AFI­NAL QUEM É O LA­DRÃO?

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DE ORLANDO CAS­TRO E DO­MIN­GOS KAMBUNJI (NOS EUA)

Oex- Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ne­gou no dia 21.11 não ter dei­xa­do a Pre­si­dên­cia com os co­fres va­zi­os, ga­ran­tin­do que dei­xou pe­lo me­nos 15 mil mi­lhões de dó­la­res ao exe­cu­ti­vo que lhe su­ce­deu, ou se­ja a João Lou­ren­ço, con­tra­ri­a­men­te às de­cla­ra­ções do seu su­ces­sor. É ca­so pa­ra per­gun­tar: Afi­nal quem é o la­drão? Fi­gu­ras pró­xi­mas de Edu­ar­do dos San­tos ad­mi­tem que o ex-pre­si­den­te “se­rá pre­so ou até mes­mo as­sas­si­na­do num qual­quer aten­ta­do for­ja­do”.

“Não dei­xei os co­fres do Es­ta­do va­zi­os. Em Se­tem­bro de 2017, na pas­sa­gem de testemunho, dei­xei 15 mil mi­lhões de dó­la­res no Ban­co Na­ci­o­nal de an­go­la co­mo re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais lí­qui­das a car­go do um ges­tor que era o go­ver­na­dor do BNA sob ori­en­ta­ção do Go­ver­no”, dis­se Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Nu­ma de­cla­ra­ção aos jor­na­lis­tas sem di­rei­to a per­gun­tas, na se­de da Fun­da­ção Edu­ar­do dos San­tos, em Luanda, o an­ti­go Pre­si­den­te afir­mou a ne­ces­si­da­de de “pres­tar al­guns es­cla­re­ci­men­tos” so­bre a for­ma co­mo con­du­ziu a coi­sa pú­bli­ca du­ran­te os 38 anos de Go­ver­no. Nu­ma en­tre­vis­ta, no sá­ba­do, ao jornal por­tu­guês Ex­pres­so, o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço dis­se que quan­do as­su­miu o po­der en­con­trou os co­fres va­zi­os ou a se­rem es­va­zia- dos. Se­gun­do Edu­ar­do dos San­tos, o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do é apro­va­do pe­la Assembleia Na­ci­o­nal e to­das as re­cei­tas e des­pe­sas do Es­ta­do de­vem es­tar obri­ga­to­ri­a­men­te ins­cri­tas. “O OGE de 2017 ti­nha um dé­fi­ce de 6% e a co­ber­tu­ra des­se dé­fi­ce era su­por­ta­da com a ven­da de tí­tu­los do te­sou­ro aos ban­cos co­mer­ci­ais, dí­vi­da que ti­nha de se pa­gar mais tar­de com ju­ros e o di­nhei­ro de­po­si­ta­do no te­sou­ro”, jus­ti­fi­cou Edu­ar­do dos San­tos. João Lou­ren­ço tam­bém cri­ti­cou a for­ma co­mo o seu an­te­ces­sor pro­ce­deu na fa­se de tran­si­ção do po­der, di­zen­do que não hou­ve uma “ver­da­dei­ra pas­sa­gem de pas­ta”, o que o obri­gou, nos pri- mei­ros me­ses no Pa­lá­cio da Ci­da­de Al­ta, a um tra­ba­lho re­do­bra­do pa­ra se in­tei­rar da re­al si­tu­a­ção do país. “Es­pe­ra­va uma ver­da­dei­ra pas­sa­gem de pas­ta em que me fos­se da­do a co­nhe­cer os gran­des dos­si­ês do país e is­so, de fac­to, não acon­te­ceu”, la­men­tou João Lou­ren­ço, que apro­vei­tou ain­da pa­ra di­zer que es­se mo­men­to de tran­si­ção foi quan­do se deu conta da “anor­ma­li­da­de” dos úl­ti­mos ac­tos do ex-pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. “Anor­ma­li­da­de” que, con­ve­ni­en­te­men­te, pas­sou ao la­do de João Lou­ren­ço que, sen­do uma virgem ino­cen­te, na­da no­tou mes­mo sen­do mi­nis­tro da De­fe­sa de Edu­ar­do dos San­tos e vi- ce-pre­si­den­te do MPLA. Quem qui­ser po­de acre­di­tar, ob­vi­a­men­te. Co­mo o Folha 8 es­cre­veu no pas­sa­do dia 17 no ar­ti­go “Rep­to di­rec­to a Dos San­tos – Me­ta a bo­ca no trom­bo­ne”, João Lou­ren­ço tam­bém de­sa­fi­ou Edu­ar­do dos San­tos a de­nun­ci­ar os cor­rup­tos e os trai­do­res da pá­tria. A res­pos­ta foi ain­da par­ce­lar. Di­ga­mos que foi um ape­ri­ti­vo, sen­do que na emen­ta prin­ci­pal, “cu­jo dos­si­er es­tá pron­to e na mão de vá­ri­as pes­so­as, al­gu­mas a vi­ver fo­ra de An­go­la” – se­gun­do dis­se ao F8 uma fonte pró­xi­ma de JES, cons­ta uma lis­ta­gem “com­ple­ta e do­cu­men­ta­da dos trai­do­res e cor­rup­tos”. “Co­mo vo­cês (Folha 8) es­cre­ve­ram é cla­ro que João Lou­ren­ço apos­tou

