SE­RÁ QUE ES­TA­MOS EM MAIO DE 77?

Folha 8 - - DESTAQUE - TEXTO DE ORLANDO CAS­TRO

A“Ope­ra­ção Resgate”, lan­ça­da no dia 30.10 ofi­ci­al­men­te pe­lo Go­ver­no, vai es­ten­der-se gra­du­al­men­te a to­do o país, ocu­pan­do to­dos os mei­os das for­ças de se­gu­ran­ça, co­me­çou em for­ça no dia 06 de No­vem­bro, por tempo in­de­ter­mi­na­do. Se­rá uma es­pé­cie de pur­ga, de lim­pe­za e ex­tin­ção de angolanos po­bres, de al­go que, aos mais ve­lhos, re­cor­da um te­ne­bro­so dia de 1977. Mais exac­ta­men­te o dia 27 de Maio… A “Ope­ra­ção Resgate” é uma es­pé­cie de “lei mar- ci­al” pa­ra pôr o país em “es­ta­do de sí­tio”, doa a quem do­er. Palavra do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Al­vos? So­bre­tu­do os angolanos e an­go­la­nas po­bres que, jul­gan­do te­rem di­rei­to a vi­ver, tu­do fa­zem pa­ra de for­ma ho­nes­ta ar­ran­jar al­gu­ma coisa pa­ra dar de co­mer aos fi­lhos. O Go­ver­no, mais es­te do que os an­te­ri­o­res – muito mais es­te -, entende que se es­ses angolanos não con­se­guem vi­ver sem co­mer, en­tão não ser­vem pa­ra vi­ver. Co­mo líder de uma cas­ta superior, João Lou­ren­ço entende que é mais fá­cil aca­bar com os po­bres do que aca­bar com a po­bre­za. Via daí, põe no­va­men­te a sua enor­mís­si­ma ra­zão da for­ça nas ru­as pa­ra, sem ape­lo nem agra­vo, man­dar a for­ça a ra­zão pa­ra uma qual­quer va­la comum. Mais uma vez, va­mos as­sis­tir à re­e­di­ção do que o po­e­ta An­tó­nio Ja­cin­to es­cre­veu so­bre os pi­o­res tem­pos do co­lo­ni­a­lis­mo. Ou seja, os angolanos, so­bre­tu­do mu­lhe­res e ho­mens po­bres e de­sem­pre­ga­dos, vão ser var­ri­dos da so­ci­e­da­de e em pa­ga re­ce­be­rão – na me­lhor das hi­pó­te­ses – “des­dém, fu­ba po­dre, pei­xe po­dre, pa­nos ruins, cin­quen­ta an­go­la­res e por­ra­da se re­fi­la­rem”. Des­ta vez, con­tu­do, a di­ta­du­ra po­pu­lis­ta e de­ma­gó­gi­ca de João Lou­ren­ço, te­rá de en­fren­tar a opo­si­ção pa­cí­fi­ca de to­dos qu­an­tos, ape­sar de te­rem al­gu­ma coisa na bar­ri­ga, não es­que­cem os seus ir­mãos que, por ma­ni­fes­ta e cri­mi­no­sa in­ca­pa­ci­da­de e in­com­pe­tên­cia do Go­ver­no, são ge­ra­dos com fo­me, nas­cem com fo­me e mor­rem pou­co de­pois com fo­me. O Po­vo vai sair à rua. Tem de sair à rua. Po­de­re­mos mor­rer de bar­ri­ga va­zia, mas mor­re­mos a lu­tar. Mas, mes­mo mor­ren­do, não se­re­mos der­ro­ta­dos por­que só é derrotado quem deixa de lu­tar. E ha­ve­rá sem­pre vi­vos dis­pos­tos a lu­tar. Lu­tar de for­ma pa­cí­fi­ca… se is­so for pos­sí­vel. Já lá vai um ano. Os or­to­do­xos se­gui­do­res de João Lou­ren­ço (que on­tem, tal co­mo o pró­prio JLO, eram de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos) não con­se­guem dei­xar a to­dos nós angolanos al­go mais do que a pu­ra expressão da co­bar­dia que, en­tre ou­tras coisas, faz com que mi­lhões de angolanos te­nham pou­co ou na­da, e pou­cos te­nham mui­tos mi­lhões.

“OPE­RA­ÇÃO RESGATE”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.