“É A PAR­TIR DO MIREX QUE HÁ OS MAI­O­RES DES­VI­OS DE MI­LHÕES DE DÓ­LA­RES”

Folha 8 - - DESTAQUE -

Lima Vi­e­gas, em­bai­xa­dor e pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Di­plo­ma­tas An­go­la­nos, diz em co­mu­ni­ca­do que trans­cre­ve­mos “ip­sis ver­bis” que “não fez mal a nin­guém por ter des­co­ber­to um dos mai­o­res ni­nhos de marimbondos exis­ten­te no Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res”, acres­cen­tan­do que “é a par­tir des­te Mi­nis­té­rio que há os mai­o­res des­vi­os de mi­lhões de dó­la­res que fo­ram des­co­ber­tos e pre­ten­dem si­len­ci­ar a ac­ção da Ins­pec­ção”. Eis o co­mu­ni­ca­do: «António Lima Vi­e­gas / Em­bai­xa­dor, vem por es­te meio co­mu­ni­car a to­dos os Co­le­gas que a Di­rec­ção do Mirex foi lon­ge de­mais, por­que on­tem deu or­dens à Uni­tel pa­ra blo­que­a­rem to­dos os meus nú­me­ros de te­le­fo­ne. A Uni­tel ale­ga que eu não ti­nha fei­to o re­gis­to de iden­ti­fi­ca­ção, gran­de men­ti­ra, e in­clu­si­ve um dos nú­me­ros es­ta­va em no­me de mi­nha es­po­sa. Quem faz is­to po­de tam­bém man­dar ma­tar. Se pen­sam que com is­to vão-me ame­dron­tar es­tão en­ga­na­dos. Eu sou um Ho­mem co­ra­jo­so e des­te­mi­do. To­dos nós va­mos mor­rer um dia, mas se pen­sam que vão con­ti­nu­ar a men­tir ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca es­tão re­don­da­men­te en­ga­na­dos. Quem fa­la a ver­da­de não me­re­ce cas­ti­go. Não fiz mal a nin­guém por ter des­co­ber­to um dos mai­o­res ni­nhos de marimbondos exis­ten­te no Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res. É a par­tir des­te Mi­nis­té­rio que há os mai­o­res des­vi­os de Mi­lhões de dó­la­res que fo­ram des­co­ber­tos e pre­ten­dem si­len­ci­ar a ac­ção da Ins­pec­ção. Se­nhor Mi­nis­tro, Ma­nu­el Au­gus­to to­da a gen­te sa­be que vo­cê so­freu uma gran­de pres­são do seu Di­rec­tor de Ga­bi­ne­te – Sal­va­dor Al­len­de e do Se­cre­tá­rio-Ge­ral – Agos­ti­nho Van-Du­nem, que lhe en­co­ra­ja­ram pa­ra to­mar a de­ci­são de me exo­ne­rar e sou a pri­mei­ra vi­ti­ma da pi­ca­da do ma­rim­bon­do. Na qua­li­da­de de Ins­pec­tor e de acor­do com o pre­vis­to na lei pro­pus a ins­tau­ra­ção de al­guns pro­ces­sos dis­ci­pli­na­res a che­fes de Mis­sões que ti­ve­ram um mau de­sem­pe­nho que ao se­rem exo­ne­ra­dos can­ce­la­ram a seu fa­vor con­tas ban­cá­ri­as e fi­ca­ram com o va­lor equi­va­len­te a mais de um mi­lhão de dó­la­res e ou­tros que com me­do da ac­ção da Ins­pec­ção vi­e­ram en­tre­gar-se à con­fir­mar des­vi­os de Dó­la­res de­pois de cin­co anos. Qual é a me­di­da que es­tes che­fes de Mis­são me­re­cem? É bom no­tar que a pre­sen­ça do Ins­pec­tor / Lima Vi­e­gas era te­mi­da em to­do o Mi­nis­té­rio e em to­das as

