JOÃO LOU­REN­ÇO ACOMODADO COM OS PO­DE­RES IMPERIAIS

Folha 8 - - CRONICA - SEDRICK DE CAR­VA­LHO Em 2010 apro­vou-se a ac­tu­al cons­ti­tui­ção que den­sa­men­te con­tem­pla li­ber­da­des e ga­ran­ti­as fun­da­men­tais, o que sus­ci­tou elo­gi­os de aca­dé­mi­cos, en­tre os quais o do ac­tu­al pre­si­den­te de Por­tu­gal, o pro­fes­sor Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa. O pres

Àal­tu­ra, “ti Ce­li­to”, co­mo ca­ri­nho­sa­men­te ape­li­da­do em An­go­la, já ti­nha a re­pu­ta­ção de pres­ti­gi­a­do cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta e pro­fes­sor, por is­so se fez uma tre­men­da eu­fo­ria pe­la sua ava­li­a­ção, uti­li­zan­do-a in­clu­si­ve pa­ra le­gi­ti­mar a apro­va­da cons­ti­tui­ção, qua­tro me­ses an­tes das su­as de­cla­ra­ções, e mais uma vez si­len­ci­ar as crí­ti­cas in­ter­nas. Mas é pre­ci­so rei­te­rar que Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa ape­nas se re­fe­riu à par­te das li­ber­da­des e ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais, on­de in­cluiu a li­vre ini­ci­a­ti­va pri­va­da e eco­no­mia de mer­ca­do. Po­rém, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa não pro­nun­ci­ou-se so­bre o tí­tu­lo quar­to da cons­ti­tui­ção, par­te que de­fi­ne a or­ga­ni­za­ção do po­der do Es­ta­do, co­mo o mo­de­lo de elei­ção pre­si­den­ci­al atí­pi­ca e o con­ce­de imen­sos po­de­res. E é es­sa a par­te que sem­pre cons­ti­tuiu o pon­to da dis­cór­dia da CRA apro­va­da no ca­lor do cam­pe­o­na­to das na­ções afri­ca­nas em fu­te­bol, o CAN2010 do An­go­la - Ma­li, o e aten­ta­do à ca­ra­va­na da se­lec­ção do To­go. Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos tor­nou-se um pre­si­den­te com po­de­res imperiais, au­to­ri­tá­rio, acu­mu­lan­do am­plas com­pe­tên­ci­as co­mo che­fe do Exe­cu­ti­vo, che­fe de Es­ta­do e co­man­dan­te- -em-che­fe. E o pro­ble­ma co­me­çou exac­ta­men­te na for­ma de elei­ção do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. A lei cons­ti­tu­ci­o­nal de 1991 es­ta­be­le­cia, em seu ar­ti­go 57º, que o pre­si­den­te se­ria elei­to me­di­an­te “[…] su­frá­gio uni­ver­sal, di­rec­to, igual, se­cre­to […]”. Ou se­ja, o pre­si­den­te ti­nha de ser elei­to no­mi­nal­men­te, in­di­vi­du­al­men­te, em dis­pu­ta com vá­ri­os can­di­da­tos e vá­ri­as can­di­da­tas. As­sim foi em 1992, e ti­ver­mos a pri­mei­ra e úni­ca mu­lher can­di­da­ta à pre­si­dên­cia, a ma­lo­gra­da Aná­lia de Vic­tó­ria Pe­rei­ra. Nes­se plei­to Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ob­te­ve uma per­cen­ta­gem abai­xa do MPLA nas elei­ções le­gis­la­ti­vas, im­por­ta re­cor­dar. Es­se mo­de­lo de elei­ção, idên­ti­co ao que vi­go­ra em Por­tu­gal, EUA, e até em Mo­çam­bi­que, per­mi­te a es­co­lha di­rec­ta do pre­si­den­te fo­ra da lis­ta dos can­di­da­tos a de­pu­ta­dos e de­pu­ta­das ao par­la­men­to. Al­te­ra­da a cons­ti­tui­ção, o pre­si­den­te pas­sou a ser “[…] o ca­be­ça de lis­ta […] do par­ti­do po­lí­ti­co ou coligação de partidos políticos mais vo­ta­do no qua­dro das elei­ções ge­rais […]” (art. 109º CRA). E as­sim ti­ve­mos em 2012 as elei­ções de­sig­na­das ge­rais em que o pre­si­den­te foi encontrado à bo­leia do par­ti­do. Em en­tre­vis­ta ao jornal Ex­pres­so, João Lou­ren­ço res­pon­deu al­gu­mas ques­tões per­ti­nen­tes so­bre os su­per­po­de­res cons­ti­tu­ci­o­nais e a elei­ção di­rec­ta do pre­si­den­te. Gus­ta­vo Cos­ta, o jor­na­lis­ta, per­gun­tou: “Es­ta­ria dis­pos­to a pro­mo­ver a mu­dan­ça da Cons­ti­tui­ção, di­luir os su­per­po­de­res atu­al­men­te con­cen­tra­dos na