O QUE É E PA­RA ON­DE NOS VAI LE­VAR?

Folha 8 - - DESTAQUE -

OJor­nal Fo­lha 8, so­li­ci­tou-me uma aná­li­se a um pro­ces­so que es­tá a de­cor­rer des­de o iní­cio do mês e que se in­ti­tu­la “Ope­ra­ção Res­ga­te”. Co­mo pon­to de par­ti­da, há que ten­tar per­ce­ber o que é, na re­a­li­da­de, e qu­al o ob­jec­ti­vo des­ta Ope­ra­ção anun­ci­a­da em fi­nais de Ou­tu­bro pas­sa­do, pe­lo Mi­nis­tro Ân­ge­lo da Vei­ga Ta­va­res, do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or (MININT). Sen­do es­te Mi­nis­té­rio o seu men­tor, pres­su­põe que vai ser uma ope­ra­ção imi­nen­te­men­te po­li­ci­al. En­tão ana­li­se­mos os seus ob­jec­ti­vos e al­can­ce. Se­gun­do o MININT es­ta Ope­ra­ção vi­sa­rá, e de acor­do com a edi­ção on­li­ne do Jor­nal de An­go­la «re­for­çar a or­dem e a tran­qui­li­da­de pú­bli­cas, or­de­nar a ven­da am­bu­lan­te, tra­var o co­mér­cio ile­gal de aces­só­ri­os de vi­a­tu­ras e ou­tros ma­les que afec­tam a se­gu­ran­ça pú­bli­ca», ou se­ja, e re­su­min­do, se­gun­do pa­la­vras do MININT e trans­cri­tas pe­la RFI, «as ope­ra­ções de se­gu­ran­ça não se cir­cuns­cre­vem ape­nas aos com­por­ta­men­tos cri­mi­nais pre­vis­tos na le­gis­la­ção pe­nal, mas a to­das as ou­tras con­du­tas que põem em cau­sa a paz so­ci­al e a qua­li­da­de de vi­da das po­pu­la­ções». Tra­ta-se de uma Ope­ra­ção que o Co­man­dan­te-ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal (PN), Pau­lo de Al­mei­da, ca­rac­te­ri­zou, sim­ples­men­te co­mo «com­ba­ter o cri­me e a imi­gra­ção ile­gal, te­rá um ca­rác­ter “re­pres­si­vo e pe­da­gó­gi­co”». À par­ti­da, tu­do pa­re­ce in­di­car que há uma von­ta­de de re­gu­lar di­ver­sas ac­ti­vi­da­des que, de uma for­ma mais ou me­nos ade­qua­da se pro­ces­sam à mar­gem do que é con­si­de­ra­do co­mo lí­ci­to. Lo­go, pa­re­ce per­ti­nen­te es­ta ope­ra­ção po­li­ci­al. Ain­da que… Ain­da que, quan­do leio e oi­ço, na mes­ma fra­se “re­pres­si­vo e pe­da­gó­gi­co”, fi­que sem­pre de «pé-atrás»… Até por­que, em al­guns ca­sos, ve­ri­fi­ca-se um mo­vi­men­to pou­co apro­pri­a­do e sem qual­quer co­or­de­na­ção de mui­tas pes­so­as, a pra­ti­ca­rem a ven­da am­bu­lan­te, al­guns ca­sos de for­ma sa­ni­ta­ri­a­men­te pou­co sau­dá­vel. Ain­da que… Ain­da que, re­pi­to, quan­do leio e oi­ço, na mes­ma fra­se “re­pres­si­vo e pe­da­gó­gi- co”, fi­que sem­pre de «pé-atrás». Mas… Pos­to is­to, ve­ja­mos co­mo é que o pro­ces­so es­tá a ser tra­ta­do. E é aqui que mui­tos co­me­çam a cri­ti­car o “mo­dus ope­ran­di” das au­to­ri­da­des; se­jam nas pá­gi­nas so­ci­ais – que por nor­ma, são sem­pre do con­tra ou for­te­men­te con­tes­ta­tá­ri­as –, se­ja atra­vés de al­guns ór­gãos de in­for­ma­ção, no­me­a­da­men­te, in­ter­na­ci­o­nais. Orlando Cas­tro, di­rec­tor-ad­jun­to do Fo­lha 8 (Jor­nal que igual­men­te tra­tou e con­ti­nua a tra­tar des­te as­sun­to) na sua aná­li­se pré-ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção des­ta ope­ra­ção po­li­ci­al, an­te­vê, ca­so os mei­os a apli­ca­rem não se­jam os ade­qua­dos à re­a­li­da­de lo­cal e na­ci­o­nal, po­der ex­tra­po­lar pa­ra uma ca­tar­se de con­sequên­ci­as de­ma­si­a­do lar­ga, na­qui­lo que Orlando Cas­tro, no ar­ti­go «“Ope­ra­ção Res­ga­te”; se­rá que es­ta­mos em Maio de 77» aler­ta pa­ra que a ope­ra­ção po­li­ci­al pos­sa des­cam­bar. E es­se tem si­do o mo­te de mui­tas crí­ti­cas. É cer­to que a ope­ra­ção po­li­ci­al só vai, de fac­to e de ju­re, co­me­çar em to­da a ex­ten­são ama­nhã, dia 6 de No­vem­bro. Tal­vez a pen­sa­rem nas co­me­mo­ra­ções do Dia da Di­pan­da, tal­vez, tam­bém a pen­sa­rem na che­ga­da de in­di­vi­du­a­li­da­des in­ter­na­ci­o­nais que se pos­sam ofen­der com a pre­sen­ça de ven­de­do­res am­bu­lan­tes – prin­ci­pal­men­te es­te, por­que os ou­tros, os que cau­sam, efec­ti­va e ha­bi­tu­al­men­te, dis­túr­bi­os nas vi­as pú­bli­cas, são, co­mo se es­pe­ra de­ti­dos e le­va­dos a juí­zo pa­ra as de­vi­das con­de­na-

CO­MAN­DAN­TE-GE­RAL DA PO­LÍ­CIA NA­CI­O­NAL (PN), PAU­LO DE AL­MEI­DA E MI­NIS­TRO DO IN­TE­RI­OR, ÂN­GE­LO DA VEI­GA TA­VA­RES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.