A ATI­TU­DE DO MI­NIS­TÉ­RIO DA SAÚ­DE É UM DE­SAS­TRE

Folha 8 - - CRONICA - NU­NO ÁL­VA­RO DALA

Os médicos an­go­la­nos es­tão em gre­ve des­de on­tem, 19 de No­vem­bro. Gre­ve na­ci­o­nal, aliás. É a pri­mei­ra vez na His­tó­ria de An­go­la que médicos en­tram em gre­ve. Evi­den­te­men­te, as con­sequên­ci­as se tra­du­zem nos mui­tos e gran­des cons­tran­gi­men­tos que os ci­da­dãos en­fren­tam no que ao aten­di­men­to mé­di­co e hos­pi­ta­lar diz res­pei­to. Mas o di­rei­to dos médicos à gre­ve é in­ques­ti­o­ná­vel. A gre­ve es­tá a re­ve­lar in­su­fi­ci­ên­ci­as e de­fi­ci­ên­ci­as es­tru­tu­rais do já de si apo­ca­líp­ti­co Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de, cu­ja má re­pu­ta­ção tem ti­do no­vos de­sen­vol­vi­men­tos nos úl­ti­mos di­as (ve­ja-se o ca­so da me­ni­na de 7 anos que re­ce­beu san­gue con­ta­mi­na­do com VIH e o ca­so da jo­vem cu­jo be­bé, pre­ma­tu­ro, aca­bou por fa­le­cer, mas foi tro­ca­do, ou se­ja, o hos­pi­tal apre­sen­tou o ca­dá­ver de uma be­bé [me­ni­na] e não de um be­bé [me­ni­no]). A re­ac­ção do Mi­nis­té­rio da Saú­de à gre­ve na­ci­o­nal dos médicos é (pra­ti­ca­men­te) um ca­so de es­tu­do, cu­jas im­pli­ca­ções le­va­ri­am qual­quer mor­tal a rir até à sa­ci­e­da­de. No seu Co­mu­ni­ca­do de Im­pren­sa, de 19 de No­vem­bro, o Mi­nis­té­rio da Saú­de afir­ma de for­ma pe­remp­tó­ria que «O au­to­de­no­mi­na­do Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Médicos não es­tá le­ga­li­za­do e em con­sequên­cia dis­so a sua De­cla- ra­ção de Gre­ve vi­o­la a Lei nº 21-D/92, de 28 de Agos­to – Lei Sin­di­cal – e a lei nº 23/91, de 15 de Ju­nho – Lei da Gre­ve». O co­mu­ni­ca­do pros­se­gue as­se­ve­ran­do que «o Mi­nis­té­rio da Saú­de con­si­de­ra ha­ver in­dí­ci­os de ili­ci­tu­de de gre­ve por ter si­do con­vo­ca­da por uma en­ti­da­de sem com­pe­tên­cia nos ter­mos da le­gis­la­ção em vi­gor (Sin­di­ca­to que se en­con­tra ain­da na fa­se de cons­ti­tui­ção) e que jun­to de tri­bu­nal com­pe­ten­te vai in­ten­tar uma ac­ção pa­ra o de­cre­ta­men­to da ili­ci­tu­de de gre­ve e res­pon­sa­bi­li­zar dis­ci­pli­nar­men­te to­dos os pro­fis­si­o­nais que ade­ri­rem à re­fe­ri­da gre­ve». Em re­su­mo, se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Saú­de, (1) o Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Médicos é ile­gal, (2) a gre­ve é ile­gal e (3) to­dos os médicos ade­ren­tes se­rão pu­ni­dos co­mo vi­o­la­do­res da dis­ci­pli­na mé­di­ca. Di­an­te do ex­pos­to, ques­ti­o­no: so­men­te ago­ra é que o Mi­nis­té­rio da Saú­de «des­co­briu» que o Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Médicos é ile­gal? Ana­li­se­mos es­te fac­to: A 14 de No­vem­bro do ano em cur­so, o Ga­bi­ne­te da Mi­nis­tra da Saú­de, atra­vés do Ofí­cio nº 5105/GAB. MIN/MS/2018 (di­ri­gi­do ao «Ex­ce­len­tís­si­mo Pre­si­den­te do Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Médicos de An­go­la») fez o se­guin­te con­vi­te: «Dan­do