TO­DOS DE­VEM, MAS (CLA­RO!) NEM TO­DOS QUE­REM PA­GAR O

Folha 8 - - SOCIEDADE -

Go­ver­no an­go­la­no in­di­cou no dia 08.11 que vai dar uma mo­ra­tó­ria de no­ve me­ses às em­pre­sas con­tri­buin­tes pa­ra re­gu­la­ri­za­ção vo­lun­tá­ria da dí­vi­da com a se­gu­ran­ça so­ci­al, sob pe­na de a Se­gu­ran­ça So­ci­al pro­ce­der à exe­cu­ção. Novidade? Ne­nhu­ma, em rigor. O que o Exe­cu­ti­vo ago­ra diz é que cons­ta do ar­ti­go 17 da pro­pos­ta de lei que apro­va o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra 2019. Se­gun­do o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra o Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al, Manuel Mo­rei­ra, pa­ra re­gu­la­ri­zar ou amor­ti­zar as dí­vi­das, as em­pre­sas po­dem fa­zer um acor­do de até 60 pres­ta­ções, pre­ven­do a lei que, de­pen­den­do da si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra da em­pre­sa, o acor­do po­de­rá ser alar­ga­do. Numa no­ta de im­pren­sa di­vul­ga­da no 08.11, Manuel Mo­rei­ra es­cla­re­ceu que, nos ca­sos em que a re­gu­la­ri­za­ção da dí­vi­da for fei­ta de for­ma vo­lun­tá­ria, a lei prevê a isen­ção do pa­ga­men­to de to­dos os ju­ros ven­ci­dos, bem co­mo a pres­cri­ção ou ins­pec­ção dos pro­ce­di­men­tos con­tra­ven­ci­o­nais e das mul­tas re­fe­ri­das na dí­vi­da. A Se­gu­ran­ça So­ci­al es­tá a tra­ba­lhar na dí­vi­da de mais de 70 em­pre­sas pú­bli­cas, que são tam­bém as mais de­ve­do­ras, acres­cen­tou, sem as apon­tar. A pro­pos­ta es­tá con­ti­da no Pro­jec­to de Lei de Au­to­ri­za­ção Le­gis­la­ti­va que au­to­ri­za o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca a le­gis­lar so­bre o Re­gi­me Ju­rí­di­co de Re­gu­la­ri­za­ção e Co­bran­ça da Dí­vi­da à Pro­tec­ção So­ci­al Obri­ga­tó­ria. Manuel Mo­rei­ra adi­an­tou que, em ca­so de in­cum­pri­men­to, após o fim do pra­zo de re­gu­la­ri­za­ção vo­lun­tá­ria, as em­pre­sas in­cum­pri­do­ras en­tram no pro­ces­so de exe­cu­ção, li­de­ra­do pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça So­ci­al (INSS). Bes­ti­a­li­da­de bar­ro­ca, pois na ân­sia de impor o au­to­ri­ta­ris­mo, me­nos­pre­za-se a ban­car­ro­ta ge­ral, fa­lên­cia em­pre­sa­ri­al, de­sem­pre­go e não pa­ga­men­to de dí­vi­da, com o en­cer­ra­men­to das em­pre­sas. O se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al re­co­nhe­ceu a exis­tên­cia de vá­ri­as pessoas sin­gu­la­res be­ne­fi­ciá­ri­as ou par­ti­ci­pan­tes da Se­gu­ran­ça So­ci­al que re­ce­bem pen­são in­de­vi­da ou frau­du­len­ta, bem co­mo em­pre­sas ou con­tri­buin­tes que são in­cum­pri­do­res em re­la­ção à obri­ga­ção de pa­gar as con­tri­bui­ções: “As em­pre­sas in­cum­pri­do­ras são dos mais va­ri­a­dos sec­to­res e a Se­gu­ran­ça So­ci­al es­tá a fa­zer um tra­ba­lho exaus­ti­vo pa­ra se cal­cu­lar as dí­vi­das”. Não so­li­ci­tan­do a re­gu­la­ri­za­ção de for­ma vo­lun­tá­ria, acres­cen­tou, a lei prevê que o INSS de­ve exe­cu­tar a dí­vi­da. “Vai pro­du­zir uma cer­ti­dão exe­cu­ti­va da dí­vi­da, que se­rá exe­cu­ta­da com os vá­ri­os ele­men­tos que a lei con­ce­de ao INSS, que vão des­de a pe­nho­ra dos mó­veis e imó­veis à hi­po­te­ca, no sen­ti­do de fa­zer com que a obri­ga­ção da em­pre­sa seja li­qui­da­da por mei­os fi­nan­cei­ros ou não fi­nan­cei­ros”, dis­se. O pro­jec­to foi apro­va­do já nas co­mis­sões