HISTÓRIAS HÁ MUI­TAS, VERDADES HÁ SÓ UMA

Folha 8 - - DESTAQUE -

OGo­ver­no an­go­la­no, que des­de 1975 sem­pre foi do MPLA, ad­mi­te ago­ra “excessos”, com “exe­cu­ções e de­ten­ções su­má­ri­as” em 1977, por oca­sião dos massacres de mi­lha­res e mi­lha­res de an­go­la­nos no ge­no­cí­dio do 27 de Maio. Excessos. Não mais do que excessos. Cer­ta­men­te de pe­que­na mon­ta. O MPLA po­de, e as­sim tem fei­to, con­tar vá­ri­as ver­sões da His­tó­ria. Quan­to à ver­da­de, que só tem uma ver­são, ain­da não a con­se­gue as­su­mir. Lá che­ga­re­mos quan­do An­go­la for o que ain­da não é, um Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to. O Go­ver­no do MPLA pro­me­te, ago­ra, in­tro­du­zir o te­ma dos di­rei­tos hu­ma- nos nos pro­gra­mas es­co­la­res pa­ra pre­ve­nir no­vos ca­sos no fu­tu­ro. O re­co­nhe­ci­men­to foi fei­to pe­lo mi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos de An­go­la, Fran­cis­co Qu­ei­roz, que, em de­cla­ra­ções à Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la (RNA), ad­mi­tiu ter ha­vi­do, da par­te do Go­ver­no de en­tão (do MPLA), uma “re­ac­ção ex­ces­si­va aos acon­te­ci­men­tos que se se­gui­ram à ten­ta­ti­va de gol­pe de Es­ta­do”, le­va­da a ca­bo pe­los que fi­ca­ram co­nhe­ci­dos por “frac­ci­o­nis­tas” do MPLA. “Mui­tos des­ses ac­tos ocor­ri­dos na al­tu­ra aten­ta­ram con­tra os Di­rei­tos Hu­ma­nos. Hou­ve exe­cu­ções e pri­sões ar­bi­trá­ri­as. Tu­do is­so es­tá um pou­co es­que­ci­do, mas pre­ci­sa­mos lem­brar pa­ra que não vol­te a acon­te- cer”, afir­mou o mi­nis­tro. So­bre a ac­ção que mar­cou os pri­mei­ros anos de An­go­la in­de­pen­den­te, dei­xou em aberto a pos­si­bi­li­da­de de as fa­mí­li­as po­de­rem ver co­mo é que se po­de­rá re­sol­ver a ques­tão so­bre as cer­ti­dões de óbi­tos e de ou­tras ma­té­ri­as que têm a ver com es­ses acon­te­ci­men­tos. No en­tan­to, Fran­cis­co Qu­ei­roz lem­brou que, na mai­or par­te dos ca­sos, não se­rá fá­cil fa­zer-se o re­co­nhe­ci­men­to, ca­so se­jam en­con­tra­dos res­tos mor­tais. As de­cla­ra­ções de Fran­cis­co Qu­ei­roz acon­te­cem nu­ma al­tu­ra em que, num “draft” so­bre “Es­tra­té­gia do Exe­cu­ti­vo de Mé­dio Pra­zo pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos 2018/2022”, ela­bo­ra­do pe­lo mi­nis­té- rio que tu­te­la, o Go­ver­no de An­go­la (do MPLA) re­co­nhe­ce, pe­la pri­mei­ra vez, que, após o “27 de Maio”, re­gis­tou-se um “cor­te­jo de aten­ta­dos aos Di­rei­tos Hu­ma­nos”, con­si­de­ran­do-o “um dos mais re­le­van­tes” da His­tó­ria do país. A 27 de Maio de 1977, há 41 anos, uma ale­ga­da ten­ta­ti­va de gol­pe de Es­ta­do, nu­ma ope­ra­ção apa­ren­te­men­te li­de­ra­da por Ni­to Al­ves – mi­nis­tro do In­te­ri­or (do MPLA) des­de a in­de­pen­dên­cia (11 de No­vem­bro de 1975) até Ou­tu­bro de 1976 -, foi vi­o­len­ta­men­te re­pri­mi­da pe­lo re­gi­me (do MPLA) do en­tão Pre­si­den­te an­go­la­no, Agos­ti­nho Ne­to. Se­gun­do a ver­são ofi­ci­al, a dos ven­ce­do­res, seis di­as an­tes, a 21 de Maio, o MPLA ex­pul­sa­ra Ni­to Al­ves do par­ti­do, o que le­vou o an­ti­go mi­nis­tro, com vá­ri­os apoi­an­tes, a in­va­di­rem a pri­são de Luanda pa­ra li­ber­tar ou­tros seus sim­pa­ti­zan­tes, as­su­min­do, pa­ra­le­la­men­te o con­tro­lo da es­ta­ção da rá­dio na­ci­o­nal, na ca­pi­tal, foi­çan­do co­nhe­ci­dos co­mo “frac­ci­o­nis­tas”. As tro­pas le­ais a Agos­ti­nho Ne­to, com o apoio de mi­li­ta­res cu­ba­nos, aca­ba­ram por res­ta­be­le­cer a or­dem e pren­de­ram os re­vol­to­sos, se­guin­do-se, de­pois, o que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo “pur­ga”, com a eli­mi­na­ção das fac­ções, ten­do si­do mor­tas cer­ca de 30 mil pes­so­as, na mai­or par­te, sem qual­quer ligação a Ni­to Al­ves, tal co­mo afir­ma a Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal (AI) em vá­ri­os re­la­tó­ri­os so­bre o as­sun­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.