ASSIM O GO­VER­NO APÓS A POS­SE O

Folha 8 - - INTERNACIONAL -

u o ca­pi­tão reformado Jair Bol­so­na­ro não es­pe­ra­va ga­nhar as elei­ções ou é um po­lí­ti­co ir­res­pon­sá­vel. Nes­ses pri­mei­ros dez di­as após a vitória, o pre­si­den­te elei­to já deu su­fi­ci­en­tes de­mons­tra­ções de to­tal des­pre­pa­ro e de falta de um programa de go­ver­no. Ati­ran­do ba­las per­di­das pa­ra to­do la­do, Bol­so­na­ro já dei­xou cla­ro, pa­ra quem ain­da ti­nha al­gu­ma dúvida, que não tem a me­nor ideia de co­mo vai go­ver­nar es­te país de 208 mi­lhões de ha­bi­tan­tes e 12,5 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos. Se con­ti­nu­ar nes­ta su­ces­são de tra­pa­lha­das, re­cu­os, di­tos e des­di­tos, cri­an­do, fun­din­do e fe­chan­do mi­nis­té­ri­os, ar­ru­man­do ini­mi­gos mun­do afo­ra, vai pa­ra­li­sar o go­ver­no fe­de­ral lo­go após a sua pos­se. Es­ta é a nua e crua ver­da­de dos fa­tos. O res­to é mar­ke­ting de es­pe­cu­la­ção e in­dús­tria de fa­ke news, co­mo se o elei­to ain­da es­ti­ves­se em cam­pa­nha, cer­ca­do por fi­lhos, áu­li­cos e meia dú­zia de mi­li­ta­res de pi­ja­ma. Em sua pri­mei­ra in­cur­são pe­lo po­der em Bra­sí­lia, pa­re­cia um ho­mem assustado, des­con­fi­a­do, olhan­do pa­ra os la­dos e pa­ra o al­to, co­mo se te­mes­se no­vo aten­ta­do ou a che­ga­da de um dis­co vo­a­dor. Re­ve­lou vi­sí­vel di­fi­cul­da­de e des­con­for­to pa­ra res­pon­der a per­gun­tas de jor­na­lis­tas so­bre qual­quer as­sun­to, sim­ples­men­te por­que até ago­ra não con­se­guiu definir pri­o­ri­da­des e um programa mí­ni­mo de go­ver­no pa­ra os pri­mei­ros 100 di­as. So­bre o seu pri­mei­ro dia de go­ver­no, dis­pa­rou lo­go ce­do nes­ta quin­ta-fei­ra um Twit­ter pa­ra anun­ci­ar que vai abrir a “cai­xa pre­ta” do BNDES, um dos mai­o­res ban­cos de de­sen­vol­vi­men­to do mun­do, cri­a­do há 52 anos por Ge­tú­lio Var­gas. O que ele quer com is­so, des­mo­ra­li­zar o ban­co? Na vés­pe­ra, tam­bém pe­lo Twit­ter, de­ci­diu fe­char o Ministério do Tra­ba­lho, sem di­zer o que fa­rá com as se­cre­ta­ri­as sec­to­ri­ais que cui­dam de em­pre­go, pro­tec­ção ao tra­ba­lha­dor, com­ba­te ao tra­ba­lho es­cra­vo, en­tre ou­tras mui­tas atri­bui­ções, nem pa­ra on­de irão seus fun­ci­o­ná­ri­os de car­rei­ra. Co­mo se fos­se um Trump tro­pi­cal, dis­pa­ra no­vas men­sa­gens pe­lo Twit­ter pa­ra no­me­ar ou des­no­me­ar mi­nis­tros ou anun­ci­ar me­di­das no va­re­jo do im­pro­vi­so, co­mo mu­dar a em­bai­xa­da em Is­ra­el pa­ra Je­ru­sa­lém. A tro­co de quê? O que o Bra­sil ga­nha com is­so? En­tre um encontro e ou­tro com mi­nis­tros mi­li­ta­res, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e o do STF, o no­vo pre­si­den­te sol­tou mais um no­me pa­ra o seu ministério, o da Agricultura, apre­sen­ta­do co­mo com­pe­ten­te téc­ni­ca do sec­tor, uma agró­no­ma. Na ver­da­de, tra­ta-se da deputada Te­re­sa Cris­ti­na, do DEM, uma fa­zen­dei­ra do Ma­to Gros­so do Sul, in­di­ca­da pe­la Fren­te Par­la­men­tar da Agro­pe­cuá­ria, mais conhecida co­mo ban­ca­da do boi ou ru­ra­lis­ta, a mai­or do Con­gres­so