ÓDIO A EDU­AR­DO DOS SAN­TOS ES­TÁ A MA­TAR AMOR A DE­MO­CRA­CIA

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WIL­LI­AM TONET kui­[email protected]­mail.com

Opaís tei­ma em não bai­xar de ten­são, do­mi­na­do pe­lo con­fli­to in­ter­no no seio do MPLA, ba­se­a­do na ló­gi­ca da sucessão de cas­tas, em que a no­va tu­do faz pa­ra des­truir a an­te­ri­or. Eram to­dos ca­ma­ra­das. Eram to­dos uma fa­mí­lia. Es­ta­vam mais uni­dos do que nun­ca. Afi­nal a cas­ta an­te­ri­or são um qua­dri­lha de cri­mi­no­sos marimbondos, ten­do Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos a ca­be­ça, tam­bém, dos trai­do­res à Pá­tria e dos cor­rup­tos, cu­jo co­vil, só ele tem a cha­ve, mas que vão mor­rer no fogo. O tom so­be, na pro­por­ção da mus­cu­la­tu­ra, em­pre­en­di­da, con­tra al­guns fei­tos co­baia, in­cluin­do o fi­lho do ex-pre­si­den­te, pa­ra gaú­dio dos no­vos do­nos do po­der, que fa­zem o país as­sis­tir im­pá­vi­do o emer­gir de uma po­dri­dão es­con­di­da de­bai­xo do ta­pe­te do par­ti­do no po­der. Nin­guém po­de, em sã cons­ci­ên­cia con­de­nar a le­gi­ti­mi­da­de que as­sis­te a João Lou­ren­ço, nes­ta cru­za­da, de­pois de se lhe ter da­do, de mão bei­ja­da, o con­tro­lo ex­clu­si­vo de to­dos os ór­gãos do po­der de Es­ta­do, com a agra­van­te do po­der ju­di­ci­al, que po­de­ria ser a es­pe­ran­ça, nu­ma ver­da­dei­ra tran­si­ção, cons­ti­tuir, mais uma vez, a so­la se­ca do seu sa­pa­to (Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo). Daí as­sis­tir-se a po­lí­ti­ca, amar­fa­nhar o re­al pa­pel da jus­ti­ça nos per­cei­tos: COR­RUP­ÇÃO, TRAI­DO­RES DA PÁ­TRIA, CO­FRES VAZIOS, IDEN­TI­FI­CA­DOS OS COR­RUP­TOS, MOR- RER NO FOGO, MARIMBONDOS, etc, etc, etc e tal... A mai­o­ria dos au­tóc­to­nes de­se­ja­va uma mu­dan­ça, as­sen­te na le­ga­li­da­de dos ac­tos dos agen­tes e ór­gãos pú­bli­cos, mas as­sis­te a fra­tu­ras in­ter­nas num par­ti­do, on­de as du­as prin­ci­pais fi­gu­ras se de­gla­di­am a céu aber­to, com for­tes re­per­cus­sões, em to­dos os ór­gãos do país, de­no­tan­do ha­ver res­sen­ti­men­tos in­cu­ba­dos. As­sim, o ódio a Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos es­tá a ma­tar o amor a de­mo­cra­cia in­ter­na no MPLA e em mui­tos sec­to­res no país, com as con­sequên­ci­as daí ine­ren­tes. O MPLA, ver­da­de ou men­ti­ra, ao pres­cin­dir das fra­tu­ras (já por si, gra­ves), op­tan­do por gran­des de­nún­ci­as so­bre ra­vi­nas de cri­mes de cor­rup­ção, co­me­ti­das não só a Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, mas a to­da sua equi­pa, ma­cu­la mais, pa­ra gaú­dio do oci­den­te, que re­ju­bi­la com es­sa lu­ta po­lí­ti­ca de san­za­la, no in­te­ri­or de um par­ti­do, que di­ri­ge An­go­la faz 43 anos. Fa­lar de com­ba­te a cor­rup­ção, ao ne­po­tis­mo e aos marimbondos em­pol­ga, o ex­te­ri­or, co­mo se viu mais re­cen­te­men­te, na vi­si­ta pre­si­den­ci­al a Por­tu­gal, mas por si só, nem sem­pre sig­ni­fi­ca mais e me­lhor de­mo­cra­cia, res­pei­to