tu­do em pas­sar a ima­gem, in­ter­na e ex­ter­na­men­te, de po­lí­ti­co im­po­lu­to, ín­te­gro e ho­no­rá­vel que na­da tem a ver com trai­do­res ou cor­rup­tos”, dis­se ao F8 um dos ge­ne­rais da “ve­lha-guar­da” que se man­tém fi­el a Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Um ou­to in­con­di­ci­o­nal de JES que, aliás, in­te­grou o go­ver­no em que João Lou­ren­ço foi mi­nis­tro da De­fe­sa, acre­di­ta que “os no­vos di­ri­gen­tes do MPLA, as­sim co­mo os ve­lhos que es­tão a pôr a bar­ba de mo­lho e a ajo­e­lhar-se pe­ran­te o no­vo pre­si­den­te, vão ten­tar ca­lar Edu­ar­do dos San­tos, evi­tan­do que ele re­ve­le tu­do o que sa­be”. Mas quem são es­ses “ve­lhos”? “São qu­a­se to­dos os que ago­ra in­te­gram o sé­qui­to do no­vo pre­si­den­te, e que têm (tal co­mo tem João Lou­ren­ço) ra­bos-de-pa­lha que nun­ca mais aca­bam”, re­fe­re a mes­ma fonte, ad­mi­tin­do que Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos “cor­re mes­mo pe­ri­go de vi­da”. “CD”, ex-em­bai­xa­dor de An­go­la num país europeu, dis­se ao Folha 8 que “tam­bém acre­di­ta que pos­sam pren­der, ou até ma­tar, Edu­ar­do dos San­tos, uti­li­zan­do pa­ra is­so qual­quer ma­no­bra de di­ver­são em que o MPLA é pe­ri­to, co­mo se­ja um aten­ta­do pas­sí­vel de ser atri­buí­do a uma re­vol­ta po­pu­lar e que, des­sa for­ma, ain­da dê a João Lou­ren­ço o ró­tu­lo do es­ta­dis­ta que tu­do fez mas não con­se­guiu evi­tar a tra­gé­dia”. Se dú­vi­das exis­tis­sem, as mais re­cen­tes afir­ma­ções de João Lou­ren­ço con­fir­mam que ele ras­gou o acor­do de com­pro­mis­so ne­go­ci­a­do com Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Mas, tal co­mo Folha 8 já re­ve­la­ra em 22 de No­vem­bro de 2017, Dos San­tos tem mui­tas có­pi­as (al­gu­mas es­pa­lha­das por vá­ri­os areó­pa­gos) de um enor­me dos­si­er “top se­cret” de… João Lou­ren­ço.

EX-PRE­SI­DEN­TE DA RE­PÚ­BLI­CA, JO­SÉ EDU­AR­DO DOS SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.