13 ME­SES, O MUN­DO AOS SEUS PÉS E O NOBEL (BEM) À VIS­TA!

Folha 8 - - DESTAQUE -

Na en­tre­vis­ta que ago­ra deu ao jornal por­tu­guês Ex­pres­so, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, afir­ma que con­se­guiu o mi­la­gre de ter fei­to mui­to nos 13 me­ses em que es­tá a di­ri­gir os des­ti­nos do país. É ver­da­de. Em tão cur­to espaço de tem­po já con­se­guiu pôr os ri­os a cor­rer pa­ra o… mar.

“Eu exer­ço es­te car­go há exac­ta­men­te 13 me­ses, por­tan­to, exi­gir do meu Exe­cu­ti­vo mui­to mais do que te­mos vin­do a fa­zer, não pa­re­ce jus- to nem re­a­lis­ta se­quer”, dis­se João Lou­ren­ço, acres­cen­tan­do que “não há mi­la­gres, mas mes­mo as­sim já con­se­gui­mos o `mi­la­gre’ de ter­mos fei­to mui­to em pou­co tem­po”. De fac­to, o con­cei­to de mi­la­gre não é re­cen­te no MPLA: “Não há mi­la­gres pa­ra in­ver­ter o ac­tu­al qua­dro eco­nó­mi­co e so­ci­al de An­go­la. Há tra­ba­lho re­ser­va­do pa­ra to­dos an­go­la­nos e pa­ra os es­tran­gei­ros que es­co­lhe­ram o nos­so país pa­ra vi­ver ou pa­ra in­ves­tir e tra­ba­lhar”. Quem dis­se is­to? Na­da mais, na­da me­nos, do que Luí­sa Da­mião, ho­je vi­ce-pre­si­den­te do MPLA, no Con­gres­so do Par­ti­do Co­mu­nis­ta Por­tu­guês, a 4 de De­zem­bro de 2016, em Almada, e que en­tão re­pre­sen­ta­va o MPLA, na ver­são Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Se­ja co­mo for, man­ten­do a mes­ma li­nha do seu an­te­ces­sor, des­de lo­go por­que co­mo Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos não foi no­mi­nal­men­te elei­to, João Lou­ren­ço ba­te aos pon­tos a an­te­ri­or san­ta mi­la­grei­ra do MPLA, Isa­bel dos San­tos, que trans­for­ma­va ovos co­muns em ovos de ou­ro. Es­tá a re­ve­lar-se um ver­da­dei­ro mes­si­as, um au­tên­ti­co D. Se­bas­tião afri­ca­no e ne­gro. Ao fim de 13 me­ses é já pos­sí­vel afir­mar com to­da a cer­te­za e se­gu­ran­ça, adap­tan­do a car­ti­lha do MPLA, que João Lou­ren­ço “sou­be li­de­rar com bas­tan­te pers­pi­cá­cia” a lu­ta pe­la li­ber­ta­ção, re­gis­tan­do já co­mo le­ga­do a in­de­pen­dên­cia do país do ju­go co­lo­ni­al por­tu­guês. Is­to pa­ra já não fa­lar da li­ber­ta­ção de África, do fim da es­cra­va­tu­ra no mun­do e da de­mo­cra­ti­za­ção da Co­reia do Nor­te. Nes­tes 13 me­ses o mun­do tem já de re­co­nhe­cer o pa­pel úni­co de João Lou­ren­ço, tan­to em An­go­la co­mo em África e até nos res­tan­tes con­ti- nen­tes. Es­pe­re­mos que, em 2019, a Aca­de­mia Su­e­ca não se es­que­ça de lhe atri­buir um Pré­mio Nobel. Qual? Tan­to faz. Mo­des­to co­mo é, acei­ta­rá com cer­te­za qual­quer um. Acres­ce que se o ex­cluí­rem, ou es­que­ce­rem, a re­vol­ta vai ins­ta­lar-se no re­gi­me e as re­per­cus­sões mun­di­ais se­rão gra­ves. To­dos sa­be­mos que quan­do João Lou­ren­ço es­pir­ra, o mun­do apa­nha uma gra­ve pneu­mo­nia. O MPLA atra­vés dos im­po­lu­tos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do re­gi­me, vai com cer­te­za – se aca­so ela se es­que­cer – de­cla­rar a Aca­de­mia Re­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.