RES­GA­TAR O PAÍS DA RE­PRES­SÃO GO­VER­NA­MEN­TAL

Folha 8 - - CRONICA -

A« Ope­ra­ção Trans­pa­rên­cia» di­rec­ci­o­na­da à ex­trac­ção ile­gal de di­a­man­tes no país res­va­lou em vi­o­la­ções gra­ves ao di­rei­to à imi­gra­ção e in­te­gri­da­de fí­si­ca, am­bos direitos hu­ma­nos, com re­la­tos de mor­tes in­clu­si­ve, e tam­bém des­ta­pou um dos es­que­mas de frau­de eleitoral pra­ti­ca­do pe­lo MPLA, se­gun­do acu­sa­ção de in­di­ví­du­os que exi­bi­ram car­tões de elei­to­res e de mem­bros do re­fe­ri­do par­ti­do. Ra­pi­da­men­te a RDC pro­nun­ci­ou-se em de­fe­sa dos seus ci­da­dãos es­cor­ra­ça­dos sem ob­ser­vân­cia dos seus direitos – pois há quem pen­se que imi­gran­te não os tem -, e o Al­to Co­mis­sa­ri­a­do da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos con­de­nou as ac­ções do go­ver­no an­go­la­no. Es­ta­va a ins­ta­lar-se uma tensão in­ter­na­ci­o­nal. Sem con­cluir es­ta ope­ra­ção, pois não há ain­da um re­la­tó­rio exaus­ti­vo co­mo si­nal de “trans­pa­rên­cia”, e muito me­nos in­di­ci­a­dos ex­plo­ra­do­res ile­gais de di­a­man­tes de al­to co­tur­no – en­tre os quais ge­ne­rais e co­man­dan­tes pro­vin­ci­ais da PN -, o Exe­cu­ti­vo de João Lou­ren­ço cri­ou mais uma ope­ra­ção com um no­me bo­ni­to - «Ope­ra­ção Resgate». Es­ta ope­ra­ção mais pa­re­ce uma manobra for­ça­da pa­ra aba­far a an­te­ri­or da qual, rei­te­ro, ain­da não foi fei­to um re­la­tó­rio exaus­ti­vo e es­ta­va a ge­rar uma tensão in­ter­na­ci­o­nal, tan­to que até a Eu­ro­news des­ta­cou as denúncias su­pra­ci­ta­das. Ti­ran­do es­sa des­con­fi­an­ça, o pro­pó­si­to des­ta ope­ra­ção é positivo, daí o seu no­me apro­pri­a­do. Po­rém, fa­lha na sua estratégia es­tru­tu­ral. A es­tru­tu­ra da ope­ra­ção con­sis­te numa estratégia da pi­râ­mi­de. Foi pen­sa­da, de­li­ne­a­da e es­tá a ser apli­ca­da a par­tir do Pa­lá­cio, ou seja, de ci­ma pa­ra bai­xo, e tem co­mo rosto o mi­nis­tro do In­te­ri­or que é cons­ti­tu­ci­o­nal e ma­te­ri­al­men­te um au­xi­li­ar do chefe do Exe­cu­ti­vo João Lou­ren­ço. A es­tru­tu­ra te­ria de fun­dar-se, pen­so, numa estratégia da pi­râ­mi­de in­ver­ti­da, sim­ples­men­te de bai­xo pa­ra ci­ma. De ci­ma pa­ra bai­xo, co­mo foi es­tru­tu­ra­da, es­ta­mos pe­ran­te o sem­pre pen­sa­men­to úni­co pa­ra re­so­lu­ção de pro­ble­mas múl­ti­plos e que têm a gé­ne­se tam­bém em cau­sas múl­ti­plas. Es­sa mul­ti­pli­ci­da­de de cau­sas e pro­ble­mas é ra­zão mais do que su­fi­ci­en­te pa­ra que a es­tru­tu­ra fos­se diferente. A FALTA DAS AU­TAR­QUI­AS De bai­xo pa­ra ci­ma pres­su­põe que se­ri­am as ad­mi­nis­tra­ções co­mu­nais, ou as mu­ni­ci­pais, a es­tru­tu­ra­rem e