TEN­SÃO EN­TRE SÓ­CI­OS

Folha 8 - - DESTAQUE -

O ca­so da Galp é em­ble­má­ti­co do mo­men­to de ten­são en­tre a em­pre­sá­ria e os altos res­pon­sá­veis do seu país e ain­da es­tá por co­nhe­cer-se o re­al im­pac­to des­te divórcio pa­ra a pe­tro­lí­fe­ra por­tu­gue­sa, on­de o Es­ta­do por­tu­guês con­ser­va uma po­si­ção de 7,48%%, atra­vés da Par­pú­bli­ca. De­pois de ter si­do exo­ne­ra­da da pre­si­dên­cia da Sonangol, em No­vem­bro de 2017, a em­pre­sá­ria e o no­vo lí­der da pe­tro­lí­fe­ra es­ta­tal an­go­la­na, Carlos Sa­tur­ni­no, en­vol­ve­ram-se nu­ma tro­ca de acu­sa­ções em tor­no do pa­ga­men­to de di­vi­den­dos. Se­gun­do o Ex­pres­so, a Sonangol quei­xa-se que nun­ca re­ce­beu 438 mi­lhões de eu­ros que a Galp te­rá pa­go à Es­pe­ra­za, a tí­tu­lo de di­vi­den­dos re­la­ti­vos ao pe­río­do en­tre 2012 e 2016. A Es­pe­ra­za é a so­ci­e­da­de ho­lan­de­sa par­ti­lha­da en­tre a Sonangol (60%) e a fi­lha do ex-pre­si­den­te an­go­la­no (40%) que tem 45% da Amo­rim Ener­gia. Es­ta so­ci­e­da­de, igual­men­te re­gis­ta­da na Ho­lan­da, tem 33,34% da Galp e é con­tro­la­da pe­las des­cen­den­tes de Amé­ri­co Amo­rim, com 55% do ca­pi­tal. Se a Sonangol diz que não tem re­gis­to dos pa­ga­men­tos de di­vi­den­dos, Isa­bel dos San­tos afir­mou no Twit­ter que a Sonangol não só re­ce­beu os di­vi­den­dos da Galp, co­mo “pa­gou os im­pos­tos re­fe­ren­tes aos mes­mos di­vi­den­dos às au­to­ri­da­des ho­lan­de­sas”. Além das po­lé­mi­cas em tor­no dos di­vi­den­dos, a as­sun­ção pú­bli­ca de que a par­ti­ci­pa­ção na Galp dei­xou de ser con­si­de- ra­da es­tra­té­gi­ca pe­lo Es­ta­do an­go­la­no co­lo­ca a em­pre­sa por­tu­gue­sa na ber­lin­da, já que ine­vi­ta­vel­men­te te­rá de ser su­jei­ta a uma re­com­po­si­ção ac­ci­o­nis­ta. Me­nos po­lé­mi­ca na apa­rên­cia é a par­ce­ria que Isa­bel dos San­tos es­ta­be­le­ceu com a So­nae, pa­ra fun­dir a Zon e a Op­ti­mus e cri­ar a Nos. “É uma par­ce­ria ir­re­pre­en­sí­vel. Os par­cei­ros sem­pre es­ti­ve­ram mui­to ali­nha­dos”, afir­mou à Reu­ters o chi­ef cor­po­ra­te cen­ter of­fi­cer (CCCO) do gru­po por­tu­guês, Luís Reis, no dia se­guin­te ao da exo­ne­ra­ção de Isa­bel dos San­tos do car­go de pre­si­den­te da Sonangol (em No­vem­bro de 2017). No en­tan­to, o his­to­ri­al com­pro­va que a re­la­ção não es­te­ve isen­ta de mo­men­tos de so­bres­sal­to. Co­mo quan­do, em Se­tem­bro de 2015, a em­pre­sá­ria e o gru­po por­tu­guês rom­pe­ram a par­ce­ria que ti­nham pa­ra o mer­ca­do an­go­la­no e Isa­bel dos San­tos re­sol­veu tro­car os hi­per­mer­ca­dos Con­ti­nen­te por uma re­de pró­pria de hi­per­mer­ca­dos Can­dan­do, re­cru­tan­do, pa­ra a cons­truir, dois qua­dros da So­nae. Ou co­mo ain­da an­tes, em No­vem­bro de 2014, quan­do a ope­ra­do­ra bra­si­lei­ra Oi da­va si­nais de que­rer ven­der a PT Por­tu­gal à Al­ti­ce, a em­pre­sá­ria avan­çou so­zi­nha com um co­mu­ni­ca­do em no­me da ZOPT (a so­ci­e­da­de que de­tém em par­tes iguais com a So­nae e que con­tro­la o ca­pi­tal da Nos) que sur­pre­en­deu tu­do e to­dos. Ne­le afir­ma­va que es­ta en­ti­da­de “e os seus ac­ci­o­nis­tas, na qua­li­da­de de in­ves­ti­do­res es­tra­té­gi­cos e com­pro­me­ti­dos com o mer­ca­do de te­le­co­mu­ni­ca­ções por­tu­guês” ma­ni­fes­ta­vam “a sua dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra integrar uma so­lu­ção” que pro­mo­ves­se “a de­fe­sa do in­te­res­se na­ci­o­nal”. Com par­cei­ros por­tu­gue­ses, mas já sem o apoio do Es­ta­do an­go­la­no, Isa­bel dos San­tos man­tém-se na Efa­cec, on­de en­trou em 2015, as­so­ci­a­da à ENDE, com a com­pra de 65%. Em Agos­to, a em­pre­sá­ria con­fir­mou uma or­dem de João Lou­ren­ço pa­ra que a ENDE saís­se do ca­pi­tal e as ac­ções da em­pre­sa seriam “ven­di­das no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal”. Fal­ta sa­ber a quem.

Se a Sonangol diz que não tem re­gis­to dos pa­ga­men­tos de di­vi­den­dos, Isa­bel dos San­tos afir­mou no Twit­ter que a Sonangol não só re­ce­beu os di­vi­den­dos

EM­PRE­SÁ­RIA ISA­BEL DOS SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.