SÃO TAN­TOS OS

Folha 8 - - DESTAQUE -

OGo­ver­no an­go­la­no ad­mi­tiu no dia 06.11 que o pe­so da re­cei­ta pe­tro­lí­fe­ra no Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) “tor­na re­fém a exe­cu­ção da des­pe­sa e da re­cei­ta”, con­si­de­ran­do que o “fan­tas­ma da dependência pe­tro­lí­fe­ra pre­ci­sa de ser con­ti­nu­a­men­te re­pen­sa­do”. Re­pen­sar os fan­tas­mas é uma boa estratégia que, aliás, re­ve­la que o go­ver­no do MPLA (há 43 anos que Angola só co­nhe­ce go­ver­nos do MPLA) até da pró­pria som­bra tem me­do. É que os fan­tas­mas apa­re­cem em vá­ri­os for­ma­tos e con­fi­gu­ra­ções. Uns surgem na for­ma de Jonas Sa­vim­bi, ou­tros na Isa­bel dos San­tos. Se­gun­do a se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra as Fi­nan­ças e Te­sou­ro de Angola, Ve­ra Da­ves, “é fal­sa” a ideia de que um dó­lar no au­men­to do pre­ço do pe­tró­leo se tra­duz nou­tro dó­lar no au­men­to de li­qui­dez pa­ra o te­sou­ro na­ci­o­nal. “Te­mos cons­ci­ên­cia de que o pe­so da re­cei­ta pe­tro­lí­fe­ra ain­da é muito grande, o que, de al­gu­ma for­ma, tor­na re­fém a exe­cu­ção da des­pe­sa com con­sequên­ci­as pa­ra a boa exe­cu­ção ca­so ha­ja al­te­ra­ção no pre­ço ou na pro­du­ção”, dis­se. E se ela o diz, numa ver­ná­cu­la reprodução das ver­da­des de La Pa­li­ce, é por­que é mes­mo assim. A go­ver­nan­te fa­la­va na abertura de um “workshop” so­bre a sus­ten­ta­bi­li­da­de da dí­vi­da pú­bli­ca, que abor­dou te­mas co­mo o “Im­pac­to do Au­men­to do Pre­ço do Pe­tró­leo na Re­cei­ta Fiscal”, “A Im­ple­men­ta­ção do IVA em Angola” e “A Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca em Angola” di­ri­gi­do aos jor­na­lis­tas. Pa­ra a go­ver­nan­te angolana, o “fan­tas­ma da dependência pe­tro­lí­fe­ra” no país, “com que­das na pro­du­ção, so­bre­tu­do no úl­ti­mo trimestre”, se­gun­do fon­te ofi­ci­al, “pre­ci­sa de ser con­ti­nu­a­men­te re­pen­sa­do sem pôr em cau­sa to­da a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca”. Quem di­ria? Só mes­mo a eloquên­cia e o co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co e prag- má­ti­co de Ve­ra Da­ves per­mi­te che­gar a es­ta con­clu­são. Uma con­clu­são, ou ve­re­dic­to, que nin­guém ti­nha ain­da des­co­ber­to. É obra! Co­men­tan­do os te­mas que de­ram cor­po a es­te “workshop”, que de­cor­reu no au­di­tó­rio do Ministério das Fi­nan­ças, em Lu­an­da, Ve­ra Da­ves fa­lou tam­bém de al­guns “equí­vo­cos” le­van­ta­dos no quadro da vo­la­ti­li­da­de do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal. “Há uma ideia pre­con­ce­bi­da, e com lar­ga mar­gem de erro, de que um dó­lar no au­men­to do pre­ço do pe­tró­leo se tra­duz num dó­lar no au­men­to de li­qui­dez pa­ra o te­sou­ro. Is­so não é bem assim, in­fe­liz­men­te”, sa­li­en­tou. A se­cre­tá­ria de Es­ta­do re­cor­dou tam­bém na sua co­mu­ni­ca­ção que a pro­pos­ta do OGE pa­ra 2019, já em se­de do Parlamento, com receitas e des­pe­sas es­ti­ma­das em mais de 11,3 bi­liões de kwan­zas (cerca de 30 mil mi­lhões de euros), ocor­re na vés­pe­ra do programa de as­sis­tên­cia téc­ni­ca com o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI). “Te­mos to­dos a ple­na cons­ci­ên­cia que a ade­são a um programa des­sa na­tu­re­za en­cer­ra em si um con­jun­to de de­sa­fi­os no que diz res­pei­to às com­po­nen­tes aqui abor­da­das, on­de o FMI tem uma palavra a di­zer”, re­al­çou. Di­ri­gin­do-se aos jor­na­lis­tas pre­sen­tes no encontro, Ve­ra Da­ves re­fe­riu que a ac­tu­a­ção dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al du­ran­te os pró­xi­mos três anos, em que se pers­pec­ti­va as­si­nar a as­sis­tên­cia téc­ni­ca com o FMI, “se­rá ful­cral” pa­ra a in­for­ma­ção con­tí­nua à so­ci­e­da­de. “Se­rão anos exi­gen­tes do pon­to de vis­ta de apli­ca­ção de po­lí­ti­cas, de im­ple­men­ta­ção de me­di­das e de exe­cu­ção do OGE. O FMI acom­pa­nha­rá muito de perto to­das as me­di­das com que o exe­cu­ti­vo se com­pro­me­ter a im­ple­men­tar”, adi­an­tou. “Não são me­di­das no­vas, já as tí­nha­mos em vis­ta, mas te­mos a van­ta­gem de ter al­guém de olho a as­se­gu­rar a sua im­ple­men­ta­ção. Daí que ire­mos pre­ci­sar da ne­ces­sá­ria co­mu­ni­ca­ção com a so­ci­e­da­de”, acres­cen­tou. Po­de­rão, even­tu­al­men­te, os jor­na­lis­tas tam­bém es­tar de “olho” pa­ra as­se­gu­rar o cum­pri­men­tos das pro­mes­sas e das ga­ran­ti­as da­das pe­lo Go­ver­no, ou ape­nas lhes ca­be – co­mo foi en­si­na­do no 1º Cur­so Na­ci­o­nal em Li­de­ran­ça e Ges­tão de Co­mu­ni­ca­ção pa­ra Mudança de Com­por­ta­men­to – ser correia de trans­mis­são dos co­mu­ni­ca­dos e te­ses ofi­ci­ais? Por sua vez, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al de Angola, Cel­so Ma­la­vo­lo­ne­ke, va­lo­ri­zou o ci­clo de for­ma­ção di­ri­gi­do aos jor­na­lis­tas, con­si­de­ran­do ser uma matéria “com­ple­xa”, mas que de­ve ser “des­co­di­fi­ca­da” pa­ra o en­ten­di­men­to da so­ci­e­da­de. “Não é se­gre­do pa­ra nin­guém que a es­pe­ci­a­li­za­ção nas ma­té­ri­as eco­nó­mi­cas ain­da é um dos nos­sos pon­tos fra­cos, en­quan­to pro­fis­si­o­nais da co­mu­ni­ca­ção, não ape­nas por eventual cul­pa dos pro­fis­si­o­nais dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção”, dis­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.