ADOLFO MA­RIA APRE­SEN­TA “O QUE FALTA” EM LISBOA

LI­TE­RA­TU­RA

Folha 8 - - CULTURA - O na­ci­o­na­lis­ta an­go­la­no Adolfo Ma­ria exi­la­do em Lisboa, apre­sen­tou a 7 de No­vem­bro, o po­e­má­rio in­ti­tu­la­do “O que falta” na se­de da União das Ci­da­des Ca­pi­tais de Língua Por­tu­gue­sa (UCCLA), em Lisboa (Por­tu­gal). A obra tem a chan­ce­la das Edi­ções Co­li­bri.

Aa­ber­tu­ra do li­vro de po­e­mas, Adolfo Ma­ria, escreve fu­gaz­men­te “quan­do al­guém es­te­ve em­pe­nha­do em com­ba­tes pe­la dig­ni­da­de hu­ma­na, es­pe- ram-se de­le es­cri­tos ou dis­cur­sos de aná­li­se, de­nún­cia, en­co­ra­ja­men­to em vez de po­e­mas,” de­di­lha o autor. Se­gun­do ain­da o autor, “su­ce­deu que, nes­sa lu­ta con­tra a opres­são das pessoas e dos po­vos (du­ros com­ba­tes fí­si­cos e psí­qui­cos!), a mi- nha sen­si­bi­li­da­de cap­ta­va os so­fri­men­tos e es­pe­ran­ças, a men­te não dei­xa­va de ques­ti­o­nar a re­a­li­da­de que fui en­con­tran­do e vi­ven­do. Por vezes re­gis­tei em pro­sa e mais ra­ra­men­te em ver­so o que sen­tia e pen­sa­va. Ago­ra, che­guei a uma fa­se da vi­da on­de o es­pa­ço da ac­ção es­tá na­tu­ral­men­te su­plan­ta­do pe­lo da me­di­ta­ção, o que pro­pi­cia momentos de es­cri­ta sob a for­ma de po­e­mas, numa von­ta­de de fa­lar a quem pro­cu­ra sen­tir o mun­do (fa­lar de... exí­lio, amor, sau­da­de,” re­ma­ta o na­ci­o­na­lis­ta Adolfo Ma­ria. Nes­te li­vro, Adolfo Ma­ria fa­la do mun­do e das gen­tes e des­ven­da-se, atra­vés de po­e­mas, numa cen­te­na de pá­gi­nas, di­vi­di­das pe­los te­mas: do Exí­lio, do Amor, da Sau­da­de, da Mu­lher, da Me­di­ta­ção, da Fi­ni­tu­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.