a ca­pi­tu­la­ção. Não ad­mi­ra, por is­so, que os di­ri­gen­tes des­ses par­ti­dos es­te­jam ago­ra a fa­zer con­tas pa­ra re­par­tir o es­pó­lio.

DE­PU­TA­DOS DA CA­SA-CE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.