TE­O­RIA DA RELATIVIDADE E A EN­TRE­VIS­TA AO EX­PRES­SO

Folha 8 - - CRONICA -

As coi­sas são re­la­ti­vas. A fun­ção de um ór­gão de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al com um es­ta­tu­to edi­to­ri­al de com­pro­me­ti­men­to com a ver­da­de e co­mo tal im­pe­li­do de al­gu­ma for­ma pa­ra a opo­si­ção -não uma opo­si­ção par­ti­dá­ria es­pe­cí­fi­ca, mas uma opo­si­ção ge­né­ri­ca e sem dis­tin­ção de for­ças po­lí­ti­cas – obri­gan­do- o, ine­vi­ta­vel­men­te, a ex­tre­mar po­si­ções, é cum­prir o seu es­ta­tu­to edi­to­ri­al ape­sar de ser uma obri­ga­ção des­con­for­tá­vel, ar­ris­ca­da e no­ci­va. Na­tu­ral­men­te se uma for­ça po­lí­ti­ca tem qu­a­se a to­ta­li­da­de do pro­ta­go­nis­mo nu­ma ain­da im­ber­be de­mo­cra­cia, qu­a­se plu­to­cra­cia, na mes­ma me­di­da es­se pro­ta­go­nis­mo re­flec­tir- se- á es­tam­pa­do, tra­tan­do- se de um jornal, nas su­as pá­gi­nas. Uma ló­gi­ca e co­e­rên­cia ir­re­pre­en­sí­veis. Ou se­ja, o fac­to de um jornal de­di­car gran­de par­te do seu espaço ao go­ver­no e ao par­ti­do do go­ver­no é uma ques­tão que te­rá de ser re­la­ti­vi­za­da pois es­se par­ti­do co­mo um eu­ca­lip­to se­cou e se­ca to­do o apo­ca­lí­ti­co ter­re­no po­lí­ti­co em vol­ta. Na ver­da­de as coi­sas são sem­pre re­la­ti­vas. João Lou­ren­ço, co­mo nun­ca an­tes, e, pas­sa­do 13 me­ses, deu uma en­tre­vis­ta ao Ex­pres­so, de Por­tu­gal, on­de fi­cou pa­ten­te a sua enor­me in­te­li­gên­cia, de­ter­mi­na­ção, prag­ma­tis­mo, op­ti­mis­mo e pa­tri­o­tis­mo, al­go que nun­ca du­vi­dei. Ou se­ja, co­mo da­ria mui­to nas vis­tas dar uma en­tre­vis­ta tão en­can­ta­do­ra­men­te de­pra­va­da ao Prav­da de Vic­tor Sil­va e Ca­e­ta­no Jú­ni­or, e, não ha­ven­do ou­tros jor­nais à sua al­tu­ra em An­go­la, op­tou por man­dar os re­ca­dos de Lisboa. Re­la­ti­va­men­te a es­ta jo­ga­da na­da ha­ve­rá a di­zer, pois de uma as­sen­ta­da de­mons­tra o des­pre­zo pe­los jor­nais an­go­la­nos e por ou­tro ma­xi­mi­za a vi­si­ta Por­tu­gal, co­mo se Por­tu­gal ti­ves­se di­nhei­ro e não vis­se An­go­la mais do que uma opor­tu­ni­da­de pa­ra ga­nhar di­nhei­ro de­pres­sa e me­nos pa­ra ge­rar ri­que­zas e bem- es­tar aos an­go­la­nos. Infelizmente creio que mui­tos por­tu­gue­ses ain­da pen­sam as­sim. Ou me­lhor, já pen­sam as­sim pois os re­tor­na­dos, mais ve­lhos, são com­ple­ta­men­te de­vo­tos por An­go­la. To­da­via co­mo não há lí­de­res as­sim tão pro­ver­bi­ais, tão pro­fé­ti­cos ou tão pro­vi­den­ci­ais – nem Afon­so Hen­ri­ques, nem Marquês de Pom­bal, nem Bis­marck, nem Washing­ton, nem Chur­chill, nem Ne­to o fo­ram – e co­mo não há opo­si­ção nem tam­pou­co ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al in­de­pen­den­tes, des­co­bri que a mi­nha obri­ga­ção e tal­vez úni­ca vo­ca­ção, tam­bém por ins­pi­ra­ção dos meus com­pa­nhei­ros des­te Jornal, ver­da­dei­ros he­róis e ri­jos ho­mens, se­ja re­la­ti­vi­zar as coi­sas e fa­zer de ad­vo­ga­do do di­a­bo, até por­que é mais fá­cil, es­tan­do eu afas­ta­do e com aces­so a pou­ca in­for­ma­ção, te­o­ri­zar e en­con­trar ân­gu­los inau­di­tos bem co­mo pers­pec­ti­var, en­gen­drar e an­te­ci­par no­vas jo­ga­das do mes­tre de xa­drez que tan­ta gen­te tem man­da­do pa­ra o xa­drez, in­di­rec­ta­men­te, é cla­ro. Per­dão pe­lo tro­ca­di­lho gra­tui­to, mas já há