BISPOS CA­TÓ­LI­COS ES­TÃO (AO QUE PA­RE­CE) VI­VOS!

Folha 8 - - NACIONAL -

Os bispos ca­tó­li­cos de An­go­la, de­pois de um lon­go e le­tár­gi­co so­no em que na­da vi­ram nem ou­vi­ram, acor­da­ram so­no­len­tos mas de­sa­fi­a­ram a so­ci­e­da­de an­go­la­na (se­rá que tam­bém fa­zem par­te de­la?) a dar mais aten­ção aos “po­bres, aban­do­na­dos e des­fa­vo­re­ci­dos” do país (20 mi­lhões), con­si­de­ran­do “im­pe­ri­o­so” um mai­or com­pro­mis­so no seu apoio. No discurso inau­gu­ral da assembleia da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal de An­go­la e São To­mé (CEAST), o pre­si- den­te do ór­gão, Fi­lo­me­no Vi­ei­ra Di­as, con­si­de­rou que es­te é o gran­de “de­sa­fio” da Igre­ja e da so­ci­e­da­de. É? Ou se­rá que sem­pre foi? De acor­do com o Fi­lo­me­no Vi­e­ra Di­as, o com­pro­mis­so com a po­bre­za é tam­bém um de­sa­fio da Igre­ja Ca­tó­li­ca an­go­la­na, por­que, ob­ser­vou, “é um de­sa­fio que bro­ta da fé, da nos­sa sen­si­bi­li­da­de hu­ma­na” que, acres­cen­ta­mos nós, an­dou au­to-en­clau­su­ra­da du­ran­te 43 anos. Pois, adi­an­tou, a “sen­si­bi­li­da­de hu­ma­na pas­sa pe­la prá­ti­ca da ca­ri­da­de, o amor fra­ter­no é a ac­ção trans­for­ma­do­ra da so­ci­e­da­de que com­ba­te a po­bre­za e re­cu­pe­ra a dig­ni­da­de de ca­da pes­soa co­mo fi­lho de Deus. “É im­pe­ri­o­so que to­das as pes­so­as da Igre­ja, é im­pe­ri­o­so que to­dos os que sin­tam uni­dos a Cris­to, é im­pe­ri­o­so que to­dos os ho­mens e mu­lhe­res de boa von­ta­de no nos­so país, que to­das as pes­so­as con­sa­gra­das se com­pro­me­tam com os mais des­fa­vo­re­ci­dos”, exor­tou. Fa­lan­do na aber­tu­ra des­ta II Assembleia Or­di­ná­ria da CEAST, em Luanda, o tam­bém ar­ce­bis­po de Luanda, re­cor­dou igual­men­te a ne­ces­si­da­de da Igre­ja fa­zer (o que se es­que­ceu de, por con­ve­ni­ên­cia ma­te­ri­al, fa­zer du­ran­te dé­ca­das) uma “au­to-ava­li­a­ção” so­bre o que tem fei­to em prol dos “mais des­fa­vo­re­ci­dos”. E que “nos in­ter­ro­gue­mos de mo­do par­ti­cu­lar o que fa­ço pes­so­al e co­mu­ni­ta­ri­a­men­te pe­los mais des­fa­vo­re­ci­dos? O que es­ta­mos a fa­zer pe­los que so­frem? As nos­sas obras são ver­da­dei­ra­men­te obra de ca­ri­da­de com aten­ção fo­ca­da no po­bre e nos aban­do­na­dos?”, ques­ti­o­nou, cer­ta­men­te ro­gan­do a Deus pa­ra que os cren­tes olhem pa­ra que a Igre­ja diz e não pa­ra o que tem fei­to. Pa­ra o pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal de An­go­la e São To­mé, nas ques­tões so­bre a so­li­da­ri­e­da­de da Igre­ja pa­ra com os po­bres, de­ve ser re­flec­ti­va tam­bém o que de mo­do “pro­gra­ma­do e sis­te­má­ti­co” é fei­to, in­ter­na­men­te, pa­ra “pro­mo­ver os ex­cluí­dos”. “Es­te é um de­sa­fio que se co­lo­ca, é in­con­tor­ná­vel, pois nes­te ju­bi­leu, que mar­ca dos 50 anos de exis­tên­cia da CEAST, que es­ta­mos a ce­le­brar de­ve­mos re­cor­dar que um dos prin­ci­pais be­ne­fi­ci­a­dos são os ex­cluí­dos”, apon­tou. O ar­ce­bis­po ca­tó­li­co re­a­fir­mou ain­da na sua in­ter­ven­ção, o “com­pro­mis­so” da Igre­ja pa­ra com a “con­ser­va­ção da na­tu­re­za e na bus­ca har­mo­ni­o­sa da con­vi­vên­cia com to­das as cri­a­tu­ras exis­ten­ci­ais”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.