QUE TAL PRO­MO­VER O LI­XO A “EX-LÍBRIS” DE LUANDA?

Folha 8 - - DESTAQUE -

OGo­ver­no da pro­vín­cia de Luanda ad­mi­te que de­ve cer­ca de 60 mil mi­lhões de kwan­zas (170 mi­lhões de eu­ros) às ope­ra­do­ras que efec­tu­am a lim­pe­za na ca­pi­tal an­go­la­na, si­tu­a­ção que es­tá a “di­fi­cul­tar nor­mal fun­ci­o­na­men­to” das em­pre­sas na re­co­lha do li­xo. Con­fir­ma-se que não bas­ta mu­dar de go­ver­na­dor, é pre­ci­so mu­dar de… go­ver­no. Res­pon­den­do às pre­o­cu­pa­ções so­bre os “enor­mes acu­mu­la­dos de li­xo em vá­ri­os pon­tos da pro­vín­cia”, o di­rec­tor do ga­bi­ne­te do Am­bi­en­te, Ges­tão de Re­sí­du­os e Ser­vi­ços Co­mu­ni­tá­ri­os do Go­ver­no de Luanda, Tchi­no de Sousa, ar­gu­men­tou que o mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to do sis­te­ma “não fun­ci­o­nou”. No en­tan­to, de acor­do com o res­pon­sá­vel, a si­tu­a­ção “es­tá con­tro­la­da” e de­ri­va de um “atra­so no pa­ga­men­to de 10 me­ses às ope­ra­do­ras”. “Nem to­dos os mu­ní­ci­pes pa­gam re­gu­lar­men­te a ta­xa, te­mos uma dí­vi­da de apro­xi­ma­da­men­te 60.000 mi­lhões de kwan­zas e men­sal­men­te ar­re­ca­da­mos cer­ca de 100 mi­lhões de kwan­zas (280 mil eu­ros) va­lo­res in­su­fi­ci­en­tes pa­ra co­brir as des­pe­sas das ope­ra­do­ras”, ex­pli­cou. Se­gun­do Tchi­no de Sousa, ape­sar das di­fi­cul­da­des ope­ra­ci­o­nais, as em­pre­sas têm fei­to do seu pa­pel de re­co­lha e var­re­du­ra, fun­ci­o­nan­do ape­nas com os “ser­vi­ços mí­ni­mos”, pe­din­do “com­pre­en­são e co­la­bo­ra­ção” dos mu­ní­ci­pes na ho­ra da de­po­si­ção dos re­sí­du­os. Nes­ta fa­se, sa­li­en­tou, “tam­bém pre­ci­sa­mos que os mu­ní­ci­pes nos aju­dem na me­lhor aco­mo­da­ção do li­xo” e res­pei­tem os ho­rá­ri­os de co­lo­ca­ção nos con­ten­to­res. Por sua vez, o as­ses­sor do vi­ce-go­ver­na­dor de Luanda pa­ra o sec­tor eco­nó­mi­co, An­tas Mi­guel, deu a co­nhe­cer que um no­vo mo­de­lo de re­co­lha de li­xo na ca­pi­tal an­go­la­na de­ve ser im­ple­men­ta­do, a par­tir de 2019. “O no­vo mo­de­lo traz um re­gu­la­men­to com um con­jun­to de re­gras de cum­pri­men­to obri­ga­tó­rio de to­dos os ato­res des­de os pro­du­to­res de re­sí­du­os, pres­ta­do­res de ser­vi­ços e o po­der pú­bli­co”, dis­se. “Va­mos cri­ar um mo­de­lo com sus­ten­ta­bi­li­da­de di­fe­ren­te, com no­vas for­mas de ta­xar e co­brar”, apon­tou. O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al de Luanda, Adri­a­no Men­des de Car­va­lho, lan­çou no dia 1 de Se­tem­bro um pro­gra­ma de re­qua­li­fi­ca­ção dos jar­dins e re­for­ço da ilu­mi­na­ção pú­bli­ca, vi­san­do pro­mo­ver a ar­bo­ri­za­ção dos es­pa­ços ur­ba­nos e a se­gu­ran­ça da po­pu­la­ção. E por­que não é pos­sí­vel fa­zer tu­do ao mes­mo tem­po (o que se com­pro­va pe­lo fac­to de o Go­ver­no do MPLA an­dar há 43 anos a ten­tar fa­zer al­gu­ma coi­sa…) o pro­gra­ma de re­du­ção dos po­bres (em to­do o país são 20 mi­lhões) só se­rá im­ple­men­ta­do quan­do as man­guei­ras (dos jar­dins de Luanda) de­rem lo­en­gos e quan­do for pos­sí­vel ler à luz de um can­de­ei­ro… apa­ga­do. En­qua­dra­do no pro­gra­ma “Luanda Ver­de 2022”, o pro­jec­to tem co­mo le­ma “Dê Cor à sua Vi­da, Dê Cor à sua Co­mu­ni­da­de” e pre­vê abar­car to­da a pro­vín­cia, que abran­ge, além da ca­pi­tal, os mu­ni­cí­pi­os do Be­las, Ca­cu­a­co, Ca­zen­ga, Íco­lo e Ben­go, Qui­ça­ma e Vi­a­na. O go­ver­na­dor anun­ci­ou tam­bém o lan­ça­men­to do pro­jec­to de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca em to­do o