mui­to que o pen­sa­va uti­li­zar e as­sim sai- me um peso da consciência. Por exem­plo, um ca­so pe­cu­li­ar da relatividade das coi­sas. Re­por­te­mo- nos à bola. Há pou­co, os Pa­lan­cas Ne­gras sa­gra­ram-se Cam­peões Mun­di­ais de Fu­te­bol na Ca­te­go­ria de, creio, es­tro­pi­a­dos dos mem­bros in­fe­ri­o­res, en­quan­to a Se­lec­ção das Qui­nas foi cam­peã eu­ro­peia pa­ra De­fi­ci­en­tes com Tris­so­mia XXI. Ora, o que apa­ren­te­men­te po­de­ria ser uma so­ber­ba no­tí­cia, um ex­ce­len­te in­dí­cio, mo­ti­vo de re­go­zi­jo e gran­des pa­ran­go­nas nos jor­nais e mui­tas par­ti­lhas nas re­des so­ci­ais, po­de mais não sig­ni­fi­car que de­vi­do a uma gu­er­ra ci­vil fra­tri­ci­da ain­da mais in­sa­na que a gu­er­ra co­lo­ni­al pas­sas­se a ha­ver in­con­tes­ta­vel­men­te mui­tos es­tro­pi­a­dos dos mem­bros in­fe­ri­o­res de­vi­do ao uso ma­ci­ço de mi­nas ter­res­tres em An­go­la; por ou­tro la­do com a di­mi­nui­ção da ta­xa de na­ta­li­da­de em Por­tu­gal e de­vi­do à ins­ta­bi­li­da­de la­bo­ral, e de ca­da vez mais as mu­lhe­res te­rem fi­lhos mais tar­de, mui­to per­to ou a pas­sar dos 40 anos, e, se a is­so so­mar­mos o fac­to de o país ser ca­tó­li­co e con­ser­va­dor e tam­bém o fac­to de as grá­vi­das não te­rem o acom­pa­nha­men­to ne­ces­sá­rio no­me­a­da­men­te no que to­ca à qua­li­da­de e dis­po­ni­bi­li­da­de dos exa­mes ul­tras­só­ni­cos pré- na­tais, en­tão, es­tão com­bi­na­dos os fac­to­res que pro­por­ci­o­nam a exis­tên­cia de mais por­ta­do­res des­te sín­dro­me cro­mos­só­mi­co sen­do mai­or a ba­se de re­cru­ta­men­to e mai­or as pos­si­bi­li­da­des de se ser cam­peão europeu ( na Is­lân­dia por exem­plo nas­cem ape­nas um ou dois be­bés com Down por ano), tal co­mo uma in­com­pa­ra­vel­men­te mai­or ba­se de atle­tas em An­go­la os pôs em cla­ra e pré­via van­ta­gem. Des­ta for­ma pre­ten­do sen­si­bi­li­zar o leitor pa­ra as vir­tu­des do exer­cí­cio crí­ti­co pois o que não fal­tam são or­ga­ni­za­ções al­ta­men­te so­fis­ti­ca­das e pro­fis­si­o­nais com o fim cla­ro de lu­di­bri­ar o po­vo e os con­su­mi­do­res pe­lo que con­vém de fac­to não nos dei­xar­mos ir em can­ti­gas e ana­li­sar­mos to­das e quais­quer ques­tões por to­dos os pris­mas que a in­te­li­gên­cia nos per­mi­ta. An­do a ler um li­vro. Na ver­da­de uma pé­ro­la. Es­cri­to nos anos vin­te e ve­ta­do ao os­tra­cis­mo até que re­cen­te­men­te foi des­co­ber­to, e, on­de se re­tra­ta um pe­río­do da His­tó­ria que ver­da­dei­ra­men­te mu­dou o mun­do e ins­pi­rou e in­flui de­mo­cra­ci­as e re­pú­bli­cas a um ní­vel glo­bal e in­tem­po­ral. Tra­ta- se do pe­río­do que an­te­ce­deu a Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa e da for­ma co­mo os jor­nais e os sa­raus de in­te­lec­tu­ais ins­ti­ga­ram a ple­be a fa­zer re­for­mas ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te im­por­tan­tes, pa­ra não di­zer re­vo­lu­ções, não vá al­guém pen­sar que sou um anár­qui­co agi­ta­dor. Mas é cer­to que um po­vo in­for­ma­do e mo­bi­li­za­do faz te­mer e tre­mer, e, co­lap­sar re­gi­mes a não ser que eles go­ver­nem bem. Os im­pe­ra­do­res ro­ma­nos pro­vi­den­ci­a­vam pão e cir­co com far­tu­ra ao po­vo e gran­dí­lo­quas con­quis­tas mi­li­ta­res pa­ra a Gló­ria de Ro­ma, jus­ta­men­te por is­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.