O ÚL­TI­MO A SA­BER?

Folha 8 - - CRONICA - À REDACÇÃO

ti­ve de João Lou­ren­ço, que con­ti­nu­ou de­pois a tra­ba­lhar”, re­la­tou Luís Fer­nan­do. “Não li, mas dou-te os pa­ra­béns”, te­rá di­to – se­gun­do o autor – o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço. An­tes dis­se­ra: “Mas tu es­cre­ves­te um li­vro so­bre mim?”. Te­ria si­do ex­ce­len­te se, na mes­ma frase, dis­ses­se que não sa­bia da exis­tên­cia do li­vro mas que o ti­nha li­do. Não era Luís Fer­nan­do? “Bom, is­to é uma re­por­ta­gem ele­men­tar. Fa­ço ques­tão dis­so. Já dis­se que qual­quer en­vi­a­do es­pe­ci­al [jornalista] que te­nha acom­pa­nha­do o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca nas su­as mui­tas des­lo­ca­ções, tan­to pa­ra o in­te­ri­or [do país] co­mo pa­ra o es­tran­gei­ro, po­de­ria ter escrito es­te li­vro. É in­for­ma­ção pú­bli­ca, ape­nas tra­ba­lha­da”, acres­cen­tou Luís Fer­nan­do. Se­gun­do Luís Fer­nan­do, 57 anos, na­tu­ral da al­deia de To­mes­sa, na pro­vín­cia do Uí­ge, o li­vro tem co­mo fi­na­li­da­de “fi­xar me­mó­ri­as, tão sim­ples qu­an­to is­so”. “É fi­xar me­mó­ri­as, pois é uma ver­ten­te que me tem in­te­res­sa­do nos úl­ti­mos tem­pos. Comecei com “Me­mó­ri­as da Tran­si­ção” [De Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos a João Lou­ren­ço], em que acom­pa­nhei a cam­pa­nha eleitoral. É um ti­po de li­te­ra­tu­ra com bas­tan­te aceitação, as pessoas que­rem sa­ber e pre­ci­sam de se do­cu­men­tar”, ex­pli­cou. Pa­ra o autor, que foi jornalista des­de os 17 anos e que, após as elei­ções pre­si­den­ci­ais de Agos­to de 2017, foi con­vi­da­do pa­ra o car­go por João Lou­ren­ço, os angolanos que­rem co­nhe­cer o que se pas­sa den­tro do Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al, na Ci­da­de Al­ta, em Lu­an­da. “A ideia é abrir, em pri­mei­ro lugar, o Pa­lá­cio às pessoas, aos angolanos. O Pa­lá­cio re­pre­sen­ta o centro po­lí­ti­co do po­der em Angola e, des­de que o país se tor­nou in­de­pen­den­te [em 1975], nin­guém sa­be o que é o Pa­lá­cio, as su­as ver­ten­tes mais gerais, quem lá tra­ba­lha, o que se faz, co­mo é o dia-a-dia”, ex­pli­cou. “Ob­vi­a­men­te que não são ques­tões que re­ve­lam segredos de Es­ta­do. São os acon­te­ci­men­tos pú­bli­cos, que eu ape­nas tra­to, dan­do-lhe uma ca­pa ro­man­ce­a­da, se qui­ser, e é is­to que eu con­to. Con­to as vi­a­gens, co­mo se pre­pa­ra­ram, quais as pe­ri­pé­ci­as, etc.. Não é um li­vro ex­tra­or­di­ná­rio, é um li­vro nor­ma­lís­si­mo”, re­fe­riu. E POR FA­LAR EM ME­MÓ­RIA No­vem­bro de 2008. A banca angolana de jornais ia pas­sar a con­tar com um no­vo tí­tu­lo, O País, que pro­me­tia ser “im­par­ci­al e ri­go­ro­so” no tra­ta­men­to das no­tí­ci­as, A garantia foi da­da no lan­ça­men­to, em Lu­an­da, pe­lo res­pec­ti­vo director, Luís Fer­nan­do. “Im­par­ci­al e ri­go­ro­so”? Não es­ta­va mal. Aliás, per­gun­tá­mos na al­tu­ra, quem me­lhor do que o Luís Fer­nan­do, um jornalista que le­va ao fa­na­tis­mo o seu amor (ou se­ria ou­tra coisa?) pe­lo MPLA, pa­ra di­ri­gir um se­ma­ná­rio “im­par­ci­al e ri­go­ro­so”? Sim, quem? Numa ce­ri­mó­nia cur­ta, re­a­li­za­da em Ta­la­to­na, e em que es­te­ve pre­sen­te (co­mo não po­de­ria dei­xar de ser) o vi­ce-mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, Miguel Wad­jim­bi (um dos ter­ro­res da cha­ci­na do 27 de Maio de 1977), Luís Fer­nan­do pro­me­teu “im­par­ci­a­li­da­de e rigor no tra­ta­men­to da notícia”. Aliás, a “im­par­ci­a­li­da­de e rigor” são a co­lu­na ver­te­bral do ma­nu­al do MPLA, o úni­co