ON­DE AN­DAM AS

Folha 8 - - DESTAQUE -

OSe­cre­ta­ri­a­do do Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA, pa­ra além de sau­dar o iní­cio, no dia 06.11, em to­do o país, da “Ope­ra­ção Resgate”, ape­lou às es­tru­tu­ras in­ter­ve­ni­en­tes no re­fe­ri­do pro­ces­so a cum­pri­rem ri­go­ro­sa­men­te com as nor­mas e prin­cí­pi­os de­fi­ni­dos, pa­ra que se­jam al­can­ça­dos os ob­jec­ti­vos pre­co­ni­za­dos, da es­ta­bi­li­da­de, or­dem e tran­qui­li­da­de. Um ape­lo na­tu­ral quan­do não se tem a cer­te­za, e o MPLA não tem, da trans­pa­rên­cia e da in­te­gri­da­de fun­ci­o­nal des­ta ope­ra­ção. Aliás, o pró­prio co­man­dan­te-ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, Paulo de Almeida, ad­mi­tiu no dia 26 de Ou­tu­bro que vá­ri­os agen­tes po­li­ci­ais pra­ti­cam “bur­las, fal­si­fi­ca­ções e ex­tor­sões a ci­da­dãos”, pro­me­ten­do com­ba­ter as “ba­ta­tas po­dres” no seio da cor­po­ra­ção. Ain­da bem que, ao que pa­re­ce, os che­fes não ar­ma­ze­nam “ba­ta­tas po­dres”. Ou se­rá que há? Re­cor­de-se que Paulo Gas­par de Almeida é ar­gui­do num pro­ces­so que es­tá a ser apre­ci­a­do pe­lo Tribunal Su­pre­mo. O co­mis­sá­rio-chefe Paulo Gas­par de Almeida, foi cons­ti­tuí­do ar­gui­do (pro­ces­so n.º 16/17-DNIAP) por es­bu­lho vi­o­len­to de uma quin­ta de 12 hec­ta­res, em pos­se do cam­po­nês Ar­man­do Manuel, de 71 anos, há qua­se 40 anos. A dis­pu­ta com o en­tão se­gun­do co­man­dan­te-ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal re­mon­ta a 12 de De­zem­bro de 2016. Um des­pa­cho do pro­cu­ra­dor-ge­ral adjunto da Re­pú­bli­ca, Do­min­gos Ba­xe, de Fevereiro des­te ano, ates­ta que “exis­tem nos au­tos in­dí­ci­os mais que su­fi­ci­en­tes que o par­ti­ci­pa­do Co­mis­sá­rio-chefe Paulo Gas­par de Almeida co­me­teu o cri­me de abu­so de po­der (…) ra­zão pe­la qual de­ve­ria ter si­do cons­ti­tuí­do ar­gui­do e ou­vi­do em au­to de in­ter­ro­ga­tó­rio”. Se­gun­do Paulo de Almeida, que fa­la­va du­ran­te uma for­ma­tu­ra dos efec­ti­vos da cor­po­ra­ção no âm­bi­to da “Ope­ra­ção Resgate”, pe­lo me­nos um efec­ti­vo da po­lí­cia angolana, em mé­dia, e “a co­ber­to da far­da”, en­vol­ve-se di­a­ri­a­men­te em ac­ções cri­mi­nais. Paulo de Almeida lem­brou que a ope­ra­ção po­li­ci­al, que co­me­çou à 06.11, e que irá es­ten­der-se a to­do o país, visa es­sen­ci­al­men­te o “resgate do ci­vis­mo, da or­dem, da con­du­ta sã e da dig­ni­da­de”, pe­lo que “a or­dem de­ve co­me­çar no seio da po­lí­cia”, re­co­nhe­cen­do que vá­ri­os agen­tes pra­ti­cam “bur­las, fal­si­fi­ca­ções e ex­tor­sões a ci­da­dãos”. “Estou pre­o­cu­pa­do com o número de po­lí­ci­as en­vol­vi­dos em ac­ções cri­mi­nais. To­das as se­ma­nas, pa­ra não di­zer di­as, re­gis­ta­mos a par­ti­ci­pa­ção de um ou ou­tro agen­te da po­lí­cia en­vol­vi­do em ac­ções cri­mi­nais. Is­so tira-nos a