a im­ple­men­ta­rem uma estratégia de resgate dos va­lo­res éti­cos e cul­tu­rais ata­can­do as cau­sas. É assim que se evi­den­cia a falta das au­tar­qui­as, pois cons­ti­tu­ci­o­nal e ma­te­ri­al­men­te têm a ta­re­fa de tra­ba­lhar com os mu­ní­ci­pes lo­cais em prol do de­sen­vol­vi­men­to da au­tar­quia, e o sa­ne­a­men­to bá­si­co e ar­re­ca­da­ção de receitas se tor­na in­dis­pen­sá­vel à agenda au­tár­qui­ca. PO­LÍ­CIA CO­MO ROSTO DA OPE­RA­ÇÃO A uti­li­za­ção da po­lí­cia, em sen­ti­do am­plo, é uma das ca­rac­te­rís­ti­cas do pen­sa­men­to úni­co. Des­de sem­pre, o go­ver­no de­po­si­ta a sua cren­ça nos ór­gãos re­pres­si­vos pa­ra li­dar com pro­ble­mas so­ci­ais, mes­mo quan­do não im­pli­cam in­frac­ções pe­nais, ou cri­mi­na­li­zan­do pri­mei­ro pa­ra em se­gui­da jus­ti­fi­car a for­ça. É assim que ve­mos e ou­vi­mos os co­man­dan­tes po­li­ci­ais ora sim, ora tam­bém, fa­zen­do de­cla­ra­ções so­bre o es­ta­do de apli­ca­ção das or­dens su­pe­ri­o­res. A in­ti­mi­da­ção e re­pres­são são as ca­rac­te­rís­ti­cas da po­lí­cia, o que con­tra­ria o “resgate de va­lo­res” que visa a ope­ra­ção, vis­to que ne­nhum “va­lor” cul­tu­ral, pes­so­al ou fi­lo­só­fi­co é res­tau­ra­do – vá lá, res­ga­ta­do – por meio da for­ça, e a expressão-cli­ché “ba­ter não edu­ca” é apro­pri­a­da. Em seus dis­cur­sos, ofi­ci­ais su­pe­ri­o­res e co­mis­sá­ri­os têm de­cla­ra­do que a po­lí­cia es­tá a adop­tar um papel de sen­si­bi­li­za­ção. É im­por­tan­te que seja en­fa­ti­za­da es­se com­po­nen­te – sen­si­bi­li­zar -, pois a po­lí­cia tam­bém tem es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de, que se en­qua­dra na pre­ven­ção. Mas num país on­de até “on­tem” a re­pres­são sur­gia an­tes de tu­do, per­gun­ta-se co­mo os agen­tes no ter­re­no vão apli­car uma abor­da­gem que ape­nas “on­tem” ou­vi­ram, mas não apren­de­ram. REPATRIAMENTO DE CA­PI­TAIS É ine­gá­vel que a «Ope­ra­ção Resgate» re­ti­ra­rá as fon­tes de so­bre­vi­vên­cia de mi­lha­res de ci­da­dãos. Os que ne­gam es­se fac­to ar­gu- men­tam que as zun­guei­ras e zun­guei­ros, ro­bo­tei­ros e la­va­do­res de car­ros, can­ti­nei­ros e lo­ta­do­res, etc, pra­ti­cam as res­pec­ti­vas actividades por­que que­rem, co­mo se fos­se plau­sí­vel um in­di­ví­duo com ou­tras opções ven­der ga­so­sa e água na rua cor­ren­do atrás dos car­ros e fu­gin­do os agen­tes com o seu por­re­te e me­tra­lha­do­ras apon­ta­das à sua ca­be­ça. Sen­do que o ín­di­ce de de­sem­pre­go é superior a 60 por cen­to (INE, 2014, p. 27) – e no­te­mos que de 2014 a 2018 o de­sem­pre­go au­men­tou -, en­tão é cer­to que es­tes, ao lhes ser res­trin­gi­do o li­vre exer­cí­cio