GENERAL JLO CO­MAN­DA ATA­QUE AOS MARIMBONDOS

Folha 8 - - DESTAQUE -

OPre­si­den­te João Lou­ren­ço, ad­mi­tiu em Lisboa que já sen­te “as pi­ca­de­las” dos afec­ta­dos pe­lo com­ba­te à cor­rup­ção, mas ga­ran­tiu que “is­so não nos vai ma­tar” e vin­cou que “so­mos mi­lhões e con­tra mi­lhões nin­guém com­ba­te”. En­quan­to vi­ce-pre­si­den­te do MPLA e mi­nis­tro da De­fe­sa dor­mia na ig­no­rân­cia? Pe­los vis­tos, sim. Acor­dou quan­do che­gou a Pre­si­den­te da Re­pú­bli- ca… “Quan­do nos pro­pu­se­mos a com­ba­ter a cor­rup­ção em An­go­la, tí­nha­mos no­ção de que pre­ci­sá­va­mos de ter mui­ta co­ra­gem, sa­bía­mos que es­tá­va­mos a me­xer no ni­nho do ma­rim­bon­do, que é a de­sig­na­ção, nu­ma das nos­sas lín­guas na­ci­o­nais, do ter­mi­nal da ves­pa”, dis­se João Lou­ren­ço, res­pon­den­do a uma per­gun­ta, no Pa­lá­cio de Be­lém, em Lisboa, so­bre se a ques­tão do re­pa­tri­a­men­to de ca­pi­tais – ili­ci­ta­men­te trans­fe­ri­dos pa­ra o ex­te- ri­or – não se as­se­me­lha a `brin­car com o fogo`. “Tí­nha­mos no­ção de que es­tá­va­mos a me­xer no ma­rim­bon­do e que po­día­mos ser pi­ca­dos, já co­me­çá­mos a sen­tir as pi­ca­de­las, mas is­so não nos vai ma­tar, não é por is­so que va­mos recuar, é pre­ci­so des­truir o ni­nho do ma­rim­bon­do”, vin­cou o go­ver­nan­te, de­pois de se ter es­cu­sa­do a co­men­tar as crí­ti­cas do an­ti­go Pre­si­den­te e seu men­tor po­lí­ti­co e par­ti­dá­rio, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, e da em­pre­sá­ria Isa­bel dos San­tos, fei­tas no dia 21.11. É cer­to que en­quan­to vi­ce-pre­si­den­te do MPLA e, en­tre mui­tos ou­tros car­gos de re­le­vo, mi­nis­tro da De­fe­sa, João Lou­ren­ço co­man­da­va o exér­ci­to de marimbondos e não dei­xa­va que nin­guém se apro­xi­mas­se. Mas, co­mo tu­do na vi­da, mu­dam-se os tem­pos, mu­dam-se os in­te­res­ses. Daí a ma­tar o seu cri­a­dor foi um pas­so. Pas­so corajoso? Nem por is­so. Até por­que o es­tá a apu­nha­lar pe­las… cos­tas. Na res­pos­ta à ques­tão so­bre a ten­ta­ti­va de re­pa­tri­ar os ca­pi­tais ile- gal­men­te re­ti­ra­dos de An­go­la, João Lou­ren­ço afir­mou: “Quan­tos marimbondos exis­tem nes­se ni­nho, não são mui­tos, de­vo di­zer; An­go­la tem 28 mi­lhões de pes­so­as, mas não há 28 mi­lhões de cor­rup­tos, o nú­me­ro é bas­tan­te re­du­zi­do e há uma ex­pres­são na po­lí­ti­ca an­go­la­na que diz que `so­mos mi­lhões e con­tra mi­lhões nin­guém com­ba­te`”. Ten­tan­do mos­trar que tem o po­vo ao seu la­do na lu­ta con­tra a cor­rup­ção, João Lou­ren­ço ter­mi­nou a res­pos­ta di-