au­to­ri­da­de”, la­men­tou Paulo de Almeida “Re­ti­ra a nos­sa ca­pa­ci­da­de, frus­tra a nos­sa ac­ção. Que­ro aqui di­zer que, em re­pre­sen­ta­ção de to­da a Po­lí­cia do país, te­mos de com­ba­ter es­sas ba­ta­tas po­dres no nosso seio”, adi­an­tou Paulo de Almeida. O co­mis­sá­rio-ge­ral da Po­lí­cia as­se­gu­rou mes­mo a ne­ces­si­da­de de “neu­tra­li­zar agen­tes que, a co­ber­to da far­da, co­me­tem di­a­ri­a­men­te crimes di­ver­sos”, ape­lan­do à “vi­gi­lân­cia” aos agen­tes da po­lí­cia e à so­ci­e­da­de pa­ra que “de­nun­ci­em es­sas prá­ti­cas”. A “Ope­ra­ção Resgate”, se­gun­do as au­to­ri­da­des, visa “re­por a au­to­ri­da­de do Es­ta­do, com­ba­ter o cri­me, a imi­gra­ção ile­gal, trans­gres­sões ad­mi­nis­tra­ti­vas e de­mais prá­ti­cas an­ti-so­ci­ais” e te­rá ca­rác­ter “re­pres­si­vo e pe­da­gó­gi­co”. Pa­ra Paulo de Almeida, se a Po­lí­cia Na­ci­o­nal ten­ci­o­na impor a or­dem, no âm­bi­to des­ta ope­ra­ção, é ne­ces­sá­rio, ini­ci­al­men­te, que os efec­ti­vos da cor­po­ra­ção que tu­te­la “se­jam or­dei­ros e dis­ci­pli­na­dos pa­ra que a ope­ra­ção de­cor­ra sem má­cu­las”. “Não qu­e­re­mos re­a­li­zar uma ope­ra­ção com es­sas man­chas no nosso seio. É preciso que ca­da um seja o vi­gi­lan­te do ou­tro, é preciso que ca­da um iden­ti­fi­que e de­nun­cie aque­les que es­tão com com­por­ta­men­tos mar­gi­nais no nosso seio. É preciso ga­nhar e res­ga­tar a con­fi­an­ça da po­pu­la­ção à po­lí­cia na­ci­o­nal”, exor­tou o ofi­ci­al superior. Du­ran­te a sua in­ter­ven­ção, o co­man­dan­te ge­ral da Po­lí­cia dis­se que há ele­men­tos da cor­po­ra­ção que se de­di­cam à “bur­la e à falsificação”, con­si­de­ran­do que os “ba­tu­quei­ros e pen­te­a­do­res” se­rão “ba­ni­dos da cor­po­ra­ção”. “Não é a ex­tor­são ou o cri- me, que vos vai (efec­ti­vos da Po­lí­cia) dar gló­ri­as ou opor­tu­ni­da­des. As gran­des gló­ri­as vão sair do vos­so em­pe­nho e de­sem­pe­nho”, re­al­çou. Ci­en­te das di­fi­cul­da­des que a Po­lí­cia ain­da en­fren­ta, co­mo a ca­rên­cia de “in­fra-es­tru­tu­ras, de mei­os de lo­co­mo­ção e di­fi­cul­da­des téc­ni­cas e lo­gís­ti­cas”, Paulo de Almeida ad­mi­tiu que as di­fi­cul­da­des “não se­rão su­pe­rá­veis a cur­to pra­zo”. “Mas a nos­sa fir­me­za e de­ter­mi­na­ção vai fa­zer com que nós ul­tra­pas­se­mos is­to. Sem es­for­ço não ha­ve­rá êxi­tos na nos­sa mis­são”, as­se­gu­rou. A “ampla ope­ra­ção”, acres­cen­tou, vai en­vol­ver to­da a so­ci­e­da­de, ór­gãos ju­di­ci­ais, de se­gu­ran­ça, da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e to­dos efec­ti­vos da po­lí­cia na­ci­o­nal. “Se qu­e­re­mos um país prós­pe­ro, se qu­e­re­mos de­sen­vol­ver o país, te­mos de ter se­gu­ran­ça e quem ga­ran­te a se­gu­ran­ça so­mos nós”, re­ma­tou.

SECRETARIADO DO BU­RE­AU PO­LÍ­TI­CO DO MPLA, REUNIDOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.