de es­pe­ci­a­li­da­de da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, de­ven­do ser dis­cu­ti­do e apro­va­do na ge­ne­ra­li­da­de na ple­ná­ria mar­ca­da pa­ra 21 des­te mês. Na­tu­ral­men­te, num re­gi­me de po­der ab­so­lu­to, os le­gis­la­do­res, vul­go deputados, na mai­o­ria, não bu­ri­lam com as su­as ca­be­ças, mas com a do chefe su­pre­mo, que os po­de pu­nir se an­da­rem em sen­ti­do con­trá­rio a dis­cri­ci­o­na­ri­e­da­de do líder. Daí não es­pan­tar ter, o an­te-pro­jec­to pre­si­den­ci­al, pas­sa­do, na es­pe­ci­a­li­da­de, tal co­mo a fa­ca na man­tei­ga. Dis­tan­tes da re­a­li­da­de, os deputados têm me­do, quan­do de­ve­ri­am ter co­ra­gem de ana­li­sar to­dos ce­ná­ri­os e su­ge­rir as cor­rec­ções que se im­põe, na lei. Não de­ve­ri­am deputados com­pro­me­ti­dos com a Cons­ti­tui­ção, le­gis­lar de olhos ven­da­dos, pa­ra agra­dar o po­der exe­cu­ti­vo, cu­ja sub­ti­le­za co­er­ci­ti­va, im­põe o te­mor ao úni­co ór­gão de Es­ta­do, gu­ar­dião da von­ta­de so­be­ra­na dos elei­to­res de ajo­e­lhar e re­zar aos de­síg­ni­os do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo. A efi­cá­cia des­ta lei, po­de es­tar com­pro­me­ti­da, à nas­cen­ça, por não vi­su­a­li­zar o con­tex­to eco­nó­mi­co e de cri­se vi­ven­ci­a­do pe­lo país, te­sou­ra­ria pú­bli­ca e em­pre­sas, fa­ce não só a con­jun­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal, co­mo a má ges­tão do erá­rio de to­dos nós. Obri­gar, ame­a­çan­do os ge­ra­do­res de em­pre­go, a um acor­do com a cor­da ao pes­co­ço, po­de­rá ter um efei­to con­trá­rio e, mui­tas se­rão ar­ras­ta­das pa­ra a fa­lên­cia e, ac­to con­tí­nuo, mi­lha­res de tra­ba­lha­do­res se­rão lan­ça­dos ao de­sem­pre­go, uma vez a cri­se atin­gir pro­du­to­res e con­su­mi­do­res. Os deputados de­ve­ri­am ter ci­ên­cia que, ac­tu­al­men­te, a res­pon­sa­bi­li­da­de do pa­ga­men­to do IRT, fun­da­men­tal pa­ra a re­for­ma fu­tu­ra dos tra­ba­lha­do­res, re­pou­sa num es­for­ço her­cú­leo das em­pre­sas (8%) e dos tra­ba­lha­do­res (3%), quan­do, o Es­ta­do de­ve­ria avo­car, pa­ra si, nes­ta fa­se de cri­se, uma par­ce­la de res­pon­sa­bi­li­da­de ou a isen­ção fiscal, a quem ga­ran­tis­se es­se di­rei­to ao tra­ba­lha­dor, que in­jec­ta­rá di­nhei­ro fres­co, nos co­fres do Es­ta­do. Por tu­do is­so, a ne­go­ci­a­ção é sem­pre mais efi­caz do que a in­ti­mi­da­ção, a co­er­ção e o au­to­ri­ta­ris­mo eco­nó­mi­co pú­bli­co. Mas em to­do es­te ce­ná­rio, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do as­se­gu­rou que es­tá a ser fei­to um tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção pa­ra que as em­pre­sas to­mem cons­ci­ên­cia da ne­ces­si­da­de da con­tri­bui­ção so­ci­al. “É is­so que dá equi­lí­brio à Se­gu­ran­ça So­ci­al. Pre­ci­sa­mos de ter a re­la­ção do pa­ga­men­to da pen­são com a equi­li­bra­da. As que não pro­ce­de­rem des­ta maneira, o exe­cu­ti­vo tem me­ca­nis­mos pa­ra po­der exe­cu­tar as em­pre­sas”, sa­li­en­tou. Manuel Mo­rei­ra re­fe­riu que a pro­pos­ta de lei es­ta­be­le­ce que a exe­cu­ção da dí­vi­da é abran­gen­te até aos só­ci­os e ges­to­res das em­pre­sas. A ideia, pre­ci­sou, é ter uma se­gu­ran­ça so­ci­al “mais dig­na, equi­li­bra­da e tran­qui­la” pa­ra os seus be­ne­fi­ciá­ri­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.