pe­los di­rei­tos hu­ma­nos, in­ter­na­men­te. Mas, co­mo sem­pre, aos oci­den­tais, pou­co im­por­ta a de­mo­cra­cia, a di­vi­são e in­de­pen­dên­cia de for­tes ór­gãos do Es­ta­do em Áfri­ca, por acre­di­ta­rem ser mais fá­cil, ne­go­ci­ar com um país sub­de­sen­vol­vi­do, on­de o lí­der con­cen­tre to­dos os po­de­res, tí­pi­co das di­ta­du­ras dés­po­tas, que ali­men­tam a po­bre­za ex­tre­ma, a es­tag­na­ção eco­nó­mi­ca, o de­sem­pre­go, a in­fla­ção mo­ne­tá­ria, en­tre ou­tros ma­les. Pa­ra­do­xal­men­te, nes­ta cru­za­da, opon­do as du­as mai­o­res fi­gu­ras, pa­ri­das do mes­mo ven­tre par­ti­do­cra­ta, o bu­re­au po­lí­ti­co e o co­mi­té cen­tral do MPLA, que irá reu­nir, bre­ve­men­te, mos­tra-se ca­la­do e mu­do, uma vez, tu­do es­tar ago­ra, tal co­mo on­tem, con­cen­tra­do no no­vo pre­si­den­te, que de­ten­do to­do po­der não tem opo­si­ção in­ter­na, qu­an­to mais não se­ja pa­ra acon­se­lhar as li­de­ran­ças (Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, ex-pre­si­den­te e João Ma­nu­el Gon­çal­ves Lou­ren­ço, ac­tu­al pre­si­den­te) a te­rem mai­or con­ten­ção ver­bal, por mais le­gi­tí­mas que se­jam os seus de­sen­can­tos. Se an­tes o MPLA já es­ta­va mal, fa­ce ao ne­po­tis­mo e a cor­rup­ção, apon­ta­da a Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos jus­ti­fi­ca­ti­va dos bai­xos ín­di­ces de po­pu­la­ri­da­de, com re­fle­xo nos re­sul­ta­dos elei­to­rais, se­gu­ra­dos sem­pre, com a for­ça da frau­de, a for­ma tu­mul­tu­o­sa co­mo o no­vo co­man­dan­te, João Lou­ren­ço pre­ten­de do­brar o “Ca­bo das Tor­men­tas”, de­pois dos pi­cos de al­ta acei­ta­ção po­pu­lar, com as exo­ne­ra­ções, pri­sões de mi­nis­tro, go­ver­na­dor, ges­tor ban­cá­rio e fi­lho do ex-pre­si­den­te, não te­rem da­do mais do mes­mo, co­me­ça a bai­xar ver­ti­gi­no­sa­men­te, in­flu­en­cia- das, quer pe­la má po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca e so­ci­al, co­mo ain­da das ata­ba­lho­a­das ope­ra­ções: Transparência e Res­ga­te, jun­to dos paí­ses vi­zi­nhos, mais con­cre­ta­men­te, o Con­go De­mo­crá­ti­co e no país, com a re­ti­ra­da e li­mi­ta­ção do tra­ba­lho de am­bu­lan­tes, fei­ran­tes e zun­guei­ras. A mai­o­ria dos au­tóc­to­nes fo­ra do par­ti­do no po­der, não ima­gi­na(va) um Mes­si­as, mas al­guém com prag­ma­tis­mo, ca­paz de des­mon­tar a gan­gre­na cor­rup­ta e cor­rup­to­ra, mon­tan­do uma im­par­ci­al equi­pa, ca­paz de pro­ce­der a ver­da­dei­ras re­for­mas cons­ti­tu­ci­o­nais e le­gais o in­ver­so é me­ra fa­lá­cia de um po­der que quer as­sen­tar a au­to­ri­da­de, atra­vés do au­to­ri­ta­ris­mo. O prag­ma­tis­mo e co­ra­gem do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço en­fren­tar o sé­qui­to do ou­tro­ra to­do po­de­ro­so, ex - pre­si­den­te, não po­de as­sen­tar na sim­ples emo­ti­vi­da­de, ca­paz de res­va­lar, num fu­tu­ro pró­xi­mo, os es­for­ços, nu­ma vi­tó­ria, sim, mas de Pir­ro*.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.