DE AN­TÓ­NIO OLE

Folha 8 - - CULTURA - O ar­tis­ta plás­ti­co an­go­la­no An­tó­nio Ole apre­sen­ta a 27 de No­vem­bro a sua mais re­cen­te ex­po­si­ção in­di­vi­du­al in­ter­dis­ci­pli­nar, in­ti­tu­la­da “Os­sos do ofí­cio” um con­jun­to de obras di­ver­si­fi­ca­das e sob pris­ma de ou­tras dis­ci­pli­nas co­mo a pin­tu­ra, a fo­to­gra­fia e

Aes­ta vis­co­sa ex­po­si­ção, “Os­sos do Ofí­cio”, An­tó­nio Ole reú­ne um con­jun­to de apro­xi­ma­do de cin­quen­ta obras de ex­pres­sões di­ver­si­fi­ca­das, de­sig­na­da­men­te de pin­tu­ra, fo­to­gra­fia e ins­ta­la­ção, na gran­de mai­o­ria iné­di­tas. Se­gun­do o ar­tis­ta “é ine­vi­tá­vel que ao che­gar a es­te pa­ta­mar, cin­quen­ta e tal anos a tra­ba­lhar em ar­tes vi­su­ais, me ocor­ra ago­ra re­ver al­gu­mas aven­tu­ras re­cen­tes, ou­tras mais an- ti­gas, em­bo­ra is­so não fa­ça par­te da mi­nha prá­xis ha­bi­tu­al. De­te­nho-me pou­co a olhar pa­ra trás. Ao lon­go do tem­po, en­con­trei en­tão es­sa ligação ín­ti­ma en­tre a re­a­li­da­de e a ma­triz poé­ti­ca que lhe dá ali­men­to, que lhe dá ci­men­to. A ar­te, às ve­zes, tam­bém se faz a par­tir de qu­a­se na­da, da­qui­lo que se pres­sen­te ape­nas, em me­nor es­ca­la da­qui­lo que é ra­ci­o­nal ou aus­te­ro. Os­sos do Ofí­cio di­rão! As idei­as e nar­ra­ti­vas flu­em. Os ma­te­ri­ais con­so­li­dam-se. O de­se­nho per­sis­te, na tá­bua / me­mó­ria em tra­ços mui­to le­ves na su­per­fí­cie in­to­ca­da,” evo­cou An­tó­nio Ole. Em “OS­SOS DO OFÍ­CIO”, An­tó­nio Ole pres­ta uma ho­me­na­gem à me­mó­ria dos que já par­ti­ram, por­que “os mor­tos de­sa­pa­re­cem, mas re­nas­cem na nos­sa me­mó­ria”. Os no­mes de Ruy Du­ar­te de Car­va­lho, Her­ber­to Hél­der e Jo­sé Rodrigues so­bres­sa­em nes­ta ga­le­ria de me­mó­ria e evo­ca­ção, pe­lo re­gis­to, que per­ma­ne­ce vi­vo na me­mó­ria, do seu tra­ba­lho cri­a­ti­vo e do seu pro­fun­do hu­ma­nis­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.