zen­do: “Nin­guém pen­se que, por mui­tos re­cur­sos que te­nha, de to­do o ti­po, con­se­gue en­fren­tar os mi­lhões que so­mos, por­tan­to não te­mos me­do de brin­car com o fogo, va­mos con­ti­nu­ar a brin­car com ele, com a no­ção de que va­mos man­tê-lo sem­pre sob con­tro­lo”. A ex­pres­são “brin­car com o fogo” foi co­lo­ca­da pe­lo jor­na­lis­ta por­tu­guês que fez a per­gun­ta so­bre as con­sequên­ci­as do re­pa­tri­a­men­to de ca­pi­tais, mas foi lar­ga­men­te apro­vei­ta­da por João Lou­ren­ço, que ini­ci­ou a res­pos­ta di­zen­do: “Se es­ta­mos a brin­car com o fogo, te­mos no­ção das con­sequên­ci­as des­ta brin­ca­dei­ra; o fogo quei­ma, im­por­tan­te é man­tê-lo sob con­tro­lo, não dei­xar que ele se alas­tre e aca­be por se trans­for­mar num gran­de incêndio”. Nes­te con­tex­to, o Pre­si­den­te con­vi­dou os em­pre­sá­ri­os por­tu­gue­ses (cer­ta­men­te tam­bém a ní­vel de… bom­bei­ros) a in­ves­ti­rem em An­go­la pa­ra apro­vei­tar o “gran­de po­ten­ci­al” que o país tem nou­tras áre­as que não o pe­tró­leo, di­zen­do “con­tar sin­ce­ra­men­te com o con­tri­bu­to” dos em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais. “An­go­la vive uma no­va fa­se com im­por­tan­tes re­for­mas que vêm sen­do fei­tas em di­ver­sos do­mí­ni­os e com in­te­res­se em di­ver­si­fi­car a sua eco­no­mia”, acres­cen­tou o che­fe de Es­ta­do, Pre­si­den­te do MPLA (par­ti­do no po­der des­de 1975) e Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo e – por “ine­rên­cia” – co­man­dan­te do ba­ta­lhão de ca­ça aos marimbondos e dos bom­bei­ros. “Ao fa­lar da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, não po­de­mos de for­ma ne­nhu­ma dei­xar de con­tar com a in­ter­ven­ção de Por­tu­gal; dos em­pre­sá­ri­os por­tu­gue­ses, gos­ta­ría­mos de vê-los em for­ça em An­go­la, in­ves­tin­do nos mais di­fe­ren­tes do­mí­ni­os da nos­sa eco­no­mia e não ape­nas na­que­la que cons­ti­tui a prin­ci­pal fonte de re­cei­tas de An­go­la, que mais con­tri­bui pa­ra o PIB, que é o pe­tró­leo”, dis­se o che­fe de Es­ta­do. João Lou­ren­ço ad­mi­tiu que gos­ta­ria de “es­que­cer que o pe­tró­leo exis­te” – An­go­la é o se­gun­do mai­or pro­du­tor de pe­tró­leo em África – e de­fen­deu que a eco­no­mia de­ve apos­tar nou­tros sec­to­res da eco­no­mia “E pa­ra is­so An­go­la tem gran­de po­ten­ci­al, em ou­tras áre­as que es­tão ador­me­ci­das e pa­ra le­van­tar do es­ta­do de le­tar­gia em que se en­con­tra, conta- mos sin­ce­ra­men­te com o con­tri­bu­to dos ho­mens de ne­gó­cio por­tu­gue­ses”, dis­se. Por sua vez o Pre­si­den­te Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa anun­ci­ou que Por­tu­gal e An­go­la vão as­si­nar acor­dos nas áre­as da educação, saú­de, cul­tu­ra, jus­ti­ça, eco­no­mia e fi­nan­ças e dis­se es­pe­rar que “sir­vam ne­ces­si­da­des con­cre­tas dos po­vos”. “Os políticos ser­vem os Es­ta­dos pa­ra ser­vi­rem os po­vos. Por is­so, é bom que os acor­dos a ce­le­brar na educação, na saú­de, na cul­tu­ra, na jus­ti­ça, na eco­no­mia, nas fi­nan­ças, sir­vam ne­ces­si­da­des con­cre­tas dos po­vos”, afir­mou. “Por is­so, é bom que o em­pe­nho na cons­tru­ção de atrac­ti­vo am­bi­en­te em­pre­sa­ri­al e na di­ver­si­fi­ca­ção e des­cen­tra­li­za­ção eco­nó­mi­cas re­for­cem as le­gí­ti­mas ex­pec­ta­ti­vas dos po­vos”, acres­cen­tou o che­fe de Es­ta­do por­tu­guês.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.