Na­ci­o­nal, que do­mi­na o Cen­trão. Te­re­sa Cris­ti­na tam­bém é conhecida na Câ­ma­ra co­mo “musa do veneno”, grande de­fen­so­ra da li­be­ra­li­za­ção de agro­tó­xi­cos na agricultura, que es­te­ve com Bol­so­na­ro, se­ma­nas atrás, no bun­ker da Bar­ra da Ti­ju­ca. Não po­de­ria ter es­co­lhi­do nin­guém me­lhor pa­ra si­na­li­zar o que o no­vo go­ver­no pre­ten­de fa­zer nes­ta área. Pa­ra o Ministério do Meio Am­bi­en­te, que ele de­sis­tiu de jun­tar com a Agri­cul­tu- ra, tam­bém pro­me­te no­me­ar um “téc­ni­co”, Po­de-se ima­gi­nar o que vem por aí. Ofus­ca­do pe­los superministros Paulo Gu­e­des e Sérgio Mo­ro, que não pa­ram de dar en­tre­vis­tas, Bol­so­na­ro ten­ta cri­ar fac­tos no­vos pa­ra ocu­par a mí­dia e as re­des so­ci­ais, mas a ca­da in­ter­ven­ção só au­men­ta a ba­ra­fun­da à sua vol­ta e as in­cer­te­zas so­bre o no­vo go­ver­no. Até ago­ra, nin­guém sa­be co­mo vai fi­car a Es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os, que vai pre­ci­sar de mui­tos ca­miões de mu­dan­ças, sem que até ago­ra se sai­ba qu­an­to o país irá eco­no­mi­zar com os cor­tes de mi­nis­té­ri­os. De 15 ini­ci­al­men­te pre­vis­tos, os so­bre­vi­ven­tes já pas­sa­ram pa­ra 18, por en­quan­to. Nunca se viu ta­ma­nha bal­búr­dia numa tran­si­ção de go­ver­no des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção. Até a da­ta da di­plo­ma­ção do pre­si­den­te elei­to cau­sou trans­tor­nos por­que ele tem no­va ci­rur­gia do in­tes­ti­no mar­ca­da pa­ra o dia 12 de De­zem­bro, em São Paulo. Aca­bou fi­can­do pa­ra o dia 10, jus­ta­men­te a da­ta em que se co­me­mo­ra a De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Direitos Hu­ma­nos. Tu­do a ver. Além dos pro­ble­mas in­ter­nos que já cri­ou pa­ra a fu­tu­ra go­ver­na­bi­li­da­de, nes­tes pou­cos di­as, Bol­so­na­ro pro­du­ziu atri­tos com Chi­na, Ve­ne­zu­e­la, Cu­ba, paí­ses ára­bes, Brics e Mer­co­sul. E, com tu­do is­so, continua a cam­pa­nha de “pra fren­te Bra­sil”, ago­ra vai, nas re­des so­ci­ais, acu­san­do de pes­si­mis­tas ver­me­lhos quem não es­tá tor­cen­do pa­ra o go­ver­no dar cer­to “por­que es­ta­mos to­dos no mes­mo barco”. De que adi­an­ta tor­cer, se o barco é fu­ra­do, o ti­me é mam­bem­be e o téc­ni­co pa­re­ce mais per­di­do do que ca­chor­ro em dia de mudança? Acre­di­tem: a tra­gé­dia que se avi­zi­nha do dia do jo­go pa­ra va­ler é ta­ma­nha que já tem muita gen­te em­bar­can­do no “Fi­ca, Te­mer!”. Pen­san­do bem, dos ma­les o me­nor. Es­se, pe­lo me­nos, a gen­te já co­nhe­ce. O ou­tro, que vai as­su­mir, é uma bom­ba re­ló­gio pres­tes a ex­plo­dir a qual­quer mo­men­to, mais im­pre­vi­sí­vel do que a “cai­xa pre­ta” do BNDES. Pe­las pri­mei­ras amos­tras da no­va or­dem, a im­pres­são que se tem é a de um ban­do de pa­tos de­sar­ran­ja­dos per­di­dos no Pla­nal­to Cen­tral e na Bar­ra da Ti­ju­ca em bus­ca de abri­go. Fal­tam ape­nas 54 di­as pa­ra a pos­se. Me­lhor já aper­tar os cin­tos. Vi­da que se­gue. *Jornalista

O PRE­SI­DEN­TE ELEI­TO, JAIR BOL­SO­NA­RO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.