das su­as actividades, jun­tar-se-ão em massa a uma das du­as opções: cri­mi­na­li­da­de ou sui­cí­dio. Fa­ta­lis­ta, di­rão uns. Mas é o es­pe­ra­do, e exem­pli­fi­co. Aque­les jo­vens la­va­do­res de car­ros e lo­ta­do­res de can­don­guei­ros que, pe­las ca­rac­te­rís­ti­cas pe­cu­li­a­res da sua ac­ti­vi­da­de, es­tão di­a­ri­a­men­te numa fron­tei­ra té­nue com a delinquência, ob­vi­a­men­te que op­ta­rão pe­lo que lhes é fa­mi­li­ar. Do sui­cí­dio ape­nas im­por­ta re­fe­rir que é bas­tan­te des­cu­ra­do ao pon­to de não exis­tir dados es­ta­tís­ti­cos, mas têm ocor­ri­do com frequên­cia e tal­vez só por is­so se com­pre­en­da o anún­cio de cons­tru­ção de mais dois ce­mi­té­ri­os em Lu­an­da, mes­mo sem sa­lá­rio pa­ra co­vei­ros há sete me­ses. Po­rém, a re­si­li­ên­cia angolana é dig­na de exal­ta­ção, pe­se em­bo­ra con­tri­buir imen­so à le­tar­gia par­ti­ci­pa­ti­va. Den­tre as di­fi­cul­da­des em con­ce­der em­prés­ti­mos ban­cá­ri­os es­tá tam­bém a falta de li­qui­dez – e uns es­tão a fe­char bal­cões nes­se mo­men­to. Daí que a pro­pos­ta do en­ge­nhei­ro An­tó­nio Ve­nân­cio de­ve­ria ser es­cu­ta­da. O pro­fes­sor es­ta­be­le­ce uma re­la­ção en­tre o pro­ces­so de repatriamento de ca­pi­tais e a «Ope­ra­ção Resgate», ao di­zer que es­ta “ope­ra­ção es­tá des­vir­tu­a­da no tempo”, e con­cor­do. Se há uma inequí­vo­ca ne­ces­si­da­de de os ga­tu­nos re­pa­tri­a­rem o di­nhei­ro rou­ba­do, e se há de fac­to um pro­ces­so em cur­so nes­se sen­ti­do, en­tão pri­mei­ro se de­via con­cluir es­sa fa­se pa­ra que es­te di­nhei­ro, ao ser in­ves­ti­do in­ter­na­men­te – e em­prés­ti­mo com ga­ran­ti­as tam­bém é in­ves­ti­men­to -, cri­a­ria pos­tos de tra­ba­lho. Ou efec­ti­va­men­te o repatriamento não acon­te­ce­rá, co­mo creio, e tal­vez o go­ver­no co­me­ça a ter tam­bém dú­vi­das de que ocor­ra, e por is­so não fin­ge se­quer que ha­ve­rá in­ves­ti­men­to pri­va­do na­ci­o­nal. Uma pe­que­na amos­tra do fi­as­co des­se pro­ces­so é Ál­va­ro So­bri­nho. Re­cen­te­men­te fez, co­mo man­dam as re­gras do par­ti­do, acu­sa­ções de to­do fei­tio ao an­ti­go do­no-disto-tu­do-e-ar­re­do­res e seus se­qua­zes, en­tre os quais os ge­ne­rais Di­no e Ko­pe­li­pa. As­su­miu que tra­ria o di­nhei­ro pa­ra in­ves­tir no país. Pas­sa­do es­se tempo, não só ne­nhum in­ves­ti­men­to fez, co­mo lhe foi per­mi­ti­do vol­tar a ser o PCA no seu ban­co Va­lor, o que mais pa­re­ce um pa­ga­men­to pe­lo ser­vi­ço pres­ta­do ao gru­po do no­vo do­no-disto-tu­do-e-ar­re­do­res. Em jei­to de con­clu­são, a «Ope­ra­ção Resgate» co­li­de di­rec­ta­men­te com o ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.