UM PAS­SO HIS­TÓ­RI­CO PA­RA POR­TU­GUE­SES E AN­GO­LA­NOS

Folha 8 - - DESTAQUE -

Um for­te dis­po­si­ti­vo de se­gu­ran­ça mar­cou a che­ga­da do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço a Lisboa, a sua pri­mei­ra vi­si­ta de Es­ta­do a Por­tu­gal. An­tó­nio Cos­ta con­si­de­ra que a vi­si­ta do Pre­si­den­te com­ple­ta “um ci­clo de nor­ma­li­za­ção das re­la­ções” e Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa es­pe­ra que Por­tu­gal e An­go­la es­te­jam à al­tu­ra do “de­sa­fio his­tó­ri­co”. A che­ga­da do che­fe de Es­ta­do ao ho­tel no cen­tro da ca­pi­tal por­tu­gue­sa fi­cou mar­ca­da por um for­te aparato de se­gu­ran­ça jun­to do es­ta­be­le­ci­men­to e que en­vol­veu du­as de­ze­nas de ope­ra­ci­o­nais da Uni­da­de Es­pe­ci­al de Po- lí­cia (UEP) que blo­que­a­ram os aces­sos ao ho­tel, à che­ga­da de João Lou­ren­ço. Com o Pre­si­den­te an­go­la­no vi­a­jou uma co­mi­ti­va dis­tri­buí­da por cer­ca de 20 veí­cu­los de apoio. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la, João Lou­ren­ço, ini­ci­ou dia 22.11 a sua pri­mei­ra vi­si­ta de Es­ta­do a Por­tu­gal. Do pro­gra­ma de três di­as cons­ta­ram des­lo­ca­ções ao Por­to e à ba­se na­val do Al­fei­te, além de Lisboa, sen­do a pri­mei­ra des­lo­ca­ção ofi­ci­al a Por­tu­gal de um che­fe de Es­ta­do an­go­la­no em pra­ti­ca­men­te dez anos. Em Fe­ve­rei­ro de 2009, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, en­tão Pre­si­den­te, foi re­ce­bi­do em Por­tu­gal pe­lo che­fe de Es­ta­do, Ca­va­co Sil­va, que um ano de­pois, em Ju­lho de 2010, re­tri­buiu a des­lo­ca­ção e vi­a­jou pa­ra Luanda. Os dois che­fes de Es­ta­do acor­da­ram en­tão as ba­ses de uma par­ce­ria es­tra­té­gi­ca que nun­ca saiu do pa­pel, em gran­de me­di­da de­vi­do ao des­con­for­to de An­go­la com as in­ves­ti­ga­ções da Jus­ti­ça, em Por­tu­gal, a ele­men­tos da eli­te an­go­la­na, pró­xi­mos de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. A cris­pa­ção su­biu de tom em 2017, ao avan­çar a acu­sa­ção em Por­tu­gal con­tra Ma­nu­el Vi­cen­te, à da­ta vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la, por sus­pei­tas de cor­rup­ção so­bre um ma­gis­tra­do por­tu­guês, quan­do era pre­si­den­te da pe­tro­lí­fe­ra Sonangol. O de­sa­nu­vi­a­men­to das re­la­ções en­tre os dois paí­ses, e do epi­só­dio que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo o “ir­ri­tan­te”, só che­gou em Maio des­te ano, com o Tri­bu­nal da Re­la­ção de Lisboa a en­vi­ar o pro­ces­so de Ma­nu­el Vi­cen­te, que ago­ra é de­pu­ta­do, pa­ra as au­to­ri­da­des ju­di­ciá­ri­as an­go­la­nas, co­mo era pre­ten­são do pró­prio che­fe de Es­ta­do. Além do che­fe de Es­ta­do e da pri­mei­ra-da­ma, Ana Di­as Lou­ren­ço, a de­le­ga­ção de an­go­la­na in­te­grou vá­ri­os mi­nis­tros, com a pers­pec­ti­va de as­si­na­tu­ra de acor­dos bi­la­te­rais. A vi­si­ta de Es­ta­do de João Lou­ren­ço co­me­çou em Be­lém, com ce­ri­mó­ni­as mi­li­ta­res e a de­po­si­ção de uma co­roa de flo­res no tú­mu­lo de Luís de Ca­mões, an­tes de uma vi­si­ta gui­a­da ao Mos­tei­ro dos Je­ró­ni­mos. O che­fe do Es­ta­do an­go­la­no e o pre­si­den­te do Par­la­men­to, Fer­ro Rodrigues, dis­cur­sam nu­ma ses­são so­le­ne da Assembleia da Re­pú­bli­ca e João Lou­ren­ço foi de­pois pa­ra a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lisboa, on­de re­ce­beu a cha­ve da ci­da­de das mãos do pre­si­den­te da au­tar­quia, Fer­nan­do Me­di­na. No dia 23.11, o Pre­si­den­te foi re­ce­bi­do no Por­to pe­las au­to­ri­da­des lo­cais an­tes de dis­cur­sar no Fórum Eco­nó­mi­co e Em­pre­sa­ri­al Por­tu­gal/an­go­la, tal co­mo o pri­mei­ro-mi­nis­tro. Na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Por­to João Lou­ren­ço re­ce­beu das mãos de Rui Mo­rei­ra as cha­ves da ci­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.