ad­mis­sí­vel num país (eu sei que há ou­tros) que continua a con­fun­dir as es­qui­nas da vi­da com a vi­da nas es­qui­nas. Luís Fer­nan­do, que já fo­ra director do diário es­ta­tal, ór­gão ofi­ci­al do MPLA, Jor­nal de Angola, des­ta­cou ain­da o em­pe­nho da redacção, que in­te­gra jor­na­lis­tas por­tu­gue­ses e angolanos, al­guns des­tes re­cru­ta­dos nou­tros tí­tu­los da im­pren­sa angolana. Em­pe­nho é, aliás, coisa que não falta a to­dos aque­les que em Angola, co­mo nou­tros paí­ses, pre­ci­sam de se des­cal­çar pa­ra con­ta­rem até 12. Em­pe­nho, sub­ser­vi­ên­cia e cli­en­te­lis­mo que, mais uma vez, vai pros­ti­tuir o Jor­na­lis­mo e ama­men­tar to­dos aque­les pa­ra­si­tas que, em vez de da­rem voz a quem a não tem (is­so é que é Jor­na­lis­mo), vão am­pli­ar os la­ti­dos dos do­nos, dos che­fes e si­mi­la­res. Is­to foi escrito em No­vem­bro de 2008. “O se­ma­ná­rio O País vai ser um jor­nal de re­fe­rên­cia na im­pren­sa angolana”, ga­ran­tiu Luís Fer­nan­do. Co­mo en­tão es­cre­ve­mos, “cá es­ta­mos, sen­ta­dos, pa­ra ver se, mais uma vez, re­fe­rên­cia não vai ri­mar com sub­ser­vi­ên­cia… e mui­tos dó­la­res.” Ri­mou e de que maneira. ME­MÓ­RI­AS RE­CEN­TES... Pe­la mão de Luís Fer­nan­do, o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço im­ple­men­tou uma estratégia de mai­or apro­xi­ma­ção com a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al: uma “en­tre­vis­ta co­lec­ti­va”. A pe­ri­o­di­ci­da­de des­tes en­con­tros se­ria se­ma­nal? Men­sal? Se­mes­tral? Não. Anu­al. Co­mo ates­ta­do de ma­tum­bez e me­no­ri­da­de in­te­lec­tu­al pas­sa­do aos jor­na­lis­tas é ge­ni­al. O anún­cio da en­tre­vis­ta co­lec­ti­va, aber­ta a to­dos os ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al nacionais e es­tran­gei­ros, foi fei­to pe­lo se­cre­tá­rio pa­ra os As­sun­tos de Co­mu­ni­ca­ção Ins­ti­tu­ci­o­nal e de Im­pren­sa do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Luís Fer­nan­do. Na sua de­cla­ra­ção, Luís Fer­nan­do re­fe­riu que as fu­tu­ras en­tre­vis­tas, que o chefe de Es­ta­do an­go­la­no prevê te­nha uma pe­ri­o­di­ci­da­de anu­al, têm o pro­pó­si­to de per­mi­tir que a agenda pú­bli­ca do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca te­nha um me­lhor acom­pa­nha­men­to e atenção da im­pren­sa. Com uma pe­ri­o­di­ci­da­de anu­al não es­tá mal… Nem Paul Jo­seph Go­eb­bels, Mi­nis­tro alemão da Pro­pa­gan­da na Alemanha Na­zi en­tre 1933 e 1945, te­ria uma ideia tão… bri­lhan­te, tão exac­ta do que o MPLA pen­sa dos jor­na­lis­tas. “É nosso pro­pó­si­to, e den­tro de um es­ti­lo are­ja­do, próximo e de grande in­clu­são, que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca im­pri­me pa­ra o seu man­da­to, es­ta­be­le­cer­mos es­sa pon­te hu­ma­ni­za­da en­tre os que fa­ze­mos vi­da pro­fis­si­o­nal e ser­vi­mos a pá­tria no in­te­ri­or das paredes e sa­lões do pa­lá­cio pre­si­den­ci­al e to­dos vós que pa­ra lá des­tes li­mi­tes dão o me­lhor à pro­fis­são jor­na­lís­ti­ca e à mis­são de in­for­mar o grande pú­bli­co so­bre os ac­tos da go­ver­na­ção”, dis­se Luís Fer­nan­do. A en­tra­da pa­ra o “Guin­ness Bo­ok”, sec­ção de ane­do­tas, foi di­rec­ta. É que, pa­ra além da ca­len­da­ri­za­ção anu­al, a jus­ti­fi­ca­ção poé­ti­ca do se­cre­tá­rio pa­ra os As­sun­tos de Co­mu­ni­ca­ção Ins­ti­tu­ci­o­nal e de Im­pren­sa do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca mos­tra o ele­va­do ní­vel in­te­lec­tu­al e prag­má­ti­co dos as­ses­so­res de João Lou­ren­ço.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.