MDC’S. Is­to foi no­tó­rio na pri­mei­ra vi­si­ta de Ins­pec­ção que efec­tu­ei em com­pa­nhia de dois fun­ci­o­ná­ri­os do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, mais con­cre­ta­men­te da SIC e do SME em que o com­por­ta­men­to de um fun­ci­o­ná­rio que se di­ri­giu ao Ins­pec­tor di­zen­do que não era ne­ces­sá­rio pro­cu­rar mais e en­tre­gou to­da do­cu­men­ta­ção no va­lor de mais de 4 (qua­tro) mi­lhões de dó­la­res ame­ri­ca­nos que re­pre­sen­ta­va má ges­tão, is­to foi iné­di­to, e sin­ce­ra­men­te nun­ca me ti­nha acon­te­ci­do uma coi­sa igual. Is­to sur­pre­en­deu a to­da equi­pa, prin­ci­pal­men­te aos dois po­lí­ci­as que me acom­pa­nha­vam. Só es­tá ati­tu­de fa­la por si e es­tou ci­en­te que a pre­sen­ça do Ins­pec­tor es­ta­va a con­tri­buir pa­ra a mo­ra­li­za­ção da Ins­ti­tui­ção, mas não era do agra­do da Di­rec­ção do Mi­nis­té­rio, em es­pe­ci­al do Sal­va­dor e do Agos­ti­nho. Ilus­tres Co­le­gas A ac­ção da Ins­pec­ção sem­pre foi aci­ma de tu­do pe­da­gó­gi­ca, mas hou­ve ca­sos que ul­tra­pas­sa­ram os li­mi­tes e não se po­de ad­mi­tir. Quan­do al­guém co­mo che­fe de uma mis­são com­pre du­as ve­zes um imó­vel e ain­da es­ta­mos a pa­gar ren­das de ca­sa, o que is­to re­pre­sen­ta. Por ou­tro la­do há ca­sos em fo­ram trans­fe­ri­dos va­lo­res avul­ta­dos, pa­ra lo­cais cu­jo lo­cal não jus­ti­fi­ca­va aque­les va­lo­res (mi­lhões de dó­la­res) e quan­do se des­lo­ca­vam aos ban­cos es­tran­gei­ros pro­ce­di­am à le­van­ta­men­tos de mon­tan­tes exa­ge­ra­dos de 600.000.00 USD (seis­cen­tos mil dó­la­res) de uma só vez, por exem­plo. Fo­ram pro­pos­tas mis­sões de ins­pec­ção, pa­ra se apu­rar, in lo­co, mas o Mi­nis­tro Ma­nu­el Au­gus­to nun­ca au­to­ri­zou. Não te­nho dú­vi­das que um dos mai­o­res bu­ra­cos, ou mes­mo o mai­or do País é no Mirex e nas Mis­sões Di­plo­má­ti­cas e Con­su­la­res “MDC’S” nos Paí­ses fron­tei­ri­ços. De­pois da mi­nha exo­ne­ra- ção os pre­va­ri­ca­do­res dan­çam de ale­gria, dan­do-se ao lu­xo de en­vi­ar men­sa­gens de satisfação e a te­le­fo­na­ram a in­sul­tar. De no­tar que du­ran­te um ano e dois me­ses co­mo Ins­pec­tor Ge­ral só ti­ve um des­pa­cho com o Mi­nis­tro Ma­nu­el Au­gus­to e re­ce­bia or­dens do Di­rec­tor de Ga­bi­ne­te e do Se­cre­tá­rio Ge­ral, mas ul­ti­ma­men­te re­jei­tei, por­que de fac­to o Ins­pec­tor de­pen­de di­rec­ta­men­te do Mi­nis­tro. Por ou­tro la­do co­mo Ins­pec­tor nun­ca par­ti­ci­pei nu­ma reu­nião pa­ra to­mar de­ci­sões a ní­vel do Mirex. Por in­crí­vel que pa­re­ça ma­ni­fes­tei o meu des­con­ten­ta­men­to por tal fac­to ao Ti­tu­lar do De­par­ta­men­to Mi­nis­te­ri­al. A ní­vel do Mi­nis­té­rio o Mi­nis­tro Ma­nu­el Au­gus­to tem mui­tos com­pro­mis­sos pa­ra com as pes­so­as que aco­lhem os seus fi­lhos e ir­mãos, por tal fac­to não po­de exer­cer o po­der dis­ci­pli­nar e há mui­tos ca­sos que não se po­de acei­tar é as­sim que va­mos as­sis­tir pro­xi­ma­men­te a no­me­a­ção do Em­bai­xa­dor Ed­gar Martins pa­ra Em­bai­xa­dor de An­go­la na Co­reia do Sul só por ter fei­to es­te fa­vor. Na qua­li­da­de de Ins­pec­tor sem­pre pen­sei em po­der trans­mi­tir a mi­nha ex­pe­ri­ên­cia a to­da equi­pa de ins­pec­to­res, mas fui im­pe­di­do de as­sim pro­ce­der, por­que nu­ma Ins­pec­ção di­fi­cil­men­te se apu­ram os mon­tan­tes em fal­ta. O que se faz ho­je são me­ras au­di­to­ri­as por amos­tras e não se apu­ram os re­sul­ta­dos, mas