ter­ri­tó­rio da pro­vín­cia, co­me­çan­do pe­la zo­na cen­tral dos mu­ni­cí­pi­os de Luanda e Be­las. Men­des de Car­va­lho re­fe­riu que, com o pro­gra­ma, es­pe­ram-se me­lho­ri­as na saú­de dos ci­da­dãos, uma vez que os es­pa­ços ver­des se re­ve­lam ca­da vez mais im­por­tan­tes na me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da, pro­mo­ven­do es­ti­los de vi­da sau­dá­veis. É ver­da­de. Aliás, o Po­vo já diz que ser po­bre num espaço ver­de tem mui­to mais en­can­to. “Há, pois, uma re­la­ção inequí­vo­ca en­tre a qua­li­da­de de vi­da, bem-es­tar das po­pu­la­ções e a qua­li­da­de am­bi­en­tal, sen­do os es­pa­ços ver­des con­si­de­ra­dos fun­da­men­tais à saú­de das pes­so­as”, dis­se o go­ver­na­dor, lem­bran­do tam­bém os ga­nhos com a se­gu­ran­ça pú­bli­ca. O go­ver­na­dor da pro­vín­cia de Luanda adi­an­tou tam­bém que vai ser ini­ci­a­da uma ou­tra cam­pa­nha, que en­vol­ve­rá es­tu­dan­tes, igre­jas, or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais e da so­ci­e­da­de ci­vil, num pro­gra­ma de plan­ta­ção de ár­vo­res e re­a­bi­li­ta­ção de es­pa­ços ver­des, com vis­ta a ti­rar Luanda do to­po da ci­da­de me­nos ar­bo­ri­za­da da África Aus­tral. Adri­a­no Men­des de Car­va­lho pre­ten­de que ca­da ci­da­dão te­nha a cul­tu­ra de plan­tar e cui­dar de uma ár­vo­re ou do seu espaço ver­de. Por ou­tro la­do, ma­ni­fes­tan­do-se “pre­o­cu­pa­do” com a quan­ti­da­de de li­xo pro­du­zi­do di­a­ri­a­men­te, in­di­cou que es­ta­va a co­or­de­nar uma co­mis­são, sob ori­en­ta­ção (nem po­de­ria ser de ou­tra for­ma no con­tex­to do MPLA) do Pre­si­den­te de An­go­la, pa­ra in­ver­ter o qua­dro. Pa­ra Ven­ces­lau de Almeida, con­sul­tor de in- fra-es­tru­tu­ras eléc­tri­cas, o pro­ces­so de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca só se­rá viá­vel e fun­ci­o­nal se a Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Dis­tri­bui­ção de Elec­tri­ci­da­de (ENDE) dis­pu­ser com re­gu­la­ri­da­de a ener­gia ne­ces­sá­ria pa­ra man­ter ace­sos os pos­tes no pe­río­do noc­tur­no. É que, de fac­to, ter os can­de­ei­ros apa­ga­dos… não da­rá gran­de luz. Mes­mo as­sim, Luanda tem mais en­con­tro mes­mo às es­cu­ras. Já o ad­mi­nis­tra­dor do mu­ni­cí­pio de Be­las, Mateus da Cos­ta, lem­brou que a sua ju­ris­di­ção tem um dé­fi­ce de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca e de ar­bo­ri­za­ção, pe­lo que o pro­gra­ma se re­ve­la de “gran­de va­lia”. Ou­tra ad­mi­nis­tra­do­ra mu­ni­ci­pal, a do Ki­lam­ba Ki­a­xi, Al­bi­na Gui­lher­mi­na Luí­sa, re­fe­riu que a me­di­da é “opor­tu­na”, na me­di­da em que vão me­lho­rar quer a ima­gem da cir­cuns­cri­ção, quer o meio am­bi­en­te e o bem-es­tar dos mu­ní­ci­pes. Al­bi­na Gui­lher­mi­na Luí­sa sa­li­en­tou ser ne­ces­sá­rio reforçar a plan­ta­ção de eu­ca­lip­tos no dis­tri­to ur­ba­no do Pa­lan­ca, ten­do em conta a mor­fo­lo­gia dos so­los lo­cais, bem co­mo ao lon­go das va­las de dre­na­gem. Re­la­ti­va­men­te à ilu­mi­na­ção pú­bli­ca, re­fe­riu que se­rá “be­né­fi­ca”, pois aju­da­rá a di­mi­nuir em gran­de me­di­da o co­me­ti­men­to de cri­mes. Par­ti­ci­pa­ram no en­con­tro, os vi­ce-go­ver­na­do­res pro­vin­ci­ais de Luanda, ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais e ope­ra­do­res pri­va­dos que te­rão co­mo mis­são acau­te­lar a subs­ti­tui­ção de lâm­pa­das fun­di­das, van­da­lis­mo de ar­má­ri­os, pos­tes de trans­for­ma­ção e rou­bos de ca­bos eléc­tri­cos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.