fi­gu­ra do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e ad­mi­tir can­di­da­tar-se sem a al­ça­da do MPLA?” A res­pos­ta po­de ser com­pre­en­di­da por al­guns co­mo in­te­li­gen­te, mas ne­la re­co­nhe­ci ou­tras coi­sas, co­mo o mes­mo ci­nis­mo do an­te­ri­or pre­si­den­te, des­pre­zo por ques­tões es­tru­tu­ran­tes, vai­da­de e ar­ro­gân­cia. En­tre ou­tras coi­sas, dis­se: “Os can­di­da­tos ao lu­gar de Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­vem ser de um par­ti­do po­lí­ti­co, sem ne­ces­sa­ri­a­men­te se­rem o seu pre­si­den­te”. Ora, is­to, mais do que an­tes de 2017, to­dos sa­be­mos, pois João Lou­ren­ço é em si a amos­tra dis­so ao ser ca­be­ça de lis­ta sem ser pre­si­den­te do par­ti­do. Ape­gou-se nes­se as­pec­to pa­ra dei­xar cla­ro que, “se for por es­sa ra­zão, não” ad­mi­te a ne­ces­si­da­de de uma re­vi­são da cons­ti­tui­ção. Mas Gus­ta­vo Cos­ta é o exí­mio jor­na­lis­ta que é, e por is­so vol­tou à car­ga so­bre “os su­per­po­de­res cons­ti­tu­ci­o­nais her­da­dos do seu an­te­ces­sor”. João Lou­ren­ço res­pon­deu apon­tan­do os li­mi­tes tem­po­rais es­ta­be­le­ci­dos pe­la pró­pria cons­ti­tui­ção pa­ra que ha­ja uma re­vi­são (art. 235º, nº. 1), ou­tra res­pos­ta ób­via, a qual jun­tou o ar­ti­go 233º pa­ra vin­car que a ini­ci­a­ti­va de re­vi­são re­cai so­bre o pre­si­den­te e um ter­ço dos de­pu­ta­dos. Não res­pon­deu a ques­tão. À ter­cei­ra não foi de vez, mas sur­giu uma res­pos­ta que es­pe­lha mais o que lhe vai na al­ma. João Lou­ren­ço não pre­ten­de des­fa­zer-se dos su­per­po­de­res, por is­so es­cu­dou-se no par­ti­do di­zen­do que tem de ha­ver um de­ba­te in­ter­no. Ci­ni­ca­men­te tam­bém fa­lou que “qual­quer ou­tro” par­ti­do po­de pro­por uma re­vi­são cons­ti­tu­ci­o­nal, quan­do sa­be que a má­qui­na elei­to­ral frau­du­len­ta foi ole­a­da ao má­xi­mo pa­ra não per­mi­tir se­quer que to­da a opo­si­ção jun­ta re­pre­sen­tas­se se­quer um ter­ço dos de­pu­ta­dos. “O par­ti­do po­lí­ti­co que achar que tem for­ça pa­ra fa­zer is­so ou que po­de mo­bi­li­zar ou­tras for­ças pa­ra se jun­tar a es­sa cau­sa, que o fa­ça”, dis­se, re­fe­rin­do-se cer­ta­men­te aos partidos da opo­si­ção por­que o de­le, pa­ra além de não o con­tra­ri­ar, não pre­ci­sa­ria “mo­bi­li­zar ou­tras for­ças” pa­ra de­li­be­rar por uma re­vi­são. En­tre­tan­to, a pri­mei­ra ques­tão, re­fe­ren­te à elei­ção di­rec­ta do pre­si­den­te, é de ex­tre­ma im­por­tân­cia pois o ac­tu­al mo­de­lo cons­ti­tui um re­tro­ces­so com­pa­ra­do com o que es­ta­be­le­cia a cons­ti­tui­ção de 1991 e é até ver­go­nho­so que An­go­la, ao con­trá­rio dos paí­ses vi­zi­nhos e par­cei­ros, e ten­do uma cons­ti­tui­ção “mui­to am­bi­ci­o­sa” em vá­ri­os as­pec­tos, não per­mi­ta aos seus ci­da­dãos uma par­ti­ci­pa­ção po­lí­ti­ca efec­ti­va sem a ân­co­ra par­ti­dá­ria. Quan­to aos su­per­po­de­res, per­so­na­li­da­des pró­xi­mas ao pre­si­den­te en­ten­dem que ele pre­ci­sa exac­ta­men­te con­cen­trar to­dos es­ses su­per­po­de­res pa­ra fa­zer as re­for­mas que alar­deia cons­tan­te­men­te que­rer e es­tar a fa­zer. Res­pon­do que se es­tão a es­que­cer que se o po­der em si já cor­rom­pe, en­tão o po­der ab­so­lu­to cor­rom­pe tam­bém ab­so­lu­ta­men­te, e foi com es­te po­der ab­so­lu­to que se co­me­te­ram as mai­o­res atro­ci­da­des em An­go­la. É pre­ci­so de­sa­mar­rar es­ses po­de­res e dis­tri­bui-los pa­ra que ha­ja de fac­to in­ter­de­pen­dên­cia e equi­da­de en­tre as ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas do Es­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.