pa­ci­ên­cia, por­que a ac­tu­al Di­rec­ção do Mirex nun­ca es­te­ve in­te­res­sa­do nis­to. O Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo tem que sa­ber que o Mi­nis­tro Ma­nu­el Au­gus­to es­tá a lu­di­briá-lo, à fren­te diz uma coi­sa e por trás faz o con­trá­rio, te­nho pro­vas do que es­tou a di­zer. Há Che­fes de Mis­sões que de­la­pi­da­ram o erá­rio pú­bli­co, tra­zen­do to­do o re­cheio das Re­si­dên­ci­as Ofi­ci­ais e in­clu­si­ve o car­ro pro­to­co­lar e não se faz na­da, ou­tros com­pram Le­xus e põem no País e pre­ten­dem aba­ter a seu fa­vor a cus­to ze­ro, ou­tros com­pram au­to­car­ros e põem em Luanda a fa­zer de tá­xi, pin­ta­do de azul e bran­co e ain­da vem o Se­nhor Mi­nis­tro a de­sau­to­ri­zar o Ins­pec­tor Ge­ral man­dan­do aba­ter o au­to­car­ro, quan­do não tem com­pe­tên­cia pa­ra tal. De fac­to a opi­nião pú­bli­ca de­ve sa­ber a ver­da­de é que to­da a ac­ção de­sen­vol­vi­da pe­la Ins­pec­ção nun­ca po­dia ser do agra­do do pró­prio Mi­nis­tro. Is­to que es­tou aqui a di­zer é uma go­ta de água no oce­a­no, por­que há coi­sas mui­to mais gra­ves que vêm sen­do fei­tas à mui­tos anos. A mi­nha co­ra­gem e de­ter­mi­na­ção eles nun­ca irão tra­var, por­que sem­pre fui de­ter­mi­na­do. O no­vo Ins­pec­tor Ge­ral e a pró­pria Di­rec­ção do Mirex fi­ca­ram es­tu­pe­fac­tos, por­que pe­la pri­mei­ra se fez uma pas­sa­gem de pas­tas on­de foi ela­bo­ra­do um re­la­tó­rio exaus­ti­vo em que se es­pe­lha to­da a ac­ção de­sen­vol­vi­da pe­la Ins­pec­ção, bem co­mo pro­ce­deu-se à en­tre­ga de to­dos os dos­si­ês, o que es­tá em jo­go é o País e não as pes­so­as. Qu­e­ro aqui ma­ni­fes­tar o meu des­con­ten­ta­men­to por par­te do no­vo Ins­pec­tor que nu­ma ati­tu­de de fal­ta de res­pei­to pro­me­teu dar me pan­ca­da no seu pró­prio Ga­bi­ne­te, mas con­se­gui sus­ter-me, por for­ma a não acon­te­cer o pi­or, mas tu­do is­to não me ad­mi­ra, por­que ele tem cons­ci­ên­cia que co­mo Di­rec­tor dos Re­cur­sos Hu­ma­nos in­tro­du­ziu pes­so­as es­tra­nhas ao Mirex nas MDC’S (cu­nha­dos, fi­lhos, ou­tros pa­ren­tes e mo­to­ris­tas), co­mo to­dos eles fi­ze­ram, is­to ho­je é um “Con­go”, não se sa­be quem é quem. Du­ran­te to­do o pe­río­do que fiz par­te da Di­rec­ção do Mirex pu­de ou­vir de­sa­ba­fos pou­co abo­na­tó­ri­os em re­la­ção a pes­so­as com um de­ter­mi­na­do pres­tí­gio e são co­la­bo­ra­do­res do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo e mui­to es­tão a con­tri­buir pa­ro o êxi­to da di­plo­ma­cia por par­te do Sal­va­dor e do Agos­ti­nho. Is­to não é bom e con­si­de­ro uma fal­ta de res­pei­to. Por fim di­go que o Mirex não po­de con­ti­nu­ar a ser con­du­zi­do por jo­vens que não co­nhe­cem os me­an­dros da di­plo­ma­cia. O Se­cre­tá­rio-ge­ral tem que ser um ver­da­dei­ro di­plo­ma­ta que te­nha fei­to pe­lo me­nos uma mis­são no es­tran­gei­ro e que co­nhe­ça os fun­ci­o­ná­ri­os e re­sol­va os pro­ble­mas e não crie ou­tros. Re­sol­vi efec­tu­ar a pre­sen­te de­nún­cia de­vi­do as gra­ves ir­re­gu­la­ri­da­des que vi­ve o Mirex e por ou­tro la­do a mi­nha vi­da cor­re pe­ri­go, pe­lo que es­tou na dis­po­si­ção da PGR que de­ve­ria sa­ber e apu­rar to­da a ver­da­de. A. Lima Vi­e­gas»

PRE­SI­DEN­TE DA AS­SO­CI­A­ÇÃO DOS DI­PLO­MA­TAS AN­GO­LA­NOS, ANTÓNIO LIMA VEI­GA

MI­NIS­TRO DAS RE­LA­ÇÕES EX­TE­RI­O­RES, MA­NU­EL AU­GUS­TO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.