CAP­TAR IN­VES­TI­MEN­TOS QUOTA DE MER­CA­DO

Folha 8 - - DESTAQUE -

Ao PÚ­BLI­CO, o eco­no­mis­ta an­go­la­no Ma­nu­el Al­ves da Ro­cha afir­ma que An­go­la “não po­de con­ti­nu­ar a ser o re­cep­tá­cu­lo de ex­por­ta­ções por­tu­gue­sas de bens pri­má­ri­os pa­ra os quais exis­tem con­di­ções na­tu­rais e téc­ni­cas pa­ra se­rem pro­du­zi­dos lo­cal­men­te”. “O que eu gos­ta­ria que acon­te­ces­se era que os em­pre­sá­ri­os por­tu­gue­ses, em vez de le­va­rem mer­ca­do­ri­as pa­ra An­go­la, le­vas­sem in­ves­ti­men­tos, tec­no­lo­gia, know-how pa­ra se pro­du­zi­rem lo­cal­men­te os bens que são im­por­ta­dos de Por­tu­gal”, diz. Na en­tre­vis­ta que deu ao Ex­pres­so, o Pre­si­den­te de An­go­la foi bas­tan­te cla­ro ao afir­mar que quer “ca­ti­var os in­ves­ti­men­tos pri­va­dos por­tu­gue­ses em to­das as áre­as que for pos­sí­vel”. “Mas”, su­bli­nhou, “es­tou a re­fe­rir-me a in­ves­ti­do­res e não a co­mer­ci­an­tes, não aque­les que quei­ram ape­nas ven­der coi­sas a An­go­la”. Ac­tu­al­men­te, Por­tu­gal já tem vá­ri­os in­ves­ti­men­tos fo­ra do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, atra­vés de pe­que­nas e gran­des em­pre­sas (cer­ca de 400 ao to­do, pas­san­do por áre­as co­mo ban­ca, cons­tru­ção ou co­mér­cio). No ano pas­sa­do, de acor- do com os da­dos do Ban­co de Por­tu­gal di­vul­ga­dos em Ou­tu­bro, o flu­xo de in­ves­ti­men­to di­rec­to em An­go­la foi ne­ga­ti­vo em 131 mi­lhões de eu­ros. Nu­ma aná­li­se sec­to­ri­al per­ce­be-se que foi o sec­tor da cons­tru­ção ci­vil quem pe­na­li­zou o re­sul­ta­do, com -165 mi­lhões de eu­ros, en­quan­to as in­dús­tri­as trans­for­ma­do­ras con­tri­buí­ram de for­ma po­si­ti­va com 41 mi­lhões. O pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Co­mér­cio e In­dús­tria Por­tu­gal-an­go­la (CCIPA), João Tra­ça, não tem dú­vi­das de que Por­tu­gal de­ve apos­tar mais em An­go­la. Es­te, diz, “é um país com fu­tu­ro e é dis­so que os em­pre­sá­ri­os ne­ces­si­tam de se cons­ci­en­ci­a­li­zar”. As cri­ses, re­fe­re o ad­vo­ga­do da Mi­ran­da & Associados, aca­bam por con­ver­ter-se “em mo­men­tos de cres­ci­men­to e nes­sas al­tu­ras, aque­les que me­lhor an­te­ci­pa­ram as opor­tu­ni­da­des es­tão em melhores con­di­ções”. Qu­es­ti­o­na­do so­bre o pro­ble­ma das dí­vi­das em atra­so, de­vi­do à crise que o país atra­ves­sa, João Tra­ça diz que o seu pa­ga­men­to “é cer­ta­men­te um fac­tor adi­ci­o­nal pa­ra os em­pre­sá­ri­os ga­nha­rem mais con­fi­an­ça pa­ra re­a­li­za­rem os seus in­ves­ti­men­tos”. Na sequên­cia da vi­si­ta do pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês a Luanda, em Se­tem­bro, o Es­ta­do an­go­la­no re­co­nhe­ceu cer­ca de 390 mi­lhões de eu­ros de dí­vi­das em atra­so, dos quais só 90 mi­lhões. Em en­tre­vis­ta por es­cri­to ao DN, o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, afir­mou que o va­lor das dí­vi­das cer­ti­fi­ca­das é ago­ra de 200 mi­lhões, e di­zem res­pei­to a 24 em­pre­sas (cons­tru­ção e ser­vi­ços). Des­te va­lor, 40% já foi re­gu­la­ri­za­do e o res­tan­te se­rá “ain­da es­te ano”. Fonte: ai­cep Por­tu­gal Glo­bal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.