con­ti­nui­da­de ao pro­ces­so de negociação em cur­so, por in­ter­mé­dio do Ex­ce­len­tís­si­mo Pre­si­den­te do Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Médicos de An­go­la, con­vi­da­mos a Vos­sa Ins­ti­tui­ção pa­ra um en­con­tro a ter lu­gar no dia 16 do cor­ren­te mês (sex­ta-fei­ra), pe­las 13h00, na Sa­la de Reu­niões do Mi­nis­té­rio da Saú­de». Se o Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Médicos de An­go­la (de­sig­na­ção ofi­ci­al) é ile­gal e não tem com­pe­tên­cia de con­vo­car gre­ves, por que o Mi­nis­té­rio da Saú­de con­vi­dou a re­fe­ri­da ins­ti­tui­ção – na pes­soa do seu pre­si­den­te – a es­tar num en­con­tro en­qua­dra­do no «pro­ces­so de negociação»? O Mi­nis­té­rio da Saú­de an­dou a ne­go­ci­ar com uma ins­ti­tui­ção ile­gal – não re­co­nhe­ci­da? Se o Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Médicos de An­go­la é ile­gal, por que o Mi­nis­té­rio da Saú­de de­le­gou um re­pre­sen­tan­te seu pa­ra as­sis­tir ao ac­to de apre­sen­ta­ção pú­bli­ca do Sin­di­ca­to, ocor­ri­do há já al­gum tem­po? As pre­sen­tes in­ter­ro­ga­ções e ou­tras de­mons­tram que o Mi­nis­té­rio da Saú­de tem mui­tas ex­pli­ca­ções a dar. De fac­to, o Co­mu­ni­ca­do de Im­pren­sa do Mi­nis­té­rio da Saú­de é uma au­to­de­nún­cia de que es­te de­par­ta­men­to mi­nis­te­ri­al ge­riu as exi­gên- ci­as dos médicos (re­pre­sen­ta­dos pe­lo sin­di­ca­to) com des­pei­to e ne­gli­gên­cia, por um la­do, e, por ou­tro, re­ve­la de­so­ri­en­ta­ção e ten­ta­ti­va de fu­ga das res­pon­sa­bi­li­da­des. O Mi­nis­té­rio da Saú­de fez ne­go­ci­a­ções com o Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Médicos e vem ago­ra de­cla­rar que es­ta ins­ti­tui­ção é ile­gal? Ora, es­ta­mos pe­ran­te uma si­tu­a­ção la­men­tá­vel e ri­sí­vel que nos re­me­te a uma es­pé­cie de es­ta­do de ane­do­ta, que não con­tri­bui em na­da pa­ra a nor­ma­li­za­ção do País, ou se­ja, trans­for­mar An­go­la num país nor­mal e fun­ci­o­nal. An­go­la de­ve dei­xar de ser um Ab­sur­dis­tão (o país on­de o ab­sur­do se tor­nou va­lor na­ci­o­nal). O Mi­nis­té­rio da Saú­de tem fei­to uma ges­tão de­sas­tro­sa do dos­siê ine­ren­te às exi­gên­ci­as dos médicos, os quais, ago­ra em gre­ve, re­a­fir­mam que a vão man­ter até 22 de No­vem­bro e que, ca­so até lá o mi­nis­té­rio de tu­te­la não re­a­ja po­si­ti­va­men­te, o Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Médicos de An­go­la vai im­ple­men­tar uma ou­tra fa­se da gre­ve. A ati­tu­de do Mi­nis­té­rio da Saú­de é um de­sas­tre. Ao in­ti­mi­dar o sin­di­ca­to e seus mem­bros com le­ga­lis­mo opor­tu­nis­ta, o mi­nis­té­rio não re­sol­ve­rá os pro­ble­mas que afli­gem os médicos e en­quan­to o mes­mo per­de tem­po e ener­gia com pe­ri­fe­ri­as le­ga­lis­tas e ma­la­ba­ris­mos políticos pu­e­ris, mi­lha­res de ci­da­dãos es­tão a so­frer na pe­le e no os­so as con­sequên­ci­